‘Ocupado’ e ‘O Escritório’: Dois Thrillers Europeus emocionantes

Mathieu Kassovitz, centro, em The Bureau, uma série de espionagem francesa que lembra os thrillers americanos. Agora está disponível no iTunes.

Você odeia ceder a estereótipos nacionais, mas dois recentes e cativantes thrillers europeus atendem a certas expectativas sobre seus países de origem.

The Bureau, uma série de espionagem francesa cuja primeira temporada de 10 episódios foi disponibilizada no iTunes na terça-feira (o primeiro episódio é grátis ), é temperamental, cínico e estiloso, com o ritmo e os tiques disjuntivos de um filme de arte.

Ocupado , um drama político norueguês cuja primeira temporada de 10 episódios começou a se desenrolar no canal a cabo Pivot no mês passado (e que tem sido streaming na Netflix desde janeiro), é um thriller noir simples com uma estética sobressalente que pode ocasionalmente parecer um pouco surrada (embora seja declaradamente a série mais cara da história da televisão norueguesa).



Baseado em uma ideia do romancista de mistério e robusto nórdico noir Jo Nesbo, Ocupado é uma história de alto conceito e alto risco. Um novo primeiro-ministro com uma agenda ambientalista anuncia que a Noruega encerrará sua indústria de petróleo e gás em face do aquecimento global. O resto da Europa, com medo dos efeitos econômicos, o obriga a aceitar uma ocupação russa pacífica de seu país, que inicialmente é disfarçada de assistência temporária à produção de petróleo.

A série se desenrola como um experimento mental - o que os noruegueses farão à medida que gradualmente chegarem a um acordo com sua perda de soberania? Enquanto Berg (Henrik Mestad), o primeiro-ministro idealista, mas pragmático, tenta evitar que a situação se transforme em uma guerra aberta, vemos a ação através dos olhos de vários jogadores menores, incluindo um dos guarda-costas de Berg (Eldar Skar) e um de esquerda jornalista de ala (Vegar Hoel). À maneira escandinava irônica, os dois homens têm dificuldade em convencer suas esposas de que eventos que abalam o mundo estão ocorrendo, e são obrigados a pegar as crianças e lavar a louça conforme programado.

Ocupado vai para grandes golpes dramáticos - assassinatos, tiroteios em plataformas de petróleo, fugas para a segurança da Embaixada dos Estados Unidos (onde os americanos não são muito úteis). Nem todas as suas ideias valem a pena, mas valem o suficiente para torná-lo pelo menos um pouco viciante.

O Bureau, embora seja um show mais silencioso e sutil, não é menos intenso. Ele lembra os thrillers paranóicos do cinema americano dos anos 70 (Three Days of the Condor, The Parallax View), mas a referência óbvia é Homeland - é o análogo gaulês cansado do mundo.

A estrela de cinema Mathieu Kassovitz (Amelie) interpreta Malotru, um espião francês que foi trazido do frio depois de servir seis anos à paisana em Damasco. Vemos sua adaptação à vida no escritório, lidando com os agentes como costumava ser, e à vida em Paris, onde se reencontrou com sua filha compreensivelmente cautelosa. Quando ele explica a natureza do trabalho secreto para ela - fazer amizade com as pessoas, coletar informações - ela responde: É por isso que você saiu por seis anos, para fazer amizades. Ela quase preferia que ele estivesse matando pessoas, o que se encaixaria melhor em sua imagem de espião.

O Bureau aumenta sua tensão, girando em torno de um agente-chave que desaparece na Argélia, de forma mais lenta e elíptica do que muitos programas americanos. E há uma certa quantidade de cinematografia e edição autoconscientemente artísticas. Mas esses são pequenos problemas com uma série tão consistentemente inteligente e discreta. Enquanto treina um novo operativo, Malotru diz a ela: Você não recruta. Você descreve. A mesma abordagem restrita funciona bem para o programa.

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt