Synecdoche, New York Ending, Explained

‘Synecdoche, New York’, como qualquer outro Charlie Kaufman filme, é um retrato do estado psicológico fragmentado de um personagem, onde eles começam a mergulhar nos reinos da filosofia, fazendo perguntas sobre a vida, a morte e a razão da existência. Essa busca os leva a uma jornada que pode ser melhor descrita como bizarra, não convencional e extraordinária. Disposto com motivos e simbolismo e peculiaridades completamente bizarras, às vezes, este filme deixa você com uma compreensão que é difícil de colocar em palavras. Ainda assim, tentamos quebrar seu significado aqui. Se você ainda não viu o filme, volte a este artigo mais tarde. SPOILERS AHEAD

Resumo do lote

Caden Cotard é um diretor de teatro que encontra sua vida desmoronando quando sua esposa, Adele, decide partir para a Europa com sua filha, Olive, para nunca mais voltar. À medida que sua saúde se deteriora, ele começa a trabalhar em sua magnum opus de uma peça, onde constrói uma maquete de Nova York em um armazém abandonado. À medida que o tempo passa, ele começa a perder o controle sobre as coisas e os limites entre a realidade e a imaginação ficam confusos.

O que está acontecendo em ‘Synecdoche, New York’?



‘Synecdoche, New York’, em todos os seus vários significados, segue a história de um homem que quer se descobrir. Quando o conhecemos, Caden está fazendo uma peça que não é originalmente dele. Ele é casado com uma artista que considera muito melhor no trabalho dela do que no dele. As diferenças entre eles, que não mudaram nem mesmo após o nascimento da filha, fazem com que se distanciem cada vez mais até que sua esposa o abandona e começa uma vida de sucesso na Europa.

Caden sofre com a falta de sentido de sua vida. Ele se pergunta o que aconteceu se ele não fez nada que valesse a pena. Quando sua peça recebe elogios de todos, mas sua esposa lhe diz que ele não deveria considerá-la um sucesso porque não era dele em primeiro lugar, Caden é empurrado para a jornada para olhar dentro de si mesmo e encontrar algo que ele possa dar para o mundo e reivindicar como dele. É também assim que ele quer impressionar Adele e espera que, assim que ela vir como ele mudou, ela volte para ele. Receber o McArthur Grant lhe dá essa oportunidade e ele decide encenar seu maior projeto.

No entanto, o que ele pensou que o traria de volta para sua família é também o que o mantém tão apertado em suas garras que ele nunca é capaz de se livrar dela. Torna-se uma parte inseparável de sua vida que, eventualmente, nem ele nem o público são capazes de decifrar onde começa sua vida real e onde se funde com sua imaginação. Não podemos mais dizer se ele alguma vez vai entrar na verdadeira Nova York ou se continua a se esconder na versão que criou dentro de um depósito. Isso também aparece em contraste com a forma como a arte dele e de Adele funciona. Enquanto a escala de seu trabalho fica cada vez maior a cada dia, as pinturas de Adele começam a ficar menores.

Também notamos que a grandiosidade em que Caden se tornou tão investido nunca realmente dá certo para ele. A peça permanece em andamento para sempre, embora seja encenada continuamente. Mas nunca consegue uma audiência, e nunca permite a Caden a chance de provar seu gênio para os críticos ou sua esposa. Adele, por outro lado, torna-se famosa e celebrada e suas exposições estão sempre repletas de públicos que admiram e celebram seu trabalho. Pode-se dizer que, nesse sentido, quanto mais estreita sua perspectiva fica, melhor ela passa a se sair bem na vida. Por outro lado, quanto mais ampla a visão de Caden da peça começa a ficar, mais perda de controle ele experimenta e pior fica sua condição.

O estado de Caden, de corpo e mente, também é uma parte importante da trama. As coisas começam a ficar ruins para ele, fisicamente, quando ele se machuca no banheiro de sua casa. Ele é aconselhado a consultar um oftalmologista e depois um neurologista, até que, eventualmente, se transforme em alguém que engole um punhado de comprimidos de uma vez, todos os dias. Seu corpo começa a se deteriorar. Ele sofre de sicose e, embora conte à filha como é diferente da psicose, já sabemos que ele começou a ter um colapso. Isso também fica evidente na maneira como ele se dissolve na peça e começa a perder a noção do tempo.

Um ano parece uma semana, e sua filha de quatro anos faz 12 anos e morre à beira da idade adulta. E todos esses anos voam com Caden em espiral na escala cada vez maior de sua peça. Ele lê o diário de sua filha, aquele que ela havia deixado em sua casa quando tinha quatro anos, e mesmo até sua morte, ele lê as linhas que acredita que seriam escritas por ela. Na tentativa de ficar perto de Adele, ele entra em sua casa como Ellen, a faxineira, e se comunica com ela através dos bilhetes que ela deixa para ela. Em todo esse tempo, ele nunca mais consegue vê-la novamente, e é aí que o verdadeiro significado de sua peça entra também.

No início, Caden diz que não sabe o que realmente está fazendo. Pelo que parece, ele está tentando encontrar um significado por trás de sua vida. Ao recriá-lo no palco e vê-lo assistindo algum ator interpretá-lo, ele acredita ter uma perspectiva de um estranho sobre si mesmo, talvez. Nós o vemos fazendo isso, julgando a si mesmo, ou melhor, julgando Sammy como ele mesmo e comentando o que ele pensa ou não pensa, o que ele disse em um determinado dia ou não. No início, Sammy permanece fiel ao seu personagem, onde ele emprega seu conhecimento de todos esses anos perseguindo Caden. Mas, eventualmente, seus próprios dois mundos começam a deslizar um para o outro. Ele se apaixona por Hazel como Caden e, no final, ele até morre como Caden. Ele faz o que Caden tentou fazer há muito tempo. Essa ação dele também prenuncia como o show de Caden, ou melhor, a história, deve terminar. Acaba quando ele morre.

O final: o que acontece com Caden?

Se existe a maneira mais simples de entender o que está acontecendo em ‘Synecdoche, New York’, é lembrar a citação de Shakespeare: o mundo todo é um palco, e todos os homens e mulheres são meros jogadores. Extrapole isso e você entenderá que a peça termina para um ator quando morre, não quando espera que a própria peça chegue ao fim. Vemos a mesma coisa acontecer com Caden. Conforme os eventos se desenrolam no filme, o palco se torna a vida de Caden e é aqui que seu drama finalmente chega ao fim. Depois que sua peça se estende por anos e anos, tanto que a atriz que interpretou o papel da mãe de Ellen também envelhece, Caden sabe o que quer fazer com ela quando Hazel morrer. Mas então, tudo se transformou em caos. Enquanto ele caminha pelo palco, vemos a queda de Nova York, que não podemos mais diferenciar do mundo real. Tudo foi destruído, pessoas estão mortas e tudo o que Caden queria fazer com isso está perdido agora.

Outro ponto importante a se notar aqui é que, a esta altura, até Caden se tornou ator em sua peça. Ele mora no armário que segue o modelo que Adele ofereceu a Ellen. Ele não está mais pensando por si mesmo, já que Millicent, que inicialmente interpretou Ellen e depois mudou para o papel de Caden, tanto dentro quanto fora do palco, o alimenta com falas e ações através do microfone. Ela diz a ele como se sentir sobre sua vida ou interação com a senhora que o encontra do lado de fora do apartamento de Adele.

O filme também deixa a sugestão de Capgras aqui, uma palavra que está escrita na placa de identificação do lado de fora do apartamento de Adele. Esta é a condição em que uma pessoa sofre da ilusão de que todas as pessoas conhecidas em sua vida não são as pessoas reais, mas os impostores que as substituíram. Para Caden, isso se torna uma realidade de vida onde todos em sua vida ele agora conhece por meio dos atores que os interpretam. Por falar nisso, nossa atenção também é trazida ao sobrenome de Caden, Cotard, que é uma forma de ilusão em que uma pessoa tende a acreditar que está morta e em decomposição. A morte é um tema importante do filme e vemos Caden decaindo diante de nossos olhos.

Ele menciona como tem pensado muito sobre a morte ultimamente, e se preocupa que sua vida não tenha sentido. O filme também destaca a importância de como a pessoa prefere morrer, na cena em que Hazel compra a casa em chamas. Ela expressa suas dúvidas sobre a compra da casa porque não quer morrer de incêndio. E apesar de suas reservas sobre isso, ela compra a casa de qualquer maneira e passa o resto de sua vida lá. Com isso, o filme nos diz que nossas escolhas têm um impacto não apenas sobre a continuação de nossa vida, mas também sobre o seu fim. Estamos para sempre cercados por coisas de que não gostamos ou coisas que nos assustam, e ainda assim vivemos entre esses perigos e abraçamos esse pânico, que eventualmente ceifa nossas vidas, como acontece com Hazel. Ela morre por inalação de fumaça, que é o que ela temia enquanto se mudava para a casa.

A morte da filha de Caden, Olive, onde as flores tatuadas em seu corpo começam a murchar e ela morre quando elas morrem, também segue o mesmo tema. A morte de Adele devido a câncer de pulmão, que havia sido sugerida em suas mensagens para Ellen, onde a ouviríamos tossir, segue o mesmo caminho. De maneira semelhante, vemos a morte de Caden logo no início do filme, e só a sentimos no final. A razão pela qual Caden concorda com Millicent para interpretá-lo é que ela reconhece que ele está morto. Eventualmente, ele deixa de lado esse controle quando faz uma pausa no cargo de diretor da peça e decide assumir o papel de faxineira.

No final, quando ele diz à mãe de Ellen que agora ele sabe o que quer fazer com a peça, Millicent o deixa 'morrer' e a história termina. Isso significa que Caden está morto? Depende de como você o viu ao longo do filme. Você aceitou a morte dele quando Millicent disse isso em voz alta ou percebeu isso antes, quando o pegou perdendo a noção do tempo, ou quando viu Sammy morrer, cujo trabalho era replicar as ações de Caden? Caden diz a Sammy que ele não pulou naquele dia em que viu Hazel com sua família, que ele foi parado por alguém. Mas ele estava, realmente? Ou ele pulou e Sammy estava simplesmente seguindo seus passos e completando a história como antes? Você pode dizer que é uma ideia muito fantástica para entreter, mas a coisa toda não funciona em torno dessa fantasia?

Como Caden manteve o fluxo constante de fundos não apenas para sustentar seu jogo por todas essas décadas, mas também continuou a aumentar sua escala e população de acordo com seus caprichos? Como as flores morrendo no corpo de Olive significou sua morte, e como uma pétala caiu de seu braço quando ela soltou seu último suspiro? Separar uma cena da outra e entender as coisas individualmente não é assim que funciona o filme. Você tem que ver o todo como a representação de seu todo, e em cada cena separada, você tem que ver os temas reverberando por todo o filme. É assim que o filme justifica a “sinédoque” em seu título.

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt