‘Bird Box’, Explicado

Um dos filmes mais comentados desde seu lançamento na Netflix foi ‘Bird Box’. O recurso Netflix também deu início a uma tendência perigosa nas mídias sociais, levando o YouTube a implementar uma proibição geral do desafio. Sandra Bullock e sua venda têm sido alvo de intensa ridicularização por parte dos internautas. Considerando tudo isso, o recorde de audiência do filme na plataforma de streaming prova sua popularidade.

Baseado no romance de mesmo nome de Josh Malerman de 2014, ‘Bird Box’ é dirigido pela aclamada cineasta dinamarquesa Susanne Bier. Seus trabalhos notáveis ​​são o vencedor do Oscar 'In a Better World', 'After the Wedding', e a série de TV 'The Night Manager'. Bier é notório por não estar em conformidade com os padrões e métodos tradicionais de edição e estilo visual. ‘Bird Box’ exala e carrega a marca registrada de Bier de uma forma enervante. O thriller pós-apocalíptico está impregnado de mitologia ancestral e gira em torno do surgimento de monstros invisíveis, que ilicitam o suicídio violento de seus espectadores. Então, essencialmente, se você os vir, você morre. Tocar um sino? “Se eles te ouvirem, você morre”. 'Bird Box' faz parte de uma série de filmes experimentais e bem-sucedidos lançados em 2018. Mas enquanto seu parceiro analógico, 'A Quiet Place', transformava sua premissa intrigante em uma experiência cinematográfica única, original e fascinante, 'Bird Box' falhou no teste de tornassol, pelo menos em minha opinião.

O filme é desnecessariamente longo e caminha desnecessariamente ao longo de sua linha do tempo do passado, revisitando-a com muita frequência. O vaivém tira as pernas da linha do tempo atual, que certamente é mais promissora e é muito mais envolvente. Para quem não leu o livro, inclusive eu, a carga do rio provou ser um desafio desconhecido que nos manteve envolvidos com o filme. Alguns elementos da história foram deixados ambíguos e permanecem abertos à interpretação. Como podemos abrir mão de uma oportunidade dessas? Então aqui está uma explicação de todo o filme: a trama, tons temáticos, o final e, sim, os monstros. Leitura feliz!



Enredo

‘Bird Box’ começa com uma nota frenética. Vemos uma mulher, mais tarde identificada como Malorie, dando instruções apressadamente a um menino e uma menina. Eles são simples de entender, mas difíceis de seguir: “Não abra os olhos”. A natureza intransigente dos pedidos é realmente impressionante. O trio coloca as vendas nos olhos e inicia a viagem no rio. A narrativa dá um salto no tempo e voltamos cinco anos para uma cidade normal. Uma Malorie grávida está ficando com sua irmã, Jessica, em seu apartamento. Em visita de rotina ao hospital, a dupla ouve notícias de erupção de violência que aumenta rapidamente. Enquanto caminham para o carro, eles veem uma mulher batendo a cabeça contra a vidraça de uma janela, em uma tentativa de se matar. O comportamento estranho assusta os espectadores, que correm para a segurança. Malorie e Jessica dirigem por um oceano de carros parados e pedestres em pânico e, quando este vê algo à sua frente, perde o controle do carro e tomba. Enquanto Malorie se recupera, ela vê Jessica pular na frente de um caminhão em alta velocidade.

Tom finalmente resgata Malorie depois de vagar delirantemente pela multidão. Eles acampam com outros sobreviventes na casa de Douglas, um advogado rabugento e rico, que desaprova Malorie e outras novas adições à sua casa. Após a normalização, o grupo decide vendar todas as janelas da casa, corolário de sua conclusão de que os monstros são sobrenaturais e incita, quem os vê, a se matar. Eles esperam dias na casa, no processo formando laços estreitos com alguns dos ocupantes. Olympia, uma das pessoas presas, permite que um homem suspeito, Gary, entre em casa. Apesar dos protestos de Douglas, o grupo decide manter Gary em casa. Malorie e Olympia, ambas grávidas, juram proteger os filhos uma da outra caso algo aconteça com elas.

À medida que os membros e sua permanência aumentam, o suprimento de alimentos diminui consideravelmente. Tom, Malorie, Charlie, Lucy e Douglas pegam um carro, coberto por todos os lados, para o supermercado local. Charlie se sacrifica quando todo o grupo é ameaçado de ser comprometido. Gary está chocantemente no controle de si mesmo e ainda impulsionado a expor as pessoas aos monstros. Todos os sobreviventes são mortos, exceto Malorie, Tom e os bebês recém-nascidos. A linha do tempo muda para cinco anos após esses eventos e pouco antes da carga do rio. Tom e Malorie criam os filhos e ainda sobrevivem, destruindo casas próximas. Eles recebem transmissões de uma comunidade aparentemente segura. A ligação acabou sendo uma armadilha armada por pessoal infectado semelhante a Gary. No caos que se seguiu, Tom se sacrifica para salvar Malorie e as crianças.

No clímax, finalmente saltamos para os dias atuais. É revelado que Malories recebe uma transmissão de uma comunidade. Embora cética, Malorie decide fugir para eles. Finalmente, após superar vários obstáculos, ela chega à casa segura, onde descobre uma colônia humana de sobreviventes em flor.

Os monstros

Tem havido muita deliberação sobre o assunto, tanto do público quanto da crítica. O filme não estabelece uma definição ou forma precisa dos monstros, assim como o livro, o que decepcionou as pessoas que os rastrearam. Ao longo do filme, eles permanecem do outro lado da câmera, não aparecendo nela. Somos apenas espectadores das reações das pessoas que os veem. Freqüentemente, eles assumem a forma de algo que você teme ou que afeta a seção de memória ruim de seu cérebro. Eles poderiam ter feito uma aparição na tela, mas a cena, que foi estruturada como o pesadelo de Malorie, foi editada na edição final. Em uma entrevista ao Bloody Disgusting, Sandra Bullock revelou que os monstros pareciam “um homem verde com uma cara de bebê horrível”. Ela acrescenta: “Era como uma cobra, e eu fiquei tipo,‘ Não quero ver quando acontecer pela primeira vez. Basta trazê-lo para a sala. Vamos filmar a cena. 'Eu me viro e ele fica assim [rosnando para mim.] Está me fazendo rir. Era apenas um bebê gordo e comprido. ” A cena está agora nas mãos seguras do Saturday Night Live.

O conceito é parcialmente semelhante ao Boggart de ‘Harry Potter’ ou, mais recentemente, Pennywise de ‘It’. Apesar dessa semelhança, os monstros têm um pedigree completamente diferente. Eles são mais inclinados a um sistema de IA do mal, como HAL de ‘2001 Space Odyssey’, mas ausente na forma. Outra boa comparação poderia ser ‘Segue’. O pai dos clássicos do terror moderno, HP Lovecraft também parece ser um espírito orientador. Sua criação, as Coisas Ancestrais, descritas como “terríveis monstros estrela-do-mar que podem levar uma pessoa à loucura apenas por colocar os olhos nelas” formam a ideia central por trás desses monstros.

A noção de que o filme não oferece nenhuma explicação plausível é parcialmente falsa. Lembra-se de Rod Williams da TSA do filme ‘Get Out’? Ele faz uma breve mas significativa aparição no filme como Charlie. Quando os sobreviventes se encontram pela primeira vez, Charlie avisa os outros sobre sua pesquisa. Ele cita várias figuras míticas, que, segundo ele, culminam nos monstros. Ele os define como “entidades que assumem a forma de seus piores medos, maior perda ou mais profunda tristeza”. Quando Jessica vê os monstros, ela deixa escapar surpresa, misturada com terror. Lydia, esposa de Douglas, entra em um carro em chamas, chamando por sua mãe enquanto ela o faz. As palavras finais de Olympia são “Você não é tão ruim”. Em cada caso, as vítimas experimentam seus piores medos, maiores perdas ou mais profunda tristeza, respectivamente. Portanto, há mérito no que Charlie revelou. Voltei e rastreei todas essas criaturas de vários folclores ao redor do mundo. O texto está disponível online para leitura adicional. Vamos ver o que Charlie tinha reservado.

Aka Manah

PC: charahub.com

Aka Manah, uma criatura semelhante a uma cabra de aparência ameaçadora, é considerado o “espírito maligno” nas lendas zoroastrianas. O demônio aparece em muitos textos antigos, como Akoman e Akman. Diz-se que ele foi “enviado por Ahriman para seduzir o profeta Zoroastro”. Ele seduz os humanos a cederem aos seus impulsos mais sombrios. No que diz respeito à psicologia humana, a pior coisa que um ser humano pode fazer é tirar uma vida. Aka Manah é a motivação (o estado de espírito) que causa a ação enganosa, assim como as vítimas dos monstros que se matam e tiram suas vidas. Então, a primeira referência de Charlie confirma.

Huli Jing

PC: flickr.com

Indo mais para o leste, a próxima referência importante de Charlie é Huli Jing, um espírito raposa de nove caudas que pode assumir a forma humana e ser bom ou mau, dependendo da situação. No contexto do filme, pode-se presumir que certamente é ruim. As raposas também têm poderes mágicos, capazes de manejá-los de acordo com seus caprichos e usá-los para influenciar outros. Os monstros parecem soar como seres humanos, afirmado por várias cenas do filme. Charlie está certo novamente. Ele passa a nomear certas outras criaturas míticas de diferentes religiões ao redor do mundo. Os monstros, na minha opinião, parecem ser um amálgama dessas criaturas e da criatividade da equipe de escritores.

Mentalmente Insano Permaneça ‘Sano’

Um dos mistérios, que sinto que devo abordar aqui, é que os pacientes mentais não são afetados. Como Gary, existem outros peeps malucos que não são afetados quando veem os monstros. Seus olhos não ficam cinzentos; as pupilas não dilatam e não se matam. Em vez disso, eles resolvem fazer outras pessoas verem os monstros. Vimos a primeira vez com Charlie, no supermercado. E de forma mais devastadora e significativa com Gary. O que é então que leva essas pessoas a fazerem outros vigiarem os monstros? E por que eles não cometem suicídio? A explicação de Gary pode ter uma dica. A premissa sob a qual ele entra em casa, narrada com grande sinceridade, é que ele está fugindo de pacientes que fugiram de uma instalação que abriga criminosos insanos. É importante contextualizar os comentários feitos por Charlie sobre quem são os monstros. “Piores medos, maior perda ou mais profunda tristeza”. Presumindo que isso seja verdade, o louco pode já ter experimentado isso em suas vidas. Os demônios que eles veem nos monstros, que validam os outros à loucura, podem fazê-los felizes e validar sua condição. Os insanos vêem os monstros como uma espécie de equalizador; nivelar o campo de jogo. Eles vêem os monstros como sua salvação, sua salvação de serem considerados loucos.

O fim

‘Bord Box’ termina com uma nota bastante previsível. Desde o primeiro minuto, Malorie e sua Garota e Garoto ditaram o ritmo. Sua viagem no rio termina com sucesso. Esperava-se que ela e as crianças ficassem em segurança. E eles fazem isso. ‘Bird Box’ termina com o trio no santuário para cegos. Eles encontram uma comunidade florescente, com Malorie também conhecendo seu médico, mostrado no início do filme. No entanto, duas coisas muito significativas acontecem. O primeiro é Malorie nomeando as crianças; a segunda é a libertação dos pássaros. Ao longo do filme, Malorie chama as crianças, provavelmente dela e de Olympia, pelo gênero. Ela não personaliza a presença deles quando estão no deserto. O batizado é quase como a carta de amor de Bier à esperança.

Ela vê um futuro para sua família quando eles chegam ao santuário. Sua esperança de vida e felicidade é reacendida com o barulho das crianças brincando, os pássaros cantando como se fosse outro dia normal. Ela chama o menino de Tom, em homenagem a seu amante caído, e a menina Olympia, em homenagem à mãe biológica da menina. Sua confiança em seu amor pela garota enfrentou seu maior teste nas corredeiras. Ela conta às crianças como seria necessário ajudá-la a guiar o barco em segurança. Quando o menino se apresenta, Malorie refuta sua decisão e essencialmente escolhe a menina. Ela percebe o quanto ama os dois e a promessa que fez a Olympia. Os pássaros, que ela solta, são o símbolo da segurança. Quando ela os comprou no supermercado, sua capacidade de sentir o perigo a atraiu para eles. Vendo como eles a ajudaram durante toda a jornada, Malorie finalmente teve uma sensação de segurança no santuário. Esta é a razão pela qual ela soltou os pássaros e os deixou em paz. O final é diferente do livro, que foi mais macabro e intenso. O final do filme, no entanto, reafirma a fé nos fundamentos básicos da vida; esperança e a segurança do amor.

Palavra final

‘Bird Box’, apesar de seu roteiro estereotipado, é um relógio único e envolvente. É um filme feito para esta geração de pessoas, muitas das quais estão a crescer a ver filmes em serviços de streaming e a falar sobre eles nas redes sociais. Tenho medo de admitir, mas acho que a blitzkrieg de atenção que o filme recebeu me fez assisti-lo também. Tenho certeza de que milhões como eu viram o filme porque ele se tornou viral nas redes sociais. Essa será a norma daqui para frente? Os gigantes do streaming começarão a fazer mais e mais filmes com premissas que têm o potencial de se tornarem virais como 'Bird Box' fez? Como um grande fã de filmes, estou preocupado. Você está?

Leia mais em Explainers: Criação Annabelle | Naruto | Vidro

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt