Assassinato de Tom Kolman: como ele morreu? Quem o matou?

Uma das questões mais intrigantes no verdadeiro crime americano moderno continua a mesma: Quem matou Tom Koleman? ‘Dateline’ da NBC e ‘48 Hours ’da CBS tentaram desvendar este misterioso caso de assassinato, que, por vários anos, parecia ter apenas um suspeito óbvio. Mas, com o passar do tempo, as coisas mudaram e foram encontradas evidências, o que, infelizmente, deixou a todos com mais perguntas do que respostas.

Como Tom Kolman foi morto?

Tom Kolman era um administrador e fisioterapeuta de 44 anos em Saugerties, Nova York, cerca de duas horas ao norte da cidade principal. Tendo vivido naquela área por cerca de 20 anos, ele levava uma vida aparentemente idílica - ele tinha um emprego bom e estável, uma esposa amorosa, Linda, e havia criado quatro filhos lá: Bradley Kolman, Jillian Kolman, Ryan Kolman e Brooke Hines. No entanto, essa imagem e vida familiar perfeitas foram todas questionadas no final de 2011.

postado por Linda Kolman em Domingo, 12 de julho de 2015



Na noite de 29 de novembro de 2011, no estacionamento Kingston Planet Fitness em Ulster County, Nova York, Tom foi encontrado morto no banco do motorista de seu carro. Depois que Linda soube que ele não tinha aparecido para trabalhar naquele dia, ela saiu em busca, e como ela sabia que ele ia treinar lá quase todas as manhãs, esse foi um dos primeiros lugares que ela visitou. E é também para onde Gilberto Nunez, um dentista, e o amigo mais próximo de Tom foram. Linda alcançou primeiro e foi ela quem encontrou o corpo de Tom.

O detetive que entrou em cena depois que Linda ligou para o 911 lembra que, embora Tom estivesse no banco da frente, ele estava deitado quase deitado, como se estivesse dormindo. Seu corpo não estava machucado, o carro não estava destruído e parecia não haver nenhuma outra evidência de crime, mas o fato de não estar estacionado perto do prédio irritou a todos. Quando a autópsia foi realizada, foi revelado que havia vestígios de midazolam em seu sistema, um sedativo dentário que, quando tomado em alta dosagem, pode ser fatal.

O patologista forense do caso revelou que, inicialmente, ele acreditava que Tom havia morrido de seu coração ligeiramente dilatado e que sua apnéia do sono também tinha desempenhado um papel - ataque cardíaco. Mas ele mudou de ideia quando o relatório de toxicologia voltou e mostrou o midazolam em seu sangue.

Quem matou Tom Kolman?

Crédito da imagem: CBS News

O principal suspeito do assassinato de Tom Kolman era, claro, ninguém menos que seu melhor amigo, o renomado higienista dental e bombeiro voluntário, Gilberto Nunez. Gilberto e Linda estavam namorando há quase um ano e, mesmo quando Tom descobriu, meio que deixou que continuasse. Segundo Gilberto, foi ele quem indiretamente informou a Tom por causa da culpa e, após alguns atritos iniciais, os três se tornaram mais próximos do que nunca e suas relações individuais foram se fortalecendo.

Linda também era suspeita, mas depois de fazer o teste do polígrafo, foi inocentada. Porém, Gilberto não. Ele negou repetidamente o uso da droga em particular em sua prática, mas quando a polícia não conseguiu encontrar nenhuma outra pista e teve imagens de vigilância do carro de Gilberto perto da cena do crime no horário estimado da morte, eles o questionaram para mantê-lo distraído e procurou sua casa e escritório. Lá, eles encontraram a droga e pegaram sua mentira. Mas acabou levantando mais dúvidas, já que não havia impressões digitais nos frascos, assim como no carro de Tom, não havia evidências de DNA que pudessem conectar Gilberto ao assassinato.

A polícia ainda acreditava que ele havia matado brutalmente seu amigo na esperança de que sua esposa pudesse ser completamente dele, e formou um plano elaborado, envolvendo documentos da CIA e a posição de Tom no momento de sua morte, para fazer parecer que ele também , estava tendo um caso. Então, eles o acusaram de homicídio de segundo grau no final de 2015. A verdade é que, embora naquela época Linda e Gilberto tivessem se separado, em 2011 seu caso de amor foi um que fez parecer que eram dois adolescentes apaixonados, e não no meio pessoas de meia idade com famílias. Os textos constantes, as cartas, o flerte, estava tudo lá.

Crédito da imagem: Departamento de Polícia do Ulster

Outro fato que fez Gilberto parecer culpado foram as mensagens deletadas entre ele e Tom. Não houve uma única mensagem em seu telefone de 27 a 29 de novembro, e também não havia como recuperá-los. Ao final, quando o caso foi a julgamento, Gilberto foi declarado inocente da acusação de homicídio contra ele. As provas pareciam condenatórias, mas eram todas circunstanciais, nada poderia ser provado e, portanto, ele foi absolvido. Com isso, o assassinato de Tom Kolman permanece sem solução.(Crédito da imagem em destaque: CBS News)

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt