Da vida mimada ao trabalho policial nas ruas ruins

Ben McKenzie como um policial novato em ?? Southland.?

Na década de 1930, Franklin D. Roosevelt foi considerado um traidor de sua classe, e na década de 1960 Mick Jagger também. Os personagens principais em dois novos dramas policiais que começam esta semana são crianças de classe alta que desafiam sua educação para se tornarem policiais. Essa mobilidade descendente tem pouco a ver com a resolução de crimes, mas sugere que, atualmente, está na moda os ricos se odiarem.

Casey Shraeger, interpretada por Amber Tamblyn (Joana de Arcádia, A Irmandade das Calças Viajantes), é a heroína de The Unusuals no ABC, e ela é uma Gossip Girl que deu certo ?? uma ex-aluna da Dalton School que troca sua bolsa Birkin e Jimmy Choos por uma arma e um distintivo nas ruas mais mesquinhas de Nova York. Em Southland, da NBC, Ben McKenzie interpreta Ben Sherman, um novato no Departamento de Polícia de Los Angeles que cresceu em Beverly Hills e é provocativamente chamado de Tori Spelling pelos mais velhos da polícia.

Até recentemente, as colisões culturais funcionavam principalmente no sentido oposto. Em Gossip Girl, um estudante de classe média em uma esnobe escola particular tem que superar a riqueza e o privilégio de seus colegas super-ricos. Em The OC, McKenzie interpretou um garoto pobre de Chino, Califórnia, que se misturava com os adolescentes plutocráticos de Orange County.



Essa reversão não é tão surpreendente vindo de John Wells, que foi o criador do ER antes de se mudar para Southland, porque o Dr. John Carter do ER (Noah Wyle) também veio de pais ricos e esnobes que zombavam da medicina de emergência como déclassé. Mas o fato de os criadores de The Unusuals terem feito a mesma escolha sugere que há uma mudança mais ampla em mãos. Há outras semelhanças: os dois programas buscam um tom ousado e contemporâneo, rompendo com os modismos atuais e pegando emprestado de séries anteriores.

Resistente, cheio de suspense e filmado sob uma luz desanimada e enervante, Southland é de longe o melhor drama ?? O piloto de quinta-feira é um dos episódios de abertura mais emocionantes de qualquer série de crime na rede. Isso ocorre em parte porque Southland deixa para trás os fetiches forenses piegas de CSI e a angústia da novela de Law & Order: Special Victims Unit; ele contorna a tendência de detetives excêntricos, que lêem a mente, em favor do realismo áspero e das ambigüidades morais de programas a cabo como The Shield and Rescue Me e até mesmo, até certo ponto, The Wire.

Southland encontra eloquência em se conter. O primeiro dia de Ben no trabalho é tão dolorosamente tenso que às vezes também evoca o Dia do Treinamento, o filme estrelado por Ethan Hawke e Denzel Washington.

The Unusuals, que começa na quarta-feira, não é tão emocionante. Mas não é ruim, apenas mais previsível. É ambicioso de uma maneira diferente, tentando recuperar a mistura de alto drama e alívio cômico absurdo que distinguiu programas como Hill Street Blues. Ele investe um pouco demais de sua energia na tentativa de humor, incluindo um despachante invisível que solta boletins com um sotaque nasal do Queens: Segundo Esquadrão, aqui é o despacho. Fique atento a um porto-riquenho usando capa e sem calça.

Casey, que largou Harvard para se tornar policial, está trabalhando disfarçada como prostituta para o esquadrão de vícios quando de repente é recrutada, ainda com suas roupas falsas e salto agulha, para ajudar a investigar o assassinato de um detetive veterano. Não é uma maneira muito criativa de começar uma nova série sobre uma policial ?? mais parecido com a TV jiggle de antigamente. Mas Tamblyn tem um jeito atraente e taciturno que limpa um pouco da tolice de sua personagem.

O novo parceiro de Casey é o detetive Jason Walsh (Jeremy Renner), que costumava compartilhar seus casos com a vítima, e é um jogador de beisebol aposentado que, nas horas vagas, dirige uma lanchonete minúscula. Walsh e Casey trabalham bem juntos, apesar da interferência arrogante e idiota do Detetive Eddie Alvarez (Kai Lennox), que se refere a si mesmo na terceira pessoa e é a piada do time, um pouco como o personagem de Frank no M * A * S * H.

Nenhum show é totalmente original, mas The Unusuals levanta uma cena de The Wire tão descaradamente que é praticamente plágio. Dois dos detetives mais malucos estão interrogando um suspeito em uma série de assassinatos de gatos e dizem ao homem que a copiadora é o mais recente detector de mentiras de alta tecnologia, antes de fazer perguntas a ele e fotocopiar sua mão com a palavra verdadeira. Esse estratagema funcionou no The Wire porque aqueles detetives estavam questionando adolescentes endurecidos do gueto que sabiam tudo sobre drogas e armas, mas não tinham ideia de como era mesmo o equipamento básico de escritório ou escolar. Nesse programa, o suspeito é um adulto bem falante de classe média, e a pegadinha não faz sentido.

Southland não rouba The Wire, mas é inspirado pelo olhar intenso e íntimo daquele programa da HBO sobre o funcionamento interno do crime de rua e o trabalho policial espancado. Ben é designado para treinar, para não dizer trote, nas mãos de um endurecido veterano da força policial, John Cooper (Michael Cudlitz), que sujeita sua carga a um fluxo interminável de insultos e piadas sexistas. Ben, determinado a não ser provocado, tenta não vacilar ou reagir, o que leva Cooper a chamá-lo de canadense.

A maioria dos policiais que cercam Ben são tão rudes e insensíveis quanto os suspeitos que incomodam. São os crimes que são de partir o coração: um adolescente morto sem motivo por ex-presidiários agressivos que passavam por ele, uma garota arrancada do lado de fora de sua casa quando a atenção de seu pai se desvia por um momento. Ben está quase tão assustado com seus novos colegas quanto com os criminosos, e por um bom motivo.

Mesmo os programas de rede mais duros tendem a se render às expectativas depois de um tempo e amolecer, diluindo seu poder com sentimentalismo piegas e subtramas românticas. Por enquanto, pelo menos, Southland é louvamente restrito e frio, uma série que não visa agradar, e é ainda mais agradável para isso.

SOUTHLAND

NBC, noites de quinta às 10, horário do Leste e do Pacífico; 9, hora central.

Criado por Ann Biderman; dirigido por Christopher Chulack; John Wells, Sr. Chulack e Sra. Biderman, produtores executivos; Jon Pare e Andrew Stearn, produtores. Produzido pela John Wells Productions em associação com a Warner Brothers Television.

COM: Ben McKenzie (Ben Sherman), Michael Cudlitz (John Cooper), Regina King (Lydia Adams), Tom Everett Scott (Russell Clarke) e Shawn Hatosy (Sammy Bryant).

OS INCOMUNS

ABC, noites de quarta-feira às 10, horário do Leste e do Pacífico; 9, hora central.

Criado e escrito por Noah Hawley; dirigido por Stephen Hopkins; Sr. Hawley, Robert DeLaurentis e Peter O’Fallon, produtores executivos; Peter Tolan, consultor executivo. Produzido pela 26 Keys Inc. em associação com a Sony Pictures Television para a ABC.

COM: Amber Tamblyn (Casey Shraeger), Jeremy Renner (Jason Walsh), Kai Lennox (Eddie Alvarez), Terry Kinney (Harvey Brown) e Adam Goldberg (Eric Delahoy).

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt