10 melhores filmes de ateísmo de todos os tempos

Agora, deixe-me ser claro. Você não vai ver uma lista de filmes aqui que pregam o ateísmo ou agnosticismo. Eu estou supondo que a maioria dos meus leitores que planejam ler este artigo não são do tipo que se aglomeram em pregações de qualquer maneira. Não, esta lista contém aqueles filmes que usam o tema do ateísmo como parte integrante de suas histórias. Os filmes em si não são apenas excelentes, mas também encontram maneiras interessantes e distintas de comunicar suas ideologias. A coisa estranha que eu notei sobre esses filmes ateus é como eles são movidos por personagens.

Para dar um exemplo que não aparece nesta lista, o primeiro episódio da lenda polonesa Krzysztof Kieslowski MinissérieO Decálogo (1989)vê a luta de um homem para entender o mundo com a razão e / ou lógica científica, embora no final, certos eventos ocorram em sua vida que o fazem sucumbir às entidades divinas que ele rejeitou tão fortemente uma vez. O filme descreve sua transformação como aquela que surge do desamparo, miséria e confusão, e funciona mais como um estudo de suas emoções do que um filme com uma mensagem contra um todo-poderoso. Da mesma forma, a maioria dos filmes que selecionei aqui lida com personagens que têm desejos, que temem o mundo ao seu redor e que lutam para dar sentido a tudo isso.

Não gostaria que ninguém convertesse suas crenças com base nos filmes abaixo, mas gostaria que você refletisse sobre seus significados, pensasse mais sobre eles, se sentir que sente a presença de algo desse tipo neles. Você pode assistir a vários desses melhores filmes agnósticos e ateus no Netflix, Hulu ou Amazon Prime.



10. Planeta dos Macacos (1968)

Muitos aspectos técnicos de 'Planeta dos Macacos' tornam-no um filme importante que tem a capacidade de resistir ao teste do tempo, mas talvez o que o torna mais relevante no mundo de hoje sejam suas críticas protuberantes contra o conceito de religião. Centrando-se na história de um casal de terráqueos que viajam para o futuro, apenas para serem testemunhas de um planeta disfuncional onde os humanos são vistos como criaturas dóceis de menor importância em comparação com os macacos que governam o mundo, segue-os enquanto tentam dar sentido ao ambiente. A religião entra como um tema no filme à medida que seus efeitos negativos são revelados neste planeta do futuro de forma bastante óbvia, e a maneira como eles a usam para promover a trama é simplesmente genial. Observa-se que a religião é uma ferramenta que se tornou sem importância no mundo de hoje, exceto para o propósito de criar guerras e conflitos. A relevância da religião era necessária em um ponto do passado, mas mantê-la no mesmo sentido hoje é prejudicial para o progresso da sociedade, como mostrado pelo Dr. Zaius, um personagem neste filme que acredita no que está fazendo é por uma boa causa, apesar de suas ações serem prejudiciais ao tecido da harmonia e compreensão humanas.

9. Life of Brian (1979)

Após o lançamento, ‘Life of Brian’ foi considerado 'moralmente repugnante' e banido em vários países devido à forma ofensiva com que tratou o assunto. Por ser uma sátira que acompanha a vida de um homem chamado Brian Cohen, nascido no mesmo dia de Jesus Cristo, em uma manjedoura bem ao lado da sua, acompanha sua lamentável existência já que ele é confundido várias vezes com o filho todo-poderoso de Deus, como gente começar a esperar que ele faça coisas sobrenaturais impossíveis pelos seres humanos, sem falar na sua péssima caminhada, por acidente, é claro, pelos diversos caminhos Jesus tinha caminhado antes dele. Isso termina com a pior sorte que o homem poderia ter recebido, pois ele também será crucificado. Eu acredito que a visão do filme sobre a religião é clara, sobre como ele trata seus seguidores como ovelhas que sentem a necessidade de se agarrar a qualquer coisa que vêem sem evidências para apoiá-la. O fato de o filme ter lidado com seu conteúdo de maneira alegre e cômica o tornou ainda mais blasfemo no lançamento, mas acho que isso aumenta sua inteligência. É definitivamente o mais engraçado de todos os filmes do Monty Python, na minha opinião.

8. The Gods Must Be Crazy (1980)

Embora na forma de uma comédia despreocupada, 'The Gods Must Be Crazy' conta uma história com uma mensagem importante, sobre diferenciar a autoajuda da ajuda dada por Deus. Quando uma garrafa de Coca-Cola cai do céu em suas terras, uma tribo africana socialmente desligada instalada no deserto do Kalahari acredita que seja uma dádiva dos deuses. Logo depois, porém, esse presente se torna a raiz de todos os seus conflitos, pois esta garrafa, uma mercadoria que nenhum dos habitantes da área tinha visto antes, está em alta demanda, e todos os membros do clã desejam obter e usá-lo em suas próprias maneiras distintas. Depois de resolver suas diferenças, a tribo chega à conclusão de que este presente mágico do Todo-Poderoso é uma espécie de teste de cima, para ver o quão forte são as relações mútuas dentro de seu pequeno grupo, a única maneira de passar sendo a disposição de este terrível artefato. Assim, um representante da tribo parte para os confins do mundo, com a garrafa do mal nas mãos. Eles não desejam manter esse presente de cima com eles, porque perturba sua paz.

7. Black Narcissus (1947)

No mínimo, ‘Black Narcissus’ tomou uma posição ousada ao se casar com os temas da religião e sexualidade, contando uma história relativamente erótica sobre um grupo de freiras que desejam começar um convento no Himalaia, após receber o convite de um governante indiano. Tendo tomado a decisão de vestir o pano, é então a sua atmosfera circundante e os personagens que os habitam que influenciam as freiras e as fazem pensar sobre o seu passado, tudo o que elas deixaram para estar mais perto de seu Deus. Filmado em um belo technicolor, a dupla de diretores Powell e Pressburger não deu um passo comum com um de seus melhores filmes já aqui, porque eles cobriram um tópico que não havia sido tentado com tanta força na história do cinema britânico até então. Tendo um subtema que se concentra na perspectiva ocidental dos países colonizados da comunidade, o filme, no entanto, impõe fortemente os perigos das restrições religiosas ao longo de sua história chocante, enquanto algumas das irmãs começam a perder a cabeça lentamente devido a um sentimento misto de arrependimento e compreensão. Um conto magistralmente atmosférico, ‘Black Narcissus’ é um dos relógios mais desconfortáveis ​​aqui, embora seja facilmente um dos mais interessantes.

The Word (1955)

'Ordet' pode não parecer o típico ateu filme após uma visualização inicial. Seu enredo tem a tendência de elogiar muito a fé dentro dos humanos, com um ato final que tem seus eventos totalmente dependentes da crença humana. Ainda assim, é interessante notar, como alguém disposto a analisar os temas da obra de Carl Theodor Dryer poderia concluir, que as ações de todos os humanos que acreditam no Todo-Poderoso derivam de sua lenta submissão à insanidade, que cresce a partir de vários eventos acontecendo errado em suas vidas. ‘Ordet’ é uma imagem fascinante que tem momentos ambíguos abertos a interpretações pesadas, e sua posição na crença passa a ser uma dessas coisas. O filme mostra uma família de não-crentes, em sua maioria fortes, finalmente deixando de lado suas supostas 'inibições' para praticar o caminho do senhor depois que um estranho lunático (que por acaso é um membro desta família) alegando ser Jesus Cristo é capaz para convencê-los de seus poderes, em um momento em que foram totalmente derrotados e encalhados. Alguém em sua posição estaria disposto a aceitar a existência de um Deus? Isso é tudo o que Deus é?

5. O Mestre (2012)

'O Mestre' de Paul Thomas Anderson considera as semelhanças que se formam nas mentes dos crentes que apóiam a fé de uma religião em particular e como sua maneira de pensar é distinta em comparação com os crentes de religiões ou cultos diferentes. Freddie Quell, um veterano da Segunda Guerra Mundial traumatizado por seu passado, encontra conforto sob a proteção de Lancaster Dodd, o líder de uma religião recém-cultivada, simplesmente chamada de 'A Causa'. Seus membros são todos robóticos e sedados por natureza, submetidos a lavagem cerebral para seguir uma mentalidade à qual Dodd busca converter seu mais novo discípulo, embora o comportamento errático e imprevisível do último torne isso ainda mais difícil. A religião força seus crentes a agirem de uma determinada maneira e pensarem em um padrão controlado, algo que é alcançado pela manipulação de emoções e memórias, que é como os membros da 'Causa' são presos, com a noção de uma divindade existente. A falta de energia fornecida aos seguidores é algo que eles desconhecem por completo, até que um deles, ou seja, o nosso protagonista, começa a dar sinais de mudança, sugerindo algum tipo de revolta.

4. O Espírito da Colmeia (1973)

Antes de começar, devo dizer que se você procurar informações sobre esse filme em qualquer lugar online, é provável que você chegue ao período da ditadura franco, algo a que este filme se opõe, embora sutilmente. Embora parte disso seja definitivamente interessante, e eu realmente não posso negar as conexões, prefiro falar sobre este filme como uma peça independente, a história não mantida nas algemas da política. Conta a história de uma família de quatro pessoas, com foco principal na filha mais nova, Ana. Ela tem uma irmã um pouco mais velha que ela, chamada Isabel. O pai cuida das abelhas e a mãe, Teresa, vive em um mundo só dela. O cenário é uma pequena vila na Espanha dos anos 1940, após a guerra. O filme se preocupa com a manipulação da inocência, como palavras, imagens e experiências simples se inserem no subconsciente dos crédulos - os crédulos aqui são as crianças que estão no centro das atenções, embora, em uma inspeção mais aprofundada, possamos ver os resultados finais de disse ingenuidade dentro de seus pais, os quais estão separados do mundo em seus próprios caminhos, presos dentro de uma casa que tem janelas em forma de favo de mel, semelhante à morada daqueles insetos mecânicos irracionais, todos dirigidos à ação por sua amante, uma Rainha Abelha. Embora silenciosa, a crítica do filme à religião como um conceito está sempre presente.

3. Ofertas de ontem (1973)

O vencedor de Melhor Filme de 1974 no Indian National Film Awards pode não ganhar o mesmo se fosse lançado hoje. É um retrato tão chocante de rebelião contra Deus que muitos espectadores podem deixar de ver o excelente enredo que constrói a arrepiante cena final. Seguindo a vida de um oráculo, que é um crente devoto, o conto neo-realista vê a vida do homem desmoronar lentamente em torno dele. Ele não ganha muito com sua profissão no templo da aldeia, que está afundado na pobreza, e ele é incapaz de cuidar de sua família da maneira que deseja. Seus filhos vagam sem destino na vida, e sua esposa permanece fixada nas paredes de sua casa. Apesar de tudo isso, ele não abandona sua fé. O diretor do filme, MT Vasudevan Nair, tenta torturar seu protagonista com sua representação da realidade, quebrando seu ego e obscurecendo sua percepção do mundo ao seu redor. No final, o oráculo vê algumas coisas se desdobrando diante de seus próprios olhos que o abalam, poucos momentos antes de uma grande apresentação ritualística sua acontecer no festival do templo para o qual ele ajudou incansavelmente a levantar fundos. No festival, quando a Deusa entra em seu corpo (de acordo com a crença), o oráculo inesperadamente invade a parte interna do templo e olha para a divindade apresentada diante dele. Não há palavras faladas, mas sua raiva e frustração são evidentes na maneira como ele olha para a estátua. Em um ato de ódio absoluto, o oráculo cospe na divindade, logo após ele desmaiar.

2. O Sétimo Selo (1957)

O drama altamente filosófico de Ingmar Bergman não age como uma crítica direta à religião, mas traz o fundamento de crenças irracionais em questão em sua trama, permitindo breves momentos para os personagens refletirem sobre suas crenças pessoais. Antonius Block, um cruzado e protagonista do filme, é confrontado pela Morte, que lhe diz que sua hora chegou. Usando sua inteligência, Block é capaz de atrair a Morte para um jogo de xadrez, impedindo-o, o que continua enquanto ele segue seu caminho. Alguns momentos depois no filme, surge uma cena maravilhosa em que Block confessa suas dúvidas a um padre, a respeito dos conceitos de religião, dirigindo seus problemas diretamente a alguém em quem acredita poder confiar. Ele argumenta que, embora deseje acreditar na idéia de um Deus, ele é incapaz de dar um salto de fé sem evidências críveis, uma vez que Deus nunca respondeu ou aparentemente até considerou suas orações, deixando-o desamparado e em profunda confusão.

1. A Montanha Sagrada (1973)

A obra de Alejandro Jodorowsky é um dos meus filmes favoritos de todos os tempos. Ao contrário de muitas das outras escolhas nesta lista, esta é bastante direta com sua mensagem, que vem na forma de uma reviravolta surpresa que parece óbvia logo após ser revelada, mas funciona para melhor quando você percebe como sua implicação afeta o enredo. ‘The Holy Mountain’ é um drama espiritual de ficção científica que narra uma viagem feita por oito discípulos de um mestre conhecido como O Alquimista, ao ponto mais alto de uma montanha onde buscam alcançar a imortalidade. Com um protagonista chamado simplesmente de Tarot, que é um estranho membro dos discípulos, seguimos uma equipe selecionada de líderes, pessoas poderosas e influentes, todos reunidos nos diferentes planetas do sistema solar, com a missão dirigida por seu coletivo figura autoritária, interpretada pelo próprio Jodorowsky, que age como uma espécie de Deus, supostamente mostrando a seus seguidores aquele caminho fecundo e correto. Tudo isso até o clímax, quando a equipe de homens e mulheres chega ao topo da montanha, apenas para entender que não há absolutamente nada ali. O Alquimista revela que seu mundo nada mais é que uma parte de um filme, quebrando a quarta parede no processo, e eles não viram nem um pouco da realidade enquanto viviam a existência que tinham sempre que a câmera era apontada para eles. É hora de abandonar os prazeres oferecidos pelas mentiras e entrar na ambiguidade que é a verdade.

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt