Danielle Marshall Murder: Como Joshua Gibson morreu?

Crédito da imagem: CBS46 / Família de Danielle

'A Time to Kill: Data Doesnn't Lie' da Investigation Discovery narra o trabalho que foi feito para resolver o assassinato brutal de uma jovem mãe em Powder Springs, Geórgia. Danielle Marshall foi encontrada morta em sua casa em janeiro de 2013, liderando as autoridades em uma missão que durou cerca de cinco anos antes de seu assassino ser levado à justiça. Eles conseguiram resolvê-lo reunindo as últimas horas de Danielle e construindo um caso por meio de registros telefônicos. Então, se você está se perguntando o que aconteceu neste caso, nós o ajudamos.

Como Danielle Marshall morreu?

Danielle Marshall morava em Powder Springs com sua filha, Eva. A jovem de 23 anos conheceu o pai de seu filho, Joshua Gibson, enquanto trabalhava em um Goodwill na área. Na época, eles não estavam juntos, mas haviam terminado as coisas amigavelmente. Durante a madrugada de 14 de janeiro de 2013, Joshua fez uma ligação para o 911, informando que não foi capaz de falar com Danielle. Ele disse que ela não havia respondido às suas ligações ou mensagens, e não houve resposta na porta.

Crédito da imagem: Oxigênio



A polícia chegou e conseguiu entrar na casa por uma porta dos fundos destrancada. Lá dentro, eles encontraram Danielle no chão da cozinha em uma poça de sangue. Ela estava em posição fetal e Eva estava rastejando perto do corpo. Danielle foi chicoteada por uma pistola e baleada na cabeça uma vez. Os investigadores conseguiram recuperar uma bala na parede da cena do crime. Embora tivessem um suspeito em mente, passaram-se anos antes que o caso realmente avançasse.

Quem matou Danielle Marshall?

Joshua Gibson estava esperando do lado de fora da casa de Danielle quando a polícia apareceu. Seu comportamento se destacou para eles porque ele disse que podia ouvir Eva chorando lá dentro, mas não tentou entrar mesmo quando a porta dos fundos estava destrancada. Joshua foi questionado e disse à polícia que tentou contatar Danielle por telefone e, como não houve resposta, ele dirigiu até a casa dela. Na época, seus registros telefônicos o colocavam em outro lugar, e havia evidências de que ele ligava e enviava mensagens de texto para Danielle.

As autoridades o consideraram suspeito no caso, mas não havia provas suficientes para acusá-lo. Duas semanas antes do incidente, Joshua disse à polícia que seu carro foi baleado enquanto dirigia com seus outros filhos. Ele reivindicado que Danielle pode ter sido responsável por isso. A polícia recuperou a bala do carro e comparou com a encontrada na cena do crime. O teste revelou que eles combinavam. A polícia considerou a possibilidade de a mesma pessoa ter como alvo os dois.

Mas a investigação atingiu uma parede de tijolos depois disso. Os detetives não tinham muitas outras pistas para acompanhar e, cerca de um ano após o assassinato, o caso foi arquivado. Foi só em 2015 que uma unidade de caso arquivado reinvestigou o assassinato. As autoridades também descobriram que havia um história de violência doméstica entre o casal, levando a 11 denúncias à polícia em um período de 16 meses. Mas a grande chance veio na forma de uma testemunha.

A polícia examinou os registros telefônicos da namorada de Joshua, levando-os a um número de telefone que eles não haviam consultado antes. O mesmo número também foi encontrado nos registros telefônicos de Joshua. Isso foi rastreado até um amigo de Josué, que lhes deu algumas informações reveladoras. Ele disse que na noite do assassinato, ele foi com Josué à casa de Danielle para discutir a possibilidade de um trio. Mas quando Danielle não se interessou, eles foram embora, apenas para Joshua voltar sozinho por um tempo. A polícia então presumiu que Joshua usou o telefone de sua namorada para marcar a reunião e matou Danielle em sua casa. Eles acreditavam que ele poderia ter atirado em seu próprio carro para enganá-los.

Como Joshua Gibson morreu?

Joshua, então com 27 anos, foi preso em setembro de 2015. Enquanto aguardava o julgamento, um preso disse à polícia que Joshua planejava matar seu amigo para impedi-lo de testemunhar. Como resultado, ele também foi acusado de aliciamento. Em setembro de 2018, Joshua foi considerado culpado de homicídio doloso, homicídio doloso, agressão agravada, solicitação para cometer homicídio e algumas outras acusações. Ele foi condenado à prisão perpétua sem possibilidade de liberdade condicional e mais cinco anos. Durante o processo judicial, Josué pediu para se declarar culpado, mas então esbofeteado um de seus advogados, o que levou à anulação de seu pedido. Enquanto estava na prisão, Joshua saltou de uma grade do segundo andar, causando um sangramento cerebral e, por fim, sua morte.

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt