Mensagem para sua avó: Vote Obama

Ainda é um grande se, mas se Barack Obama sair vitorioso no dia da eleição, com o estado indeciso da Flórida em sua coluna de vitórias, um pouco de crédito pode ser devido a Sarah Silverman.

As melhores VPNs para Netflix
CyberGhost VPNMelhor VPN Netflix
Política de não registro
Proteção Wi-Fi
Garantia de devolução de dinheiro

Temos uma garantia de reembolso de 45 dias, para que você tenha tempo suficiente para testar os aplicativos e ver se eles são adequados para você.
Ver oferta
Surfshark VPNVPN mais barata
Dispositivos ilimitados
Melhor segurança
Melhor velocidade


A partir de apenas US $ 2,49 por mês, é uma opção premium fantástica que é incrivelmente simples de usar. O desbloqueio da Netflix dos EUA é sua especialidade no momento.
Ver oferta

Nos últimos dias, Silverman, 37, a amarga comediante que vale a pena rir, mais uma vez se insinuou nas caixas de entrada de e-mail com um vídeo online chamado The Great Schlep (thegreatschlep.com). Nele, ela exorta os jovens judeus a encorajarem todos os avós que moram na Flórida a votar em Obama e a recusar as visitas aos seus bubbes (avós) e zaides (vovôs) se eles não obedecerem.

As pessoas que votam lá são os judeus idosos, e eles não votam em Obama porque seu nome é assustador, disse Silverman em uma entrevista por telefone. Mas quem tem mais poder com eles do que seus netos?



Com sua mistura de sarcasmo e sinceridade, The Great Schlep pode ser uma surpresa para os fãs de Silverman. Afinal, ela é uma comediante conhecida por seus videoclipes vulgares; seu show superlativamente tolo do Comedy Central, The Sarah Silverman Program (que retorna na quarta-feira, antes de passar para o horário normal de quinta à noite); e sua aparição no documentário The Aristocrats, no qual ela alegou jocosamente que havia sido molestada pelo apresentador de talk show Joe Franklin.

Mas, para Silverman, todos esses trechos de comédia provocantes são reflexos de uma sensibilidade consistente, que confia que seu público saberá quando ela está totalmente brincando e quando ela está apenas brincando.

Gosto de ser agressivamente estúpido, disse ela. Eu digo o que penso ou o contrário do que penso. E, com sorte, o poder absoluto de ambos transcende.

Imagem

Em The Great Schlep, que foi produzido pelo Conselho Judaico para Educação e Pesquisa, um comitê de ação política e a agência de publicidade Droga5, Silverman está sendo honesta. Seu elogio a Obama (a pessoa mais boa que já tivemos como escolha presidencial, ela o chama no vídeo) e seu desejo de promover a discussão entre as gerações é genuíno, diz ela. Ela está brincando quando diz: Se Barack Obama não se tornar o próximo presidente dos Estados Unidos, vou culpar os judeus.

Para as organizações por trás do The Great Schlep (que foi visto mais de sete milhões de vezes desde que foi postado online há duas semanas), Silverman era uma personalidade ideal para se conectar com jovens politicamente conscientes que consideram sátiras como The Daily Show With Jon Stewart como fontes legítimas de notícias.

Esse é o papel do bobo da corte, certo? disse Ari Wallach, cofundador do Conselho Judaico para Educação e Pesquisa. Eles são uma das poucas pessoas que podem realmente dizer ao rei o que é o quê. O vídeo, disse ele, não é um white paper de think tank.

É para ser um início de conversa, acrescentou ele.

A Sra. Silverman, que ofereceu seu tempo e seu apartamento como voluntária, e recrutou membros da equipe para o The Great Schlep, compartilha o entusiasmo desses grupos, mas talvez não as mesmas motivações.

Embora ela venha de uma formação judaica, ela disse: Eu não tenho religião. Mas culturalmente não posso escapar disso, sou muito judeu. Seu apelo para os telespectadores mais velhos, disse ela, é por causa da minha condição de judeu.

E embora ela entenda o poder do vídeo da web para se comunicar com um público mais jovem, ela também disse que o meio criou uma geração de crianças gordas, autoritárias, preguiçosas e atrofiadas.

É uma coisa surpreendente ouvir da Sra. Silverman, que em janeiro criou uma sensação na Internet com um videoclipe no qual ela declarou, na linguagem mais dura possível, que estava tendo um caso tórrido com o ator Matt Damon. Esse vídeo, que apresentava o Sr. Damon, foi um presente para seu namorado na época, o apresentador de talk show Jimmy Kimmel. Teve sua estreia no programa de Kimmel e ganhou um Emmy por excelente música e letras originais.

Imagem

Crédito...Steve Agee

Mas Silverman agora considera seu sucesso uma espécie de sorte. Primeiro de tudo, ela disse, que tinha uma grande estrela de cinema nele. E em segundo lugar, é como se todo mundo se dispusesse a fazer isso.

Silverman e Kimmel anunciaram sua separação em julho, embora Silverman tenha dito que o vídeo continuou sendo uma boa unidade entre eles. Não há estranheza conosco, disse ela. Conversamos todos os dias. Está tudo bem, é ótimo. Estou fazendo o show dele no final do mês. Somos muito Demi e Bruce.

Apesar de suas realizações raras e repetidas no campo dos vídeos virais, Silverman prefere concentrar suas energias em sua série de televisão.

Pode levar cerca de sete meses de trabalho para produzir uma temporada de 10 episódios, disse Silverman, mas o show tende a produzir uma expressão mais pura de sua voz de comédia rebelde. Entre outras aventuras, os novos episódios mostram a Sra. Silverman exaltando as virtudes da maconha e processando todo o país da Mongólia por estupro.

Minha irmã, Laura, me explicou que ela e muitos judeus russos têm feições ligeiramente asiáticas por causa de Genghis Khan, nos anos 1200, que veio para a Rússia e estuprou e saqueou, e se tornou parte da linhagem, explicou Silverman. Então isso realmente veio de uma história verdadeira.

Embora Silverman não se considere necessariamente uma comediante política, sua recente visita a Denver durante a Convenção Nacional Democrata em agosto gerou o que agora é um de seus bens mais preciosos: uma foto dela mesma com o ex-vice-presidente Al Gore.

Por algum motivo, ela lembrou, achei que seria uma boa ideia comer meio biscoito. No momento em que me dei conta, eles pensaram: ‘Sarah, conheça Al Gore’. E então alguém tirou uma foto. É ele parecendo apavorado, e eu com minhas mãos para cima, como se estivesse dizendo, ‘Raaahhhh, eu sou um monstro.’

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt