10 melhores programas de TV dos anos 70

Se você está aqui com a expectativa de ver 'That 70s Show' na lista, desculpe-se. Piadas à parte, a lista a seguir incluirá o melhor da televisão dos anos 1970. Esta foi uma década de verdadeiras mudanças na telinha, com um grande número de pessoas sintonizando para assistir seus programas favoritos. A década redefiniu a audiência da televisão, e os próprios programas influenciariam os esforços posteriores. Houve uma refrescante variedade de shows também, de shows de variedades a conspirações alienígenas e até mesmo fantoches para crianças! Sem mais delongas, aqui está a lista dos principais programas de TV da década de 1970:

Menção especial - Kolchak: The Night Stalker (1974-75)

Com o programa se estendendo por apenas uma temporada na ABC, composta por 20 episódios, ‘Kolchak’ não poderia entrar na lista dos ‘melhores’. Isso porque todos os pesos-pesados ​​da televisão da década de 1970 duraram vários anos e tinham amplo escopo e história para construir. No entanto, assim como o drama espacial relativamente mais recente 'Firefly', que também durou uma única temporada (2002-03), 'Kolchak' provou ser incrivelmente influente e agora é uma joia escondida certificada.



Estrelou Darren McGavin como o homônimo Kolchak, um repórter investigativo que investigou crimes misteriosos com os quais a polícia convencional não se importou. O programa lidava frequentemente com criaturas estranhas, que beiravam a ficção científica e o sobrenatural. Se essa premissa soa familiar, é porque ‘The X-Files’ (1993-2002) cita isso como sua principal influência. No geral, ‘Kolchak’ é lamentavelmente desconhecido e isso deve ser retificado o mais rápido possível.

10. Happy Days (1974-1984)

‘Happy Days’ começaria inicialmente como um programa de bem-estar que se concentrava na nostalgia e no charme da adolescência, mas que se transformaria em uma comédia ruidosa. Após essa mudança, o show não apenas voltaria de sua fortuna decadente de forma espetacular, mas também provaria ser um projeto para comédias modernas que facilitam a exibição, como ‘Two and a Half Men’ ou ’21 Jump Street ’.

O show utilizou nostalgia e memória de forma impressionante para formar um mundo com o qual seu público poderia se identificar e personagens com os quais eles poderiam se relacionar, com Arthur “Fonzie” Fonzarelli (Henry Winkler) em particular se tornando um nome familiar. Estrelado por Ron Howard (sim, o cineasta) como Ritchie Cunningham, e Marion Ross com Tom Bosley como seus pais, Marion e Howard, 'Happy Days' é um importante evento cultural americano da década de 1970 e um estudo de caso essencial na natureza mutante de televisão ao longo dos anos.

9. Sabonete (1977-1981)

Um show que começou difamando os valores da classe média acabou celebrando-os. A 'novela' da ABC foi ao ar durante a noite e foi inicialmente criada para zombar dos tropos típicos das novelas diurnas e sua apresentação exagerada, daí o nome.

A recepção inicial foi polêmica, com protestos acontecendo antes mesmo do show ir ao ar, e até conseguiu unir democratas e republicanos em sua antipatia pelo show. No entanto, após sua estreia, a ABC recebeu inúmeras ligações, a maioria a seu favor. O conteúdo contundente do programa, sua ênfase em questões de sexo e lealdade nos relacionamentos, bem como preconceito racial, passaria a ser considerado um dos melhores da televisão americana, não apenas da década de 1970, mas de todos os tempos.

8. Dallas (1978-1991)

‘Dallas’ era uma novela do horário nobre que focava nas travessuras de uma família disfuncional do Texas, os Ewings, e seu império do petróleo. Inicialmente, tudo começou com uma vibração de Romeu e Julieta, com os amantes Bobby Ewing (Patrick Duffy) e Pamela Barnes (Victoria Principal) cujas famílias brigavam entre si. Com o tempo, o enredo ficou em segundo plano, e o foco do programa nos truques desprezíveis do negócio do petróleo por meio de seu personagem J.R. Ewing (Larry Hagman) tornou-se um verdadeiro sucesso.

Até hoje, 'Dallas' é um show monumentalmente significativo nos anais da televisão, e sua influência é palpável na cultura pop, mais evidentemente no mistério 'Quem atirou em J.R.?' Seus famosos obstáculos no final de cada temporada deram-lhe uma vibração distinta, o que resultou em um número estonteante de pessoas sintonizando. O final da série de duas horas 'Conundrum' continua sendo um dos finais de série mais assistidos da história, com números citados em 33.3 milhões, no mínimo.

7. The Mary Tyler Moore Show (1970-1977)

‘The Mary Tyler Moore Show’ era uma raridade na televisão americana durante os anos 70. Apresentava como protagonista uma mulher que nunca se casou e independente, voltada para uma carreira, introduziu questões cruciais como remuneração igual, homossexualidade, sexo antes do casamento, infidelidade e divórcio em suas histórias cômicas e é um dos programas mais premiados de todos os tempos, com 29 Emmy ganha por um programa baseado em enredo (em oposição a um programa de variedades, como a próxima entrada nesta lista) para seu nome. Este foi um recorde ininterrupto ao longo de décadas até que 'Frasier' o quebrou em 2002.

Em uma época repleta de maiores salários para homens que fazem o mesmo trabalho que qualquer outra pessoa, bem como assédio sexual, misoginia crescente e hostilidade para com a comunidade LGBTQ, este programa continua mais relevante do que nunca.

6. Saturday Night Live (1975-presente)

O único programa ativo da lista e, possivelmente, o maior fenômeno cômico da história da televisão, 'Saturday Night Live' é sinônimo de atos cômicos estrondosos, esquetes ridículas e sátira política mordaz, todos apresentados ao vivo.

Criado por Lorne Michaels, o show sempre funcionou como uma notável paródia das questões culturais e políticas atuais. Ao longo dos anos, empregou um elenco de artistas em constante mudança, muitos dos quais se tornaram artistas famosos por seus próprios méritos, de Bill Murray e Eddie Murphy a Amy Poehler e Kate McKinnon. ‘Saturday Night Live’ é sem dúvida um dos programas de televisão mais importantes e duradouros de sua história.

5. The Bob Newhart Show (1972-1978)

Bob Newhart era um comediante de stand-up bastante estabelecido na época em que estrelou seu próprio show. No entanto, o salto do stand-up para a televisão não foi tão simples na década de 1970 como é agora. Newhart foi para o show como um pato na água, e 'The Bob Newhart Show' é considerado por muitos como uma virada de jogo na televisão de comédia.

O programa teve como foco o psicólogo Dr. Robert Hartley (Newhart) e teve um equilíbrio entre sua vida doméstica e seu trabalho na clínica. Em ambas as situações, ele foi cercado por personagens maravilhosamente engraçados e bem desenhados em sua esposa, Emily (Suzanne Pleshette), e seus pacientes, como Lillian Bakerman (Florida Freibus) e Eliot Carlin (Jack Riley). A comédia impassível por excelência de Newhart fez o seu caminho gloriosamente para o show, testemunhando o caos ao seu redor, e o show conquistou muitos corações desde então.

4. Barney Miller (1975-1982)

Fãs do muito amado ‘Brooklyn Nine-Nine’, que recentemente sobreviveu a um susto de cancelamento, fariam bem em acompanhar este aclamado comédia policial dos anos 1970. ‘Barney Miller’ se passa quase inteiramente dentro do fictício 12º distrito do Departamento de Polícia de Nova York.

O capitão homônimo (Hal Linden) é a força sensata na delegacia, cercado por detetives e sargentos ingênuos e descontentes apresentando queixas e lidando com seus próprios crimes. Linden é habilmente apoiado por Abe Vigoda, Ron Glass, Max Gail e Jack Soo, entre outros, para trazer uma comédia policial deliciosa que redefiniu o vigor de um gênero aparentemente limitado a uma conclusão hábil.

3. The Muppet Show (1976-1981)

A criação mais famosa do titereiro de renome mundial Jim Henson é, sem dúvida, a gangue desorganizada de Muppets adoráveis, inteligentes e extremamente engraçados. Eles foram criados por Jim e Jane Henson e fizeram sua estreia em ‘Sam and Friends’ antes de aparecerem na ‘Vila Sésamo’ em 1969. No entanto, muito de sua popularidade atual e prevalência cultural pop se deve ao ‘The Muppet Show’.

Este foi um programa de horário nobre que destacou sua simpatia pelas crianças e o tipo de comédia burlesca e autoconsciente à qual eles viriam a ser associados ao longo dos anos. O show viria a ganhar 4 vezes nos Emmys, 3 nos BAFTAs, e ainda, um Grammy e Peabody Award, entre outros, durante apenas 5 anos. Com os Muppets em ascensão e uma parte integrante da cultura moderna com suas mensagens sensatas combinadas com comédia espirituosa, ‘The Muppet Show’ sempre será um dos programas de comédia americana mais importantes de todos os tempos.

2. Tudo na Família (1971-1979)

‘All in the Family’ focou em Archie Bunker (Carroll O’Connor), um trabalhador braçal que ansiava pelos dias do passado, quando as pessoas compartilhavam seus preconceitos com calma. No entanto, sua decência brilha através de seu preconceito descarado, e o show o coloca em uma posição onde seus argumentos são apresentados com habilidade. O show inovou ao retratar questões vitais como estupro, religião, aborto, aborto espontâneo, câncer de mama, infidelidade, racismo e até mesmo a Guerra do Vietnã.

Connor foi fantasticamente apoiado por Jean Stapleton, Rob Reiner e Sally Struthers, com seu personagem Bunker sendo votado por ‘Bravo’ como o melhor personagem de televisão de todos os tempos. O show abriu o caminho para que as sitcoms fossem mais contemplativas e incluíssem confrontos mais dramáticos, em vez de recorrer a um humor impensado e fácil. ‘All in the Family’ é corretamente considerado um dos maiores programas americanos de todos os tempos e merece ser visto de forma mais ampla.

1. M * A * S * H ​​(1972-1983)

'M * A * S * H' é centrado em torno de um grupo de médicos do exército e equipe de apoio do 4077º Hospital Cirúrgico do Exército Móvel na Coreia do Sul durante a Guerra da Coréia, que durou de 1950 a 1953. O programa teve várias influências anteriores, com seus o mais imediato foi o filme de 1970 com o mesmo nome, que por sua vez foi baseado no romance de 1968 'MASH: A Novel About Three Army Doctors' de Richard Hooker. No entanto, é essa versão para a televisão dos anos 1970 que resistiu magnificamente ao teste do tempo para continuar e se tornar um dos melhores programas de toda a história da televisão.

Embora o show tenha sido classificado como uma comédia-drama, seu tema garantiu que o tom da maioria de seus episódios beirasse a comédia de humor negro. Eles também eram fortemente guiados pelo enredo e pelo personagem, e o show era versátil o suficiente para se prestar a vários modos de narrativa, do sério ao cômico no período de um único episódio. Uma vez que M * A * S * H ​​foi ao ar durante o tempo da Guerra do Vietnã, havia uma implicação de que se esperava que comentasse de uma forma que apoiasse a posição do governo e, ao mesmo tempo, parecesse não protestar contra ela. Os desenvolvedores e escritores do programa resolveram esse enigma maravilhosamente, usando o disfarce da comédia e humor amargo para se opor, questionar e até mesmo lutar contra o envolvimento dos Estados Unidos na Guerra do Vietnã e, posteriormente, na Guerra Fria.

Por essas razões e mais, M * A * S * H ​​capturou a atenção de seu público como nenhum outro show antes dele, ou mesmo depois. Do talentoso elenco de Alan Alda, Loretta Swit, Jamie Farr, Wayne Rogers e outros, até seu final recorde 'Goodbye, Farewell and Amen' que inspirou incontáveis ​​mitos urbanos, incluindo como os sistemas de encanamento quebraram em Nova York porque incontáveis as pessoas esperaram até o final do final de 2,5 horas para ir ao banheiro, o show simplesmente acertou todos os aspectos tristemente engraçados e sombrios de uma época repleta de guerras inúteis.

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt