12 filmes mais eróticos dos anos 1970

Durante os anos 70, fomos abençoados com alguns dos melhores filmes eróticos já feitos. Uma grande parte do mundo começou a abraçar as extensões do gênero de exploração por volta dessa época, e muitos personagens recorrentes interpretados por símbolos sexuais dominaram o cinema underground.

O público mainstream também foi capaz de desfrutar de alguns lançamentos de maior bilheteria e pornografia, e os tópicos de liberação sexual também conseguiram entrar em filmes como o de vanguarda. É justo (e provavelmente certo) presumir que alguns, senão todos os filmes mais eróticos já feitos, saíram durante esta década brilhante, dirigidos por visionários rebeldes e imparáveis, estrelando figuras lendárias que viriam a ser lembradas e apreciadas durante nas décadas que se seguiram. Aqui está a lista dos melhores filmes do gênero erótico, classificados de acordo com o quão sexualmente estimulantes eles são.

12. Mulher negra cobra (1976)



De todas as atrizes de sexploitation mais populares dos anos 1970, acho que Laura Gemser simplesmente teria que ser minha favorita absoluta. Se não fosse por seus encantos étnicos de tirar o fôlego, sua aparência deslumbrante e habilidades de atuação surpreendentemente boas me colocam em meus calcanhares. Aqui, ela assume um papel bastante ousado, como uma dançarina em um clube cujo parceiro no ato passa a ser uma cobra (daí o título na sua cara). Sua relação com um playboy rico forma a maior parte da substância do filme, e o enredo não é tão interessante quanto a abundância de nudez e cenas de sexo apresentadas.

Gemser nunca assumiu papéis explícitos, então não há nada aqui que seja muito 'perigoso'. Dito isso, a música e a atmosfera do filme (que eu descreveria como um pouco de erotismo dark e sátira) ajudam a exemplificar sua natureza sedutora. Joe D’Amato, um ícone do cinema de exploração, dirigiu ‘Black Cobra Woman’, e eu pessoalmente acho que é um de seus melhores filmes.

11. Salon Kitty (1976)

Houve uma explosão de filmes de exploração relacionados ao nazismo durante os anos 70 e início dos anos 80, principalmente relacionados ao gênero 'mulheres na prisão', e 'Salon Kitty' foi um dos melhores a sair neste específico categoria de filme (curiosamente, o filme foi lançado em um momento em que a produção de tais filmes estava no auge, com velhas ideias sendo refeitas continuamente). Dirigido pelo infame cineasta erótico Tinto Brass, este filme se destaca na multidão por sua trama (reconhecidamente burra) que auxilia sua riqueza em cenas de nudez e sexo softcore.

Embora não seja tão erótico quanto muitos dos recursos posteriores de Brass, ‘Salon Kitty’ ainda desperta com o que tem. Um filme idiota completo que zomba dos trágicos eventos reais que o 'inspiraram', eu consideraria este como provavelmente o recurso mais chocante da lista (visualmente falando, é claro), e talvez até o mais criativo, como eu aprecio profundamente A visão surreal de Brass quando se trata de abordar seus materiais de assunto bastante desagradáveis.

10. Celestine, Maid at Your Service (1974)

Os filmes de Jesus Franco são mais lembrados hoje por suas narrativas oníricas, cinematografia cativante, trilhas sonoras hipnotizantes e conexões com todas as coisas relacionadas ao sexo. Este é estrelado por sua esposa Lina Romay no papel principal, como uma empregada em uma rica mansão com um passado sombrio. Tenta funcionar como uma comédia, mas falha miseravelmente na minha opinião. Mesmo assim, a rápida estratégia de produção de filmes incorporada por Franco ajuda a fazer com que o público permaneça em seus assentos para a coisa toda. Isso e o fato de que quase todas as personagens femininas (e um bom número dos homens) aparecem nuas na maior parte do filme. Há uma cena de sexo em particular aqui que é tão insana (e, como resultado, um pouco ridícula) que é meio difícil de esquecer.

Como um pedaço de filme, a história não é nada inteligente ou memorável, mas eu realmente gosto do final, principalmente por causa da maneira como a câmera e os atores se movem e se emocionam durante ele. Para quem procura um recurso erótico, este é definitivamente um must-watch!

9. Último Tango em Paris (1972)

Uma das escolhas mais polêmicas nesta lista, ‘Last Tango in Paris’ é um filme muito bom que baseia sua história, temas e ideologia em torno do ato de fazer amor. É muito mais sério do que as escolhas anteriores da lista, talvez até mais explícito e gráfico também. É um filme bastante perturbador e Bertolucci elaborou uma grande obra de arte aqui, mas meu foco estará nos momentos eróticos desse longa-metragem de duas horas.

Certamente triste pensar em seguir as acusações que a atriz Maria Schneider fez contra seu colega Marlon Brando e o diretor Bernardo Bertolucci, deixando esse conhecimento de lado (para tentar apreciar o filme como produto final sozinho) 'Último Tango em Paris 'tem algumas abordagens muito coloridas em relação ao sexo e, embora a maior parte não seja para despertar o espectador da mesma forma que as escolhas anteriores, eles são definitivamente muito mais poderosos em sua execução e, portanto, muito mais eficazes em as mentes do público.

8. Emmanuelle II (1975)

Os filmes de Emmanuelle estavam entre os primeiros filmes proibidos a receber grandes lançamentos em todo o mundo. Gosto do primeiro e do terceiro filmes da coleção também, mas é a sequência de ‘Emmanuelle’ de 1974 que encontrou em mim um fã dedicado. Celebrado na época e agora por seus personagens bonitos e abordagem poética em relação às relações sexuais, em nenhum lugar isso é mais visível do que em 'Emmanuelle II', de 1975. Para começar, a trilha sonora do filme (composta por Francis Lai, um dos meus compositores favoritos de todos os tempos) é sedutora por si só, com o estilo lento, sonhador, repetitivo e agudos que mais do que apenas convida.

A cinematografia parece vaselina na câmera da maneira como David Hamilton, o famoso fotógrafo de moda, filmou suas imagens (ele também dirigiu um filme intitulado 'Bilitis' (1977) que definitivamente merece uma menção honrosa em uma lista desse tipo), capturando não apenas a relação sexual mencionada, mas também alguns pedaços delicados envolvendo massagens, vapor, piercings e calor com a intenção de excitar. A beleza de Sylvia Kristel só aumenta o encanto sensual que ‘Emmanuelle II’ tem para oferecer. Ele falha em entregar uma história adequada e não é o filme mais bem dirigido de todos os tempos, mas eu não suponho que esses critérios devam ser levados em consideração ao discutir o tópico deste artigo.

7. In the Realm of the Senses (1976)

'In the Realm of the Senses' também foi altamente controverso após o lançamento em 1976. O filme é sexualmente explícito e também foi anunciado predominantemente como tal, algo que funcionou a seu favor, já que as pessoas na época corriam para vê-lo nos cinemas. Embora eu não classifique o filme como pornografia (como muitos fizeram no passado), as cenas de sexo (um departamento que definitivamente não falta ao filme) parecem verificar todas as marcas que o classificariam da mesma forma.

Amplamente apreciado como filme de arte, não sou muito louco pela imagem, mas aprecio muito seu apelo visual e sensual. Definitivamente, cruzou todas as linhas estabelecidas pelos padrões do cinema internacional até então, e embora suas conquistas na sexualidade também ofereçam muita violência gráfica, a maior parte deste filme é um estudo bem realizado de paixão e emoção que foi feito para despertar com base em sua natureza erótica.

6. A imagem (1975)

Radley Metzger é meu cineasta erótico favorito, e 'A Imagem' é meu longa-metragem erótico favorito de todos os tempos. Eu não diria que é o filme mais erótico já feito, no entanto. Esse título pertence a outro filme de Metzger, sobre o qual você lerá em breve. ‘The Image’ é um pequeno filme misterioso sobre um triângulo amoroso baseado no contato sexual, que consiste em um autor, um velho amigo dele que ele conheceu em uma festa e sua escrava sexual aparentemente inocente. Embora o filme fique muito mais áspero ao lidar com o assunto no final, a maior parte da imagem faz muito para entusiasmar o público.

De uma seleção de trilha sonora extremamente sedutora a um estilo de narrativa estimulante, ‘The Image’ só fica melhor com seus personagens charmosos, todos parecendo impenetravelmente envoltos em mistério. Esteja avisado, porém, há cenas envolvendo BDSM aqui, e suas representações de tais atos colocam todos os filmes e semelhantes à trilogia '50 Shades of Grey 'para envergonhar.

5. A Abertura de Misty Beethoven (1976)

Este é outro filme dirigido por Radley Metzger, mas o estilo é tão diferente do que seus espectadores habituais estão acostumados que ele teve seu nome alterado para Henry Paris nos créditos (alguns dizem que ele também ficou constrangido com a produção). O filme tem um lado ligeiramente pornográfico e foi filmado com uma abordagem mais instável e robusta. Tratando-se de uma sexóloga que treina uma prostituta para se tornar a Deusa da Paixão, o filme vai longe (e possivelmente mais) para mostrar ao seu público o, humm, “processo de formação”. É um filme muito alegre, com muitas piadas que funcionam, acontecendo em um mundo superficial com pedaços de realidade perdidos em nome da comédia.

Existem evidências do estilo de marca registrada de Metzger aqui e ali. Por exemplo, a trilha sonora apropriada não é apenas cativante, mas ajuda muito bem o clima do filme. No geral, eu chamaria 'The Opening of Misty Beethoven' um filme de sexo maluco que não é tão inteligente quanto muitos dos outros trabalhos do diretor.

4. The Story of O (1975)

Just Jaeckin é mais uma figura importante no mundo do cinema erótico. Sendo o diretor de ‘Emmanuelle’ (1974), ele estava procurando assumir um projeto muito maior, e cara, isso mostra! ‘The Story of O’ baseia-se em um dos elementos mais sagrados da sexualidade: o segredo. Filmado em grandes castelos por toda a França, pode ser a estranha caracterização ou o enredo improvável ou uma combinação dos dois que permitem que este filme seja tão misterioso quanto é. Não me interpretem mal, quando fica sexy, fica sexy, mas a nudez e o ato de fazer amor em si não são os únicos aspectos deste filme que despertam. Os elementos de fundo também desempenham, ou talvez exemplifiquem, esse aparente dever da imagem.

O filme brinca com a diferença de classe, dominação e sedução, temas que podem ter fornecido bem às polêmicas que surgiu durante seu lançamento original. Embora eu não seja um grande fã deste filme, devo admitir que acho que ele tem algumas das melhores cenas de sexo da história do cinema.

3. The Devil in Miss Jones (1973)

‘The Devil in Miss Jones’ é um dos filmes pornográficos de maior sucesso comercial de todos os tempos. Ele também recebeu alguns elogios da crítica surpreendentes, mesmo de gente como Roger Ebert, e não é difícil perceber por quê. Antes do lançamento deste filme, a maioria das características pornográficas tinha o enredo desempenhando um pequeno elemento para mostrar o sexo, aproveitando a mentalidade de quem vai ao cinema para mostrar muita nudez com um fio solto de um enredo a seguir. O diretor deste filme deu início ao que veio a ser conhecido como The Golden Age of Porn com seu clássico sexual de 1972 'Deep Throat'. Eu hesitaria em categorizá-lo em qualquer outro gênero de cinema, e é exatamente por isso que o deixei de fora desta lista.

‘Garganta Profunda’ tinha uma história (uma conquista fantástica para um filme pornô na época) e personagens com uma marca superficial de profundidade, o que revolucionou a indústria. ‘The Devil in Miss Jones’ tem personagens incríveis, música original inegavelmente magistral e tem cenas de sexo poderosas que complementam sua história bem pensada. É incrível como este filme é sensualmente cativante.

2. Vampira Feminina (1975)

O segundo filme de Jess Franco, com classificação superior, nesta lista é um claro exemplo do tipo de conteúdo que seguiria para fazer parte da maioria de suas obras. Embora não seja o meu Franco favorito (esse título pertence a ‘Vampyros Lesbos’ de 1971, outro filme que merece uma menção honrosa aqui), tenho motivos para acreditar que é seu filme mais erótico.

Estrelando sua esposa Lina Romay no papel principal mais uma vez, sua atitude destemida e ousada como atriz coincide com o estilo cinematográfico misterioso, surreal e exagerado de Franco para sintetizar o sexo cinematográfico tão bem que poucos outros recursos foram tão bons. Também trazendo consigo um enredo bem arredondado que intriga muito bem, eu diria que sua única falha como filme é a quantidade abundante de nudez, que distrai do propósito da história. Se o objetivo do longa-metragem era contar a história é motivo de debate, e essa falha apenas ajuda o filme a excitar seu público.

1. Pontuação (1974)

Há algo para todos em ‘Score’. Tem sexo gay, sexo lésbico, sexo hetero, nudez abundante, uma história charmosa, escrita de personagens excepcionais e dá a promessa de se divertir no cinema. O terceiro filme de Radley Metzger a aparecer nesta lista, eu amo muito este, porque seu ambiente é incrivelmente erótico por si só. Principalmente ocorrendo dentro das paredes de uma casa suburbana, 'Score' conta a história de um casal 'experiente' de meia-idade que convida um casal mais jovem para sua residência para tentar embebedá-los a fim de fazer sexo com eles, o tempo todo mantendo pontuação com base em tudo isso entre os dois.

'Score' tem uma aura sexualmente estimulante e, embora muito disso seja coberto pelo mistério sempre evidente de Metzger, o filme não parece sinistro como partes de 'The Image' (1975) e 'The Lickerish Quartet' ( 1970) sim (devido à mencionada falta de franqueza). Eu chegaria ao ponto de definir ‘Pontuação’ como uma celebração do sexo, ou possivelmente as ideologias em torno do sexo que dominaram o ar durante os anos 70. Pode muito bem ser a característica mais erótica de todos os tempos.

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt