Resenha: ‘Sinatra’, novo documentário da HBO de Alex Gibney, Explores a Legend

Fãs em torno de Frank Sinatra em 11 de agosto de 1943, quando ele chegou a Pasadena, Califórnia, para cantar e atuar. Sinatra, que morreu em 1998, é o tema do novo documentário em duas partes de Alex Gibney, '>

Poucas pessoas levaram uma vida mais examinada do que Frank Sinatra, portanto, um documentarista que aborda o assunto precisa de uma abordagem diferenciada. Alex Gibney (que também dirigiu o documentário de Scientology recém-exibido Going Clear) encontrou pelo menos um de certo sucesso para Sinatra: tudo ou nada, que tem sua estreia nas noites de domingo e segunda-feira na HBO. Ainda assim, não há como disfarçar que a história é terrivelmente familiar.

O filme de quatro horas e duas partes usa como estrutura uma performance de 1971 em Los Angeles que Sinatra classificou como um show de aposentadoria - um nome impróprio, como se viu, já que havia muitos outros shows antes de sua morte em 1998. A premissa do filme é que as músicas que ele escolheu para aquela apresentação são tanto definidoras quanto autodefinidoras para sua carreira. As filmagens do concerto tornam-se uma porta de entrada para material de arquivo e comentários de especialistas em Sinatra, membros da família e o próprio Sinatra, que é ouvido em trechos de várias entrevistas.

Quatro horas podem parecer muito, e alguns dos comentários parecem estar sendo lidos em um roteiro, o que não ajuda o tempo a passar rápido. Mas se alguém merece um documentário de televisão mais longo do que o normal, é Sinatra, que faria 100 anos em dezembro.



O filme se torna mais interessante quanto menos sua memória recua. Acima de tudo, nos lembra o tipo de estrelato que Sinatra desfrutava, que algumas pessoas podem pensar que foi inventado por Elvis Presley ou pelos Beatles. A música da era do rock estava mais alta, mas a gritaria de uma multidão de fãs, a maioria mulheres, era tão ensurdecedor para Sinatra quanto para qualquer um que viesse depois.

Aqui também há a confirmação do lado mais dark do retrô chique inspirado em Mad Men, para quem gosta dos ternos, mas não assiste ao show. Como os homens da série AMC, Sinatra e seus amigos nas décadas de 1950 e 60 viveram vidas marcadas por relacionamentos rompidos, bebida, cigarros e uma visão desdenhosa das mulheres.

A raça também era uma questão problemática. O filme credita Sinatra por pressionar pelos direitos dos artistas negros com quem trabalhou, mas na Parte 2 também traz uma lembrança de Harry Belafonte sobre como Sinatra e os outros membros brancos do Rat Pack eventualmente transformaram seu amigo Sammy Davis Jr. em alvo de piadas racistas. Mesmo para o artista mais famoso de sua época, o cool aparentemente tinha seus limites.

O filme é principalmente sobre Sinatra, a cantora; não se aprofunda muito no lado da atuação de seu currículo. Entre seus melhores segmentos está um trecho da Parte 2, onde Mia Farrow, com quem se casou brevemente nos anos 60, descreve as lutas de Sinatra com a agitação cultural daquela década.

É evidente que ele não aceitou a mudança, diz ela. Era muito diferente quando as meninas pareciam bonecas; que ele poderia se sentir confortável. Mas quando as garotas se pareciam com Janis Joplin - aqui o Sr. Gibney nos mostra um clipe de Joplin em show - ele parecia incomodado com isso.

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt