Crítica: Boyhood é a obra-prima de Linklater

Crítica de filmes de infância TOP 10Crítica de filmes de infância TOP 10

' data-image-caption='' data-medium-file='img/reviews/62/review-boyhood-is-linklater-s-masterpiece.jpg?w=300' data-large-file='img/reviews /62/review-boyhood-is-linklater-s-masterpiece.jpg?w=901' />

Enquanto eu assistia aos rolos finais de Boyhood (uma cena em que Mason, um garoto de 18 anos, está arrumando seus pertences e se preparando para deixar sua mãe para estudar na faculdade), vi uma senhora de meia-idade sentada na minha frente limpando suas lágrimas. Momentos depois, eu estava fazendo o mesmo. Nós dois nos sentimos de coração partido na mesma cena, embora por razões diferentes. E é isso que é tão surpreendentemente mágico em Boyhood. Não importa se você é filho, filha, mãe, pai, irmão ou irmã de alguém. Você sairá afetado, até mesmo mudado, enquanto assiste ao filme da perspectiva que escolher.

Filmado ao longo de 12 anos consecutivos, Boyhood é o filme mais longo da história do cinema. E os resultados são mágicos, para dizer o mínimo. Você vê todos os personagens principais envelhecendo na frente de seus olhos em um período de 3 horas. (Não é o que você está acostumado a ver em filmes onde um ator infantil é empregado para interpretar o eu mais jovem do herói. Aqui, tanto o eu mais jovem quanto o mais velho são interpretados pelo mesmo ator(s)) Para ser honesto, qualquer quantidade de palavras ficam aquém de descrever a beleza, a ternura, a epopeia da infância. Um filme tão hábil em seu design e tão fluido em sua renderização que você pode ter que ficar se lembrando de que o que está assistindo é a vida de uma família fictícia capturada no cinema e não a realidade da vida em si depois de um tempo.



Boyhood segue a história de uma família cujo membro mais novo, Mason (Ellar Coltrane), é o personagem central (ele tem 6 anos quando a história começa e 18 quando termina), embora o filme não seja apenas sobre ele. O filme também é sobre sua irmã, que cresce de 8 a 20 anos. Também é sobre sua mãe, Olivia (Patricia Arquette), e suas lutas com a carreira, os homens e a criação de dois filhos. Finalmente, também é sobre seu pai (Ethan Hawke), que se divorciou de sua mãe e vem de vez em quando para passar algum tempo divertido com ele e sua irmã.

A melhor característica de Boyhood é que ela extrai beleza, alegria e emoção da vida comum das pessoas. É fascinante ver como, de cena para cena, há mudanças na fisicalidade dos personagens e transformações em sua moda, penteado, gosto musical e, em geral, perspectivas sobre a vida.

Não importa em que país, cidade ou bairro você cresceu, você se associará a Mason, e o brilho em seus olhos, e as inúmeras esperanças e sonhos neles, não marcados pelo cinismo do mundo ao seu redor. No entanto, quando Mason se torna um adulto, você percebe que ele é diferente da maioria dos jovens adultos de sua idade. Ele não deixa o cinismo ao seu redor afetar sua visão de mundo. Como sua namorada adolescente disse, você é estranho. A maioria de nós tentará fugir dessa identidade. Mas, não Mason. Seu professor avisa que sua paixão pela fotografia não o levará a lugar nenhum. A maioria de nós prestará atenção ao conselho e cederá. Mas, não Mason. Ele decide seguir seu coração. Talvez esta seja a maior lição de vida de Boyhood: não deixe o mundo ao redor afetar os sonhos que você viu quando criança, menino ou menina.

Mas tendo dito isso, não se iluda acreditando que Boyhood é apenas sobre os sonhos e ambições de um garoto. É muito mais do que isso. A infância também é uma lembrança carinhosa dos anos passados ​​de alegria desinibida, otimismo inabalável e inocência borbulhante, quando vivíamos uma vida de espírito livre não adulterada pelas responsabilidades e preocupações que afligem a idade adulta. Acredite ou não, Boyhood é tanto sobre paternidade quanto sobre Boyhood. Se alguma coisa, pode ser uma experiência mais catártica para os pais assistirem a este filme. Ver seu filho crescer, tropeçar e depois se levantar e, finalmente, vê-lo partir em uma jornada própria, pode ser doloroso e orgulhoso. No final de tudo, Boyhood é sobre crescer: seja uma criança crescendo para se tornar um adulto, ou pais crescendo para atender às necessidades das crianças e vice-versa.

Com Boyhood cobrindo tantos espectros da vida, é apropriado que tenha se tornado um filme com uma ampla gama de emoções. Então, está afetando um momento, e edificante, no próximo; é triste em um momento, e engraçado, no próximo. Uma cena em que o pai tenta explicar à filha adolescente sobre sexo e contraceptivos é particularmente hilária. Então, em uma cena lindamente filmada nas ruas de Austin, Mason e sua namorada vagam descuidadamente e esperam o nascer do sol em um terraço – uma cena que lembra muito Before Sunrise. Eu posso continuar, mas é uma experiência que precisa ser saboreada em primeira mão.

É bastante evidente que Richard Linklater, o diretor, se vê em Mason. Ele se aventurou em fazer filmes muito jovem, não se importando muito com educação ou diploma. Tenho certeza de que ele teria enfrentado desafios ao seu redor não muito diferentes de Mason – mãe solteira trabalhadora, migrando de uma cidade para outra e uma sociedade dissuadida. E há marcas dele ao longo do filme, especialmente nas longas conversas em que ele se tornou tão magistral – não surpreendentemente, considerando que ele tem Before Sunrise, Before Sunset e Before Midnight em seu currículo. Embora, enquanto na série de filmes Before, ele captura momentos no tempo, separados nove anos um do outro, em Boyhood, ele deixa o tempo fluir ao longo de 12 anos. E o próprio tempo fará justiça a este filme quando for referido como a obra-prima de Linklater daqui a vários anos.

Classificação: 5/5

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt