'A Árvore da Vida': um filme que mudará a maneira como você vê a vida

'A Árvore da Vida' é a história de um homem, Jack O'Brien (Sean Penn), um arquiteto em Houston, refletindo sobre seus anos de infância em Waco, Texas. Além da sequência de Origens do Universo de parar o show no primeiro ato do filme, 'Árvore da Vida' é basicamente uma montagem caleidoscópica das lembranças poéticas de Jack e contemplações oníricas sobre seu relacionamento com sua mãe, pai e irmãos quando ele era jovem. É bastante aparente que através de 'Tree of Life', Malick está abrindo uma janela para sua própria infância - embora ele dê uma qualidade mágica à sua história relacionável. Mas por que ele revisita sua infância para buscar respostas para questões metafísicas sobre Deus, vida e morte?

Por mais que você cresça e progrida na vida, os fundamentos e raízes de quem você é ainda permanecerão em sua infância. À medida que envelhecemos, continuamos encontrando uma máscara para esconder nosso verdadeiro eu – mas sempre voltamos à nossa infância para nos lembrar de quem realmente somos. O apego especial que se tem com as memórias da infância pode, de fato, ser devido ao seu poder de nos trazer de volta à terra – para que não esqueçamos nosso caminho neste universo confuso. Isso também pode explicar por que nos apegamos às nossas memórias de infância. Afinal, eles, geralmente, são as apostas mais seguras para ajudar a encontrar nosso verdadeiro eu caso nos sintamos perdidos.



É igualmente fascinante o quanto você aprende com suas memórias de infância; você aprende sobre seus amigos, seus pais e, mais importante, sobre você mesmo. Esses aprendizados podem não ter acontecido quando você era criança – sua mente impressionável não tinha a capacidade de entender tudo – mas quando adulto, quando você olha para esses eventos do passado, percebe e desenvolve uma compreensão de por que aconteceu o que aconteceu. É esse aprendizado, é esse entendimento de si mesmo que Jack busca, voltando às suas memórias de infância quando se vê lutando para fazer as pazes com a perda do irmão e outras questões existenciais sobre a vida.

Há uma essência e um sentimento que você associa a cada lembrança sua; Estou falando de saudade. Não consigo pensar em um único filme que capture com tanta eficácia o sentimento de nostalgia do jeito que 'A Árvore da Vida' faz. E isso é o que há de tão especial no filme. Malick não tenta apenas capturar memórias, mas os sentimentos evocados pelo ato da memória. As memórias, por si só, são quase impossíveis de retratar no filme. Na maioria das vezes, a versão das memórias que vemos nos filmes não é apenas irreal, mas também está longe de como realmente visualizamos nossas memórias. Na realidade, as memórias são fragmentadas, fugazes, não lineares, infinitas nos limites, às vezes exageradas, às vezes poéticas. E é exatamente assim que Malick trata as memórias: não como realidades, mas a imaginação das realidades.

Embora seu método de captura de memórias seja habilidoso e único, o que é ainda mais impressionante é a universalidade que ele empresta a essas memórias. Como resultado, embora ‘A Árvore da Vida’ seja um filme americano e retrate uma família americana, todo público pensante sentirá que uma parte de sua própria memória está sendo compartilhada com o mundo. Por exemplo, em uma das cenas, o filho mais velho, Jack, pergunta à mãe Quem você mais ama?. Ao que sua mãe responde eu te amo do mesmo jeito. Você não fez essa pergunta para sua mãe e obteve uma resposta semelhante? Em outra cena, com cerca de um ano de idade, Jack olha para seu irmão mais novo de um mês com uma sensação de admiração, mas logo percebe que o bebê está recebendo toda a atenção de sua mãe e, portanto, começa a jogar coisas com ciúmes para reconquistar sua atenção. Você não fez o mesmo quando era jovem? Mas as universalidades simplesmente não param por aí. Há universalidade na graça, carinho e proteção da Sra. O'Brien (Jessica Chastain) para com seus filhos de uma maneira que toda mãe sente por seus filhos. Há universalidade na maneira como Jack e seus irmãos brincam, brigam, se maquiam, brincam, brigam e se maquiam novamente de uma maneira que irmãos, em todos os lugares, tratam uns aos outros. Há universalidade no amor sob a severidade que O'Brien (Brad Pitt) tem por seus filhos de uma maneira que todo pai tenta esconder sua afeição sob o pretexto de dureza.

Os primeiros quarenta minutos do filme são dedicados à interpretação de Malick de Deus, universo e o que significa ser humano. Há vinte minutos completos de uma sequência totalmente de cair o queixo, onde usando os visuais mais magníficos da galáxia, planetas, oceanos, organismos microscópicos, dinossauros e natureza, Malick (com seu incrível diretor de fotografia Emmanuel Lubezki) investiga as origens do universo e a evolução dos seres humanos. Colorido, imaginativo e fantástico, o visual deixará uma impressão inesquecível em sua mente. Cada quadro de 'A Árvore da Vida' é tão meticulosamente elaborado que você pode pausar qualquer cena e pendurá-lo na parede. Muito possivelmente, é o filme mais lindamente filmado de todos os tempos. Mas por que Malick criou tão meticulosamente uma sequência de vinte minutos sobre elementos transcendentais que dificilmente tem muitas relações com a história – ou assim parece? Ele certamente parece ter um propósito. Malick, claramente, acredita que os humanos são um produto da evolução, e não uma criação divina – o que cria uma dicotomia interessante com o clímax do filme.

Deve ser genialidade de Malick que, apesar de ser ateu, me vi completamente imerso na visão genuinamente fascinante de Deus que ele compartilha conosco. Não é importante se eu concordo ou discordo de sua visão, mas confessarei com prazer que fui evocado e hipnotizado por ela – e independentemente de sua própria fé ou crenças, você também será. É fácil interpretar – ou interpretar mal – a existência e o poder de Deus conforme a conveniência de cada um. Essa conveniência muitas vezes se manifesta em uma opinião ou crença distorcida, que pode rapidamente se tornar uma fé cega. Como ateu, não corro o risco de ser guiado pela fé cega. E mesmo que, ao contrário de mim, Malick seja um crente e compartilhe mais de uma visão utópica de Deus, ele certamente não é aquele que acredita ou é guiado pela fé cega.

Há casos no filme em que os personagens questionam Deus e Suas escolhas. A curiosidade de Malick em buscar respostas de Deus começa na linha de abertura do próprio filme: Irmão... mãe... foram eles que me levaram à sua porta. E essa vontade de saber continua ao longo da passagem do filme. Em uma das primeiras cenas, a Sra. O'Brien, que acaba de perder seu filho do meio, pergunta: Senhor, por quê? Onde você estava? Você sabia o que aconteceu? Você se importa?. Em outra cena, o Sr. O'Brien se pergunta: Qual foi a culpa dele?. O jovem Jack questiona o propósito e os métodos de Deus várias vezes no filme. Quando ele testemunha a morte de um menino que se afoga, ele questiona Onde você estava? Você deixou um menino morrer. Você deixa qualquer coisa acontecer. Por que eu deveria ser bom? Quando você não é.

Embora Malick nunca questione a existência de Deus em si, seu verdadeiro senso de admiração não surge disso; em vez disso, ele se regozija na magia que a própria vida é. Em uma época em que Deus se tornou um meio de provar superioridade e uma desculpa para prejudicar e até matar, ‘A Árvore da Vida apresenta uma maneira bonita, mas razoável, de olhar para Deus.

O clímax do filme pode deixar muitos confusos. No entanto, se você olhar de perto, o final do filme é uma extensão da visão otimista e utópica de Malick sobre o mundo e nosso lugar nele. De certa forma, ele tenta encerrar a curiosidade de Jack sobre sua própria existência e o trabalho de Deus em sua vida. Jack, depois de passar pela jornada espiritual, percebe que o final que ele percebe ser o fim não é realmente o fim, mas uma porta para um mundo mais bonito, onde ele pode se reunir com aqueles que ele perdeu. Malick também pode estar tentando abordar a mortalidade humana aqui, e como o fim da vida não significa o fim da alma.

Tudo dito e feito, ‘A Árvore da Vida’ é um poema cinematográfico de alcance e ambição extraordinários. Ele não pede apenas que seu público observe, mas também reflita e sinta. Na sua forma mais simples, ‘A Árvore da Vida’ é uma história da jornada de encontrar a si mesmo. Em sua forma mais complexa, é uma meditação sobre a vida humana e nosso lugar no grande esquema das coisas. No final, 'A Árvore da Vida' pode mudar a maneira como você vê a vida (ela me mudou). Quantos filmes têm o poder de fazer isso?

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt