10 melhores filmes sobre o complexo Lolita de todos os tempos

Se você está familiarizado com a história de Lolita, escrita originalmente em 1955 por Vladimir Nabokov, provavelmente pode adivinhar do que se trata o 'complexo de Lolita'. Também conhecido como “Lolicon”, é definido como a atração por meninas menores de idade ou pré-púberes, geralmente por homens idosos. Esse assunto polêmico foi tema de muitos filmes ao longo do século, cada um dando seu próprio toque a esse assunto delicado, muitas vezes visto como perturbadoramente errado e imoral. Através de diferentes perspectivas e limitando os personagens a níveis díspares, recebemos vários gêneros de trama que nos farão amá-los ou odiá-los.

No entanto, embora seja um assunto delicado do qual muitas pessoas possam discordar veementemente, os filmes ainda têm a capacidade de nos levar além do óbvio. Por meio de excelentes performances, visuais impressionantes e tramas emocionais, esses filmes sobre o complexo Lolita podem nos levar a uma compreensão diferente do problema do que faríamos à primeira vista. Você pode assistir a esses filmes como Lolita no Netflix ou Hulu ou Amazon Prime.

10. Step Father (1981)



Semelhante ao conceito de “Lolita”, este filme, anglicizado com “Padrasto”, traz ao público o desenvolvimento de uma polêmica relação entre um homem de 30 anos e sua enteada de 14 anos, após a morte de sua mãe em um acidente de carro. O diretor Bertrand Blier conseguiu lidar com esse assunto controverso com pureza, sutileza e graça. Apesar de ser um tabu, o uníssono de grandes e bem desenvolvidas performances de Patrick Dewaere e Ariel Best (em seu primeiro papel) e o delicado diálogo e ritmo, traz a visão sensível e elegante de Blier a uma excelente realização visual e narrativa.

9. Circle of Two (1981)

Este drama canadense estende a diferença de idade ainda mais do que qualquer outro filme desta lista. Desta vez, uma tenra jovem de 16 anos que escreve poemas, se apaixona e inicia um relacionamento inocente, mas bastante emocional, com um pintor mais velho, aos 60 anos. É um retrato longo e realista de um tal incerto e duvidoso situação, mas nos dá uma boa visão de cada personagem, tornando-os muito agradáveis ​​e verdadeiros. Com Richard Burton assumindo o papel do pintor e Tatum O'Neal o da adolescente Sarah Norton, esta história dramática assume o polêmico “Complexo de Lolita” e o traz para um ambiente cotidiano, onde as coisas podem nem mesmo parece tão difícil de aceitar quando o amor está no centro das ações dos personagens.

8. Albatross (2011)

Este drama britânico, que foi filmado exclusivamente na Ilha de Man, narra a história de Emelia (Jessica Brown Findlay), uma adolescente rebelde que aspira a se tornar uma escritora, que conhece uma família de quatro pessoas, cuja filha da mesma idade, Beth ela rapidamente torna-se amigo. No entanto, Beth não é a única de quem ela se aproxima. Emelia logo se viu tendo um caso com o pai de família, Jonathan, muito mais velho, o que naturalmente trará complicações para o relacionamento entre todos esses personagens.

7. Palo Alto (2013)

Esta foi a estreia de Gia Coppola (neta de Francis Ford Coppola) no longa-metragem que estrelou brilhantemente, entre outros, Emma Roberts e James Franco. No meio da vida adolescente e dos esforços de um grupo de adolescentes, April (Roberts) e seu técnico de futebol, o Sr. B (Franco), se envolvem em um relacionamento mais íntimo do que deveria ser a abordagem usual de correlação aluno-professor. Um enredo muito construído e à deriva, com personagens bem definidos vistos de um mundo onírico e imprudente criado por uma cinematografia lindamente estilizada, que alcança uma retrospectiva aberta para essas almas variadas de Palo Alto.

6. Manhattan (1979)

Woody Allen e seus óculos exclusivos podem ser vistos mais uma vez em um de seus filmes, uma comédia romântica em preto e branco ambientada em Manhattan, como o título indica com transparência. Diz-se que foi baseado em um relacionamento amoroso que ele teve no passado com Stacey Nelkin, de 17 anos, que tinha mais do que o dobro de sua idade na época. Neste filme, seguimos a vida de Isaac (Allen) através de uma perspectiva que olha as relações humanas, desde casos amorosos e ex-esposas a amigos e namoradas. Este personagem principal de 42 anos acabou de sair do emprego e está namorando Tracy, uma bela estudante de 17 anos. Embora este não seja o aspecto mais importante do filme, à medida que Isaac segue se apaixonando pela amante de seu amigo, deixando a jovem estudante para trás, ele acaba tentando voltar para ela no final, sem sucesso. Um grande sucesso que deixou este filme como o segundo maior sucesso de bilheteria de Allen na história de sua filmografia.

5. Notes On A Scandal (2006)

Este louco thriller psicológico gira, salta para cima e para baixo e explode com um poder furioso antes de aterrissar merecidamente em várias indicações para festivais, levando para casa alguns prêmios. Estrelado por Judi Dench e Cate Blanchett como as faces frontais desta narrativa dramática, ele contém um enredo brilhantemente escuro e potente que é inteligentemente tratado por uma combinação estruturada de visuais e sons. Por meio dos diários de Barbara Covett, uma professora prestes a se aposentar, nos é contada a história de Sheba, a nova professora de arte, e seu envolvimento sexual com uma estudante de 15 anos que não trará nada além de complicações tumultuadas. Acima de tudo, se não por tudo, assista às performances fantásticas de Dench e Blanchett.

4. Grandes bolas de fogo! (1989)

Este é um excelente filme biográfico que descreve a vida do astro do rock and roll Jerry Lee Lewis, com Dennis Quaid fazendo uma atuação magistral no lugar deste ícone histórico da música dos anos 1950. No meio de sua carreira selvagem e elétrica, é seu casamento com sua prima de 13 anos que apresenta o “Complexo de Lolita” e ocorrência altamente polêmica que o levou à quase extinção do cenário musical. Conhecido por seu talento musical inquestionável e criatividade extrovertida, os lados mais sombrios e arrogantes de sua personalidade, juntamente com seu alcoolismo também são aspectos mostrados neste filme, dando-lhe uma visão ampla e variada da vida e da mente deste mestre do piano.

3. American Beauty (1999)

O clássico dos clássicos de Sam Mende baseia-se na crise da meia-idade do executivo de publicidade de 42 anos, Lester Burnham (Kevin Spacey) e na exploração dos sentimentos, desenvolvimentos e ações dos personagens ao seu redor que acabarão por levar a história ao seu final final e glorioso. Angela Hayes (Mena Suvari) é a Lolita desta história, com seu sutil, porém inocente flerte com o pai da melhor amiga Jane, Lester. Este último mostra claramente seu desejo e atração pelo jovem adolescente, notoriamente por meio de suas fantasias sexuais e da cena de dança icônica com as pétalas vermelhas saindo da jaqueta esportiva de abertura de Ângela. Este personagem emblemático e polêmico e traço da trama não sugere nojo e imoralidade, pelo contrário, evoca perfeitamente o estado mental do personagem e sua tentativa de rejuvenescer sua vida social fechada e desaparecida e posição individual e estado de satisfação. Imerso em um exame muito mais profundo da vida, beleza, repressão e outros pensamentos, aqui está um 'Complexo de Lolita' bastante interessante para assistir e rever.

2. Lolita (1962)

“Como é que eles fizeram um filme sobre Lolita?” diz o pôster do filme. Não acho que haja nada que Stanley Kubrick não faria se achasse certo ser criado. Isso é exatamente o que aconteceu com este lançamento em 1962 da famosa história de 'Lolita', estrelado por James Mason e Sue Lyon como os dois 'amantes' contenciosos. Ele se concentra principalmente na obsessão pela bela e jovem adolescente de 14 anos, de quem Humber Humbert é apaixonadamente incapaz de se distanciar. Embora omita grande parte da provocação contida no livro, ainda foi visto como um filme bastante polêmico, pelo fato de o assunto em geral ser tabu e imoral aos olhos do público. No entanto, foi um sucesso comercial total e desde então marcou a sua importância na história do cinema.

1. The Reader (2008)

Baseada no romance alemão de 1995 escrito por Bernhard Schlink, esta premiada obra dirigida por Stephen Daldry tem como foco principal, mais uma vez, os polêmicos fenômenos que se denomina “Complexo de Lolita”. No entanto, a ideia usual de que o adulto é homem é nesta história revertida em Hanna (Kate Winslet) sendo a condutora de bonde de 36 anos tendo um relacionamento sexual peculiar com Michael (David Kross), um adolescente de 15 anos ainda com saúde frágil menino curioso. O enredo salta do passado do personagem para o futuro, com a versão mais antiga de Michael interpretada por Ralph Fiennes, revelando segredos mais sombrios e confrontos comoventes conforme a trama avança. Polido a um nível de excelência bastante notável, o que é mais impressionante são as performances dos personagens principais, que realmente embelezam as perspectivas bilaterais sobre as quais esta história oferece para reflexão.

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt