Os 10 melhores filmes com personagens de todos os tempos

Os personagens costumam ser as partes mais integradas e complexas de um roteiro de filme. Eu sempre senti, experimentei e cheguei a acreditar que um filme com personagens bem gravados muitas vezes fica mais na sua mente do que filmes que se concentram apenas no enredo. Embora possa haver filmes com enredos emocionantes, bem como personagens intrigantes, sempre tive essa inclinação para filmes que são quase inteiramente movidos por personagens. Houve inúmeras ocasiões que me deixaram fascinado quando os cineastas fazem uso magistral dos personagens para contar suas histórias. É quando eles narram a jornada de um personagem que molda o cerne da história do filme. E mais frequentemente, filmes dirigidos por personagens levam os atores aos seus limites extremos, resultando em performances sensacionais. Com isso dito, aqui está minha lista de alguns dos filmes mais dirigidos por personagens de todos os tempos. Você pode assistir a alguns desses melhores filmes de estudo de personagens no Netflix, Hulu ou Amazon Prime.

1. Cidadão Kane (1941)

O maior filme americano já feito também é um dos filmes com mais personagens de todos os tempos. ‘Cidadão Kane’ narra a vida de Charles Foster Kane, um grande editor de jornal, cuja misteriosa última palavra interessa a um jornalista enquanto ele se propõe a descobrir seu significado. Um filme que revolucionou quase todos os aspectos da produção cinematográfica, ‘Cidadão Kane’ é um estudo surpreendente do personagem de um ser humano. A alma de um ser humano que antes transbordava de ambições e desejos. A vida de Kane é revelada a nós por meio de entrevistas em flashbacks, conforme o vemos passar de um jovem idealista a um magnata dos negócios implacável. É o mistério por trás do homem, sua jornada, seus sonhos, suas emoções e desejos que formam o coração e a alma do filme. E mais de 7 décadas depois, Charles Foster Kane ainda permanece como uma das figuras mais enigmáticas do cinema.



2. Taxista (1976)

Provavelmente nenhum outro filme conseguiu cativar, envolver e perturbar seus espectadores como 'Taxi Driver' tem, de uma forma que tem muito pouco a ver com o enredo, mas sim sobre a jornada de seu personagem central enquanto ele é puxado para a teia de loucura e paranóia. A obra-prima de Martin Scorsese é um rugido silencioso sobre o Vietnã e uma geração que testemunhou e suportou a loucura, o caos e passou pelo inferno nas selvas do Vietnã. E Scorsese, com sua proeza cinematográfica, retrata a alienação de um homem da civilização através dos olhos do Travis Bickle de De Niro. É a sobrevivência de Travis em um mundo que já foi seu, mas agora parece estranho, que forma o ponto crucial da história do filme.

3. Raging Bull (1980)

‘Raging Bull’, na minha opinião, é o filme biográfico final. É fascinante, convincente e comovente. O forte contraste da vida de um homem fora e dentro do ringue torna Jake LaMotta um estudo de personagem extremamente fascinante. Suas obsessões, sua ambição, seus desejos, seu amor, sua raiva. O filme nos faz passar por uma infinidade de emoções enquanto testemunhamos um homem que torna sua vida um inferno rejeitando as pessoas que mais o amavam e sua batalha constante com ele mesmo e seus demônios interiores que atormentaram sua alma durante todo o tempo a vida dele. A vida e as pessoas não são apenas preto e branco. São essas cores incrivelmente em camadas inerentes a todos nós que, em última análise, nos tornam seres humanos. ‘Raging Bull’ pode ser apenas o filme perfeito se você pretende explorar filmes baseados em personagens.

4. The Godfather (1972)

‘O Poderoso Chefão’ é um exemplo clássico de quão habilmente um filme pode misturar seu enredo e o personagem enquanto ambos se tornam o mesmo. O enredo do filme segue um velho e poderoso don da máfia sendo baleado por seus gângsteres rivais, exigindo que seu filho mais novo se apresentasse e se apresentasse para proteger sua família. Este é um enredo que exige muito desenvolvimento do personagem. Francis Ford Coppola apresenta Michael pela primeira vez como um jovem, charmoso e idealista herói de guerra com um senso aparentemente elevado de moralidade que se distancia dos negócios de sua família. No entanto, os eventos que acontecem ao longo do filme gradualmente puxam Michael para o mundo escuro e trágico do crime e da violência enquanto ele se torna o mais implacável e imoral doador da família. É a transformação de Michael de um universitário inocente em um mafioso de coração frio que é o foco central da história em ‘O Poderoso Chefão’.

5. The Godfather Part II (1974)

Separar os dois primeiros filmes do Poderoso Chefão é uma tarefa incrivelmente difícil, não porque a segunda parcela não se qualifica como autônomo, mas por causa de como eles são interdependentes em termos de história e desenvolvimento de personagem. No entanto, é apenas na segunda parcela da série que podemos ver os personagens como se fossem verdadeiros. Coppola explora ainda mais a psique de seu protagonista e questiona sua moralidade na sequência do filme, traçando paralelos com a narrativa do flashback de seu pai e sua ascensão ao poder. O retrato da ascensão de Vito como gângster e da queda de Michael como ser humano torna 'O Poderoso Chefão Parte II' um dos filmes mais dirigidos por personagens do cinema.

6. O Mestre (2012)

Paul Thomas Anderson, indiscutivelmente o melhor cineasta americano contemporâneo, é um mestre no trabalho de personagens. E em seu drama satírico zombando da Cientologia de 2012, Anderson se esforçou bastante com seus personagens em um filme que mal tinha um enredo. O filme se desenrola como um evento musical lindamente orquestrado para dois músicos clássicos altamente qualificados, Joaquin Phoenix e Philip Seymour Hoffman. É a maneira brilhantemente bizarra com que Anderson colocou os dois personagens contrastantes de Freddie Quell e Lancaster Dodd que torna o filme incrivelmente excitante, inebriante e viciante.

7. Haverá sangue (2007)

Um dos melhores filmes de Hollywood neste século, ‘There Will Be Blood’ é um conto épico de ganância, poder, ambição e é em seu cerne uma pura e clássica tragédia americana. O filme se concentra na jornada de Daniel Plainview, que é levado ao extremo por suas ambições loucas. O brilho absoluto de Paul Thomas Anderson no trabalho dos personagens mais uma vez entra em jogo aqui, à medida que os 15 minutos iniciais do filme, sem uma única linha falada, estabelecem o personagem de Plainview como um homem trabalhador que busca fazer sucesso no negócio do petróleo. Todo o filme é ambíguo sobre as emoções, pensamentos e consciência interior do personagem, já que Plainview é um homem que fez um mundo todo para si e desliga as pessoas quando as percebe entrando sorrateiramente em seu reino de ódio congênito e total desdém pela humanidade. Daniel Plainview é um personagem para todos os tempos. Um que será discutido, debatido e analisado nos próximos anos.

8. Magnolia (1999)

Bem, sem surpresas novamente. Como eu disse, nenhum cineasta contemporâneo chegaria perto de Paul Thomas Anderson no que diz respeito à caracterização. ‘Magnolia’ pode muito bem ser considerado seu melhor trabalho. Anderson consuma sua relação com o cinema neste filme que é um intenso estudo de personagens em busca de felicidade, perdão e sentido. Talvez nenhum outro filme americano dos últimos 20 anos tenha conseguido nos impactar com tal profundidade emocional da maneira que ‘Magnolia’ conseguiu. Aqueles momentos de êxtase de pura felicidade, os momentos de ternura de amor, a agonia e as mágoas que os personagens sofrem no filme tornam este um dos estudos de personagem mais imensamente satisfatórios, mas angustiantes de todos os tempos.

9. Boyhood (2014)

Quando o nome de Richard Linklater surge, você sabe que o filme não terá nada a ver com um enredo, mas será sobre a vida e a jornada de seus personagens ao longo do tempo. As excentricidades de Linklater com relação ao uso do tempo real no cinema e permitindo que seus atores envelheçam naturalmente ao longo de muitos anos dão a seus filmes um toque distinto e uma experiência cinematográfica estimulante. Sua magnum opus de 2014, ‘Boyhood’ retrata 12 anos na vida de um menino, desde criança a adolescente indo para a faculdade. Uma façanha surpreendente no cinema, Linklater rodou o filme por um período de 12 anos para que pudesse fazer seus atores envelhecerem naturalmente e retratar bem seus personagens. O filme afastou muitos cinéfilos tradicionais devido à falta de enredo. Mas Linklater nos pergunta. Nossas vidas têm um enredo? Somos todos meros personagens em vidas. Passamos por várias fases e emoções e não há necessidade de que as coisas aconteçam em nossas vidas, pois a própria vida é a maior coisa que poderia nos acontecer. E, para citar Shakespeare, “O mundo todo é um palco. E todos os homens e mulheres são apenas jogadores ”.

10. Um Voou Sobre o Ninho do Cuco (1975)

O clássico eterno de Milos Forman é um conto triste de espíritos humanos destruídos pela tirania de uma alma má em uma instituição mental. O inesquecível Randle McMurphy de Jack Nicholson simbolizou liberdade, revolução e rebelião por uma geração. O filme está repleto de personagens sólidos, fascinantes e bem gravados e é esse brilho nos aspectos da escrita que o torna um relógio envolvente, apesar de aparentemente carecer de um enredo claro. McMurphy nos leva para um passeio com ele e em sua jornada aprendemos sobre a beleza dos espíritos humanos, o verdadeiro significado e a essência da felicidade e das emoções humanas sinceras de amor.

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt