Bom dia, Veronica é baseado em uma história real?

Raphael Montes criou o original brasileiro da Netflix série de drama criminal 'Bom dia, Veronica' (originalmente, 'Bom Dia, Veronica'). A série segue o personagem-título – um funcionário de escritório que trabalha para Wilson Carvana no departamento de homicídios. Quando uma mulher tira a própria vida nas dependências da polícia, Veronica não consegue se livrar da lembrança angustiante. Antes de puxar o gatilho, a mulher diz que o amor ideal não existe. Com esta única pista, Verônica mergulha em um redemoinho de miséria e engano.

No dia seguinte, ela recebe um telefonema misterioso de uma vítima de abuso perturbada. Quando ela desrespeita ordens especiais, tentando resolver ambos os casos, ela naturalmente coloca em risco a segurança das vítimas. Em uma rede corrupta de lei e ordem, sua tentativa desesperada parece mais inútil até que ela assume o controle de suas próprias mãos. A série é agudamente perturbadora e angustiante, pois investiga a mente sinistra de um serial killer sádico. No entanto, você deve se perguntar se a série empresta sua premissa de um incidente de crime real. Nesse caso, vamos investigar mais.

Bom dia Veronica é uma história real?

Não, 'Bom dia, Veronica' não é uma história verdadeira. Embora a série possa parecer ter uma base em um caso real de assassinato em série, é puramente uma obra de ficção. Raphael Montes criou a série a partir de um roteiro escrito por um talentoso conjunto de roteiristas, incluindo Gustavo Bragança, Ilana Casoy, Carol Garcia e Davi Kolb. O roteiro foi adaptado do livro de mesmo nome escrito por Andrea Killmore, pseudônimo da famosa escritora de não-ficção Ilana Casoy e do romancista Raphael Montes.



Após se formar na Fundação Getúlio Vargas, uma das instituições mais conceituadas do Brasil, Ilana mergulhou na disciplina de psicologia criminal. Seu trabalho muitas vezes tem se preocupado com processos criminais infames no Brasil. Por exemplo, ela escreveu ‘A Prova é a Testemunha’ baseada no caso de Isabella Nardoni. Ela também colaborou com a Fox Brasil para criar um perfil criminal de Dexter Morgan, o protagonista cinza da popular série policial ‘ Dexter .' Ilana trabalhou ainda com o Discovery Channel por um ano, chegando a um currículo imponente.

No entanto, Raphael e Ilana misturaram ficção com realidade para o serial killer da série. O assassino também é um oficial de alto escalão da polícia militar, e a busca de Verônica por justiça parece uma causa perdida. Ao criar essas camadas do personagem, a série nos lembra os desequilíbrios de poder na sociedade e os abusos que eles cometem. Embora não tenha havido nenhum serial killer com o nome de Coronel Brandão, seu perfil pode corresponder a vários serial killers no Brasil com antecedentes policiais.

Jorge Luiz Thais Martins, ex-coronel do Corpo de Bombeiros Militar, tirou a vida de nove viciados em drogas entre agosto de 2010 e janeiro de 2011 para vingar o filho. Por outro lado, Florisvaldo de Oliveira, mais conhecido pelo apelido de “Cabo Bruno”, foi um ex-chefe de polícia que agrediu mais de cinquenta pessoas na periferia de São Paulo. Além disso, José Ramos, ou “O Açougueiro da Rua do Arvoredo”, assassinou oito homens com sua esposa e outro cúmplice.

Brandão também usa sua esposa aterrorizada e problemática para atrair as vítimas para sua elaborada armadilha. Portanto, embora Brandão não seja um serial killer de verdade, seu personagem pode ter sido construído com traços de diferentes assassinos em série . Ao colocar uma detetive mulher, que muitas vezes cai no fundo da luta pelo poder, no meio do problema, o criador destacou o aspecto de gênero do crime. Portanto, considerando todos os elementos, a série pode não ser uma documentação precisa de um caso criminal real, mas é bastante realista em seu perfil e caracterização criminal.

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt