Desvendando uma bola de segredos complicada, estilo britânico

Collision, uma minissérie Obra-prima Contemporânea de duas semanas que começa no domingo na PBS, levanta uma velha, mas sempre pertinente questão: por que os britânicos são muito melhores nesse tipo de coisa do que nós?

As melhores VPNs para Netflix
CyberGhost VPNMelhor VPN Netflix
Política de não registro
Proteção Wi-Fi
Garantia de devolução de dinheiro

Temos uma garantia de reembolso de 45 dias, para que você tenha tempo suficiente para testar os aplicativos e ver se eles são adequados para você.
Ver oferta
Surfshark VPNVPN mais barata
Dispositivos ilimitados
Melhor segurança
Melhor velocidade


A partir de apenas US $ 2,49 por mês, é uma opção premium fantástica que é incrivelmente simples de usar. O desbloqueio da Netflix dos EUA é sua especialidade no momento.
Ver oferta

Essa regra se aplica mesmo a uma produção mediana como Collision, que fica um pouco lúgubre ao longo de suas três horas e meia e nem sempre entrega as surpresas prometidas por sua premissa de múltiplos mistérios.

Não é o estado da história, ou mesmo Five Days, o drama de abdução da BBC-HBO de 2007 que se assemelha em estrutura e ritmo. Mas ainda é suficientemente inteligente e texturizado para fazer a escassa competição americana na categoria de drama policial fechado - os filmes de Jesse Stone, Harper’s Island - parecer boba em comparação. (OK, a Ilha de Harper era considerada boba, mas a questão ainda está de pé.)



A colisão começa com o retorno ao trabalho do detetive inspetor John Tolin, interpretado pelo ator escocês Douglas Henshall, que usa seus olhos azuis de aço para um efeito mais sombrio do que como o impetuoso cientista em Primeval. Tolin é designado para investigar um engavetamento na rodovia A12 que matou duas pessoas (até agora) e envolveu um carro da polícia na perseguição de um velocista, o que significa que um processo judicial contra a polícia é iminente. Por razões que são bastante óbvias, mas não são explicadas até a terceira hora, todos ficam surpresos que Tolin concorda em aceitar o caso.

Enquanto Tolin fixa as fotos em sua placa de trabalho e começa a reconstruir a cena, começamos a ver, em flashbacks fragmentados, as pequenas reviravoltas do destino que colocam todas as vítimas no mesmo trecho da estrada. A ideia de vidas ligadas aleatoriamente e irrevogavelmente alteradas por um acidente de trânsito pode lembrar o filme Crash, mas felizmente Colisão continua como um mistério, em vez de qualquer tipo de alegoria sociológica. Nem nós nem Tolin sabemos toda a história até que o show esteja quase acabando; às vezes estamos à frente dele, e outras vezes ele nos mostra o próximo passo à frente.

Imagem

Anthony Horowitz, que criou Collision e o escreveu com Michael A. Walker, tem um talento especial para fazer personagens interessantes de pessoas comuns, anteriormente demonstrado em Guerra de Foyle e Assassinatos Midsomer. É evidente aqui também, nas relações turbulentas entre Tolin, sua filha deficiente (Jo Woodcock) e a policial com quem ele compartilha um passado não especificado (Kate Ashfield).

Para transformar um acidente de estrada em um thriller completo, Horowitz tomou algumas liberdades quando se trata de conspirar. Parece muito improvável que uma coleção aleatória de 10 motoristas inclua pessoas envolvidas em espionagem industrial, contrabando e assassinato. Mas um estilo calmo ajuda a encobrir as improbabilidades.

O mais importante, é claro, é a qualidade do elenco. Como é que o nível médio de atuação nesses programas é sempre muito mais alto do que nos americanos, apesar da abundância de talentos deste lado do Atlântico? Melhor treinamento? Melhor direção? Bangers e purê?

Collision oferece os rostos imediatamente reconhecíveis de um grupo de atores veteranos, incluindo Phil Davis como um genro dominador e Nicholas Farrell como um legista de carros destruídos. Os membros mais jovens do elenco incluem Lenora Crichlow (o fantasma em Being Human, mais uma vez interpretando um personagem morto) e Lucy Griffiths, mais suave e interessante aqui como garçonete de posto de gasolina do que como Marian no Robin Hood da BBC.

Com Collision, a série Masterpiece termina uma corrida de Mystery! e programas contemporâneos - incluindo Wallander, Foyle's War, Inspector Lewis, Endgame e Place of Execution - que podem ter sido um pouco sombrios demais aqui, um pouco enfadonhos ali, mas que se destacaram mais do que nunca por sua literacia e recusa em agradar. É o suficiente para fazer você perdoar os britânicos pelo American Idol.

PEÇA-MESTRA CONTEMPORÂNEA

Colisão

Na maioria das estações PBS nas noites de domingo (verifique as listas locais).

Dirigido por Marc Evans; escrito por Anthony Horowitz e Michael A. Walker; Neil Zeiger, produtor executivo; Jill Green e Eve Gutierrez, produtoras; Rebecca Eaton, produtora executiva da série. Produzido por Greenlit Collision Ltd. em associação com Ingenious Broadcasting e WGBH Boston.

COM: Douglas Henshall (Detetive Inspetor John Tolin), Jo Woodcock (Jodie Tolin), Kate Ashfield (Ann Stallwood), David Bamber (Sidney Norris), Claire Rushbrook (Karen Donnelly), Dean Lennox Kelly (Danny Rampton), Paul McGann ( Richard Reeves), Phil Davis (Brian Edwards), Sylvia Syms (Joyce Thompson), Anwar Lynch (Gareth Clay), Lenora Crichlow (Alice Jackson), Lucy Griffiths (Jane Tarrant) e Nicholas Farrell (Guy Pearson).

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt