‘Feud: Bette and Joan’ Episódio 7 Recap: Feminism 101

Susan Sarandon, à esquerda, e Jessica Lange em Feud.

Em Feud, são os momentos individuais que brilham com possibilidade, profundidade e complexidade. Ao considerar a série como um todo, porém, algo essencial se dissipa. Há um tom de feminismo 101 em algumas palestras, desnecessário para a história de duas mulheres poderosas lutando para sobreviver em um negócio que se afastou delas. Nenhuma das mulheres cabe nos recipientes cuidadosamente etiquetados que a série preparou para elas. Esta não é uma falha fatal porque a atuação é tão boa, os momentos individuais tão iluminadores. Esses momentos não serão abalados. Eles permanecem na mente.

O episódio da semana passada terminou com a chegada de Crawford e Mamacita em Baton Rouge para as filmagens de Hush ... Hush, doce Charlotte, apenas para descobrir que ninguém tinha vindo buscá-los no aeroporto. O que poderia ter sido um simples descuido foi considerado imperdoavelmente desrespeitoso pelo já paranóico Crawford. O episódio desta semana, intitulado Abandoned, assiste com espanto quase horrorizado às tentativas de Crawford de ganhar não apenas vantagem, mas qualquer influência no processo de filmagem. Sentindo-se cercada por inimigos, ela decide lutar da única maneira que conhece: lançando seu poder de estrela ao redor e, em última instância, tentando incendiar toda a produção. Historicamente, este foi um erro de cálculo catastrófico da parte de Crawford e ajudou a encerrar sua carreira já em dificuldades.

Helen Hunt, que dirigiu o episódio, apresenta lindamente o sentimento de isolamento de Crawford naquele set. De seu bangalô, Crawford pode ver o quintal até o bangalô de Davis, onde elenco e equipe se reúnem todas as noites para se embebedar e desabafar. Embora seja impossível imaginar a imponente Miss Crawford gritando com o resto deles, o olhar de tristeza de Jessica Lange revela o quanto doeu não ser convidada. Enquanto Crawford olha para o outro lado do quintal, ela vê o que parece ser Davis imitando a primeira cena de Crawford em Charlotte, enquanto todos apresentam gargalhadas.



A melhor TV de 2021

A televisão este ano ofereceu engenhosidade, humor, desafio e esperança. Aqui estão alguns dos destaques selecionados pelos críticos de TV do The Times:

    • 'Dentro': Escrito e filmado em uma única sala, a comédia especial de Bo Burnham, transmitida pela Netflix, chama a atenção para a vida na Internet em meio a uma pandemia .
    • ‘Dickinson’: O A série Apple TV + é a história da origem de uma super-heroína literária que é muito séria sobre seu assunto, mas não é séria sobre si mesma.
    • 'Sucessão': No drama cruel da HBO sobre uma família de bilionários da mídia, ser rico não é mais como costumava ser .
    • ‘The Underground Railroad’: A adaptação fascinante de Barry Jenkins do romance de Colson Whitehead é fabulística, mas corajosamente real.

Mas então Hunt se afasta de Joan e entra no bangalô de Davis, onde vemos que Davis estava tentando reproduzir a entrada de Crawford - um negócio complicado envolvendo duas bolsas, óculos de sol, remoção de luvas e derrubada de um taxista - e ela não podia fazer isso sem se atrapalhar . Como ela fez isso em uma tomada? Davis chora. O que Crawford testemunhou, então, foi na verdade um grande elogio. Este é um cinema sutil, comovente e triste.

No meio de tudo isso, há uma subtrama desnecessária sobre a filha de Davis, B.D., de 16 anos, que de repente anuncia que vai se casar, deixando Davis em uma pirueta. A última vez que vimos B.D. ela estava em um abraço choroso com sua mãe; sua hostilidade neste episódio parece surgir do nada. O objetivo parece ser enfatizar o amor de Davis por mandar nas pessoas, no set e fora dele, mas não acrescenta nada à narrativa principal (sem mencionar o fato de que, na vida real, o casamento de BD não aconteceu no meio da sessão de fotos de Charlotte). Há um momento muito engraçado, porém, quando Davis diz para a filha horrorizada, em tom de nostalgia romântica: Seu primeiro casamento é aquele de que você mais se lembra!

Uma cena de fim de noite entre Davis e Crawford é um exemplo perfeito da estrutura binária forçada da narrativa. Davis pergunta a Crawford como é ser a garota mais bonita do mundo e Crawford responde perguntando como é ser a garota mais talentosa do mundo. Davis pode não ter construído sua carreira com base em sua aparência, mas sua aparência não era nada desprezível (leia o de Farran Smith Nehme ensaio para comentário de filme sobre o assunto), e Crawford era extremamente talentoso em qualquer medida. É muito simples dizer que cada um queria o que o outro tinha. Por mais sensível que Lange e Susan Sarandon representassem aquela cena, a história real era muito mais complexa. Na realidade, Crawford lutou para encontrar o seu equilíbrio à medida que crescia e o sistema de estúdio desmoronava, enquanto Davis se ajustava, rolava com os socos.

No episódio 5, o diretor George Cukor (interpretado por John Rubinstein) visitou sua velha amiga Joan Crawford em sua casa antes da cerimônia do Oscar. Crawford cumprimentou Cukor com um súbito relaxamento de humor e o que poderia até ser chamado de uma risada autodepreciativa. Cukor voltou atrás com Crawford e Davis. Ele escalou o Davis adolescente como substituto em uma produção de 1926 com sua companhia de ações, The Lyceum Theatre, uma pausa precoce para ela. Ele dirigiu Crawford várias vezes (No More Ladies, The Women, Susan and God, A Woman’s Face) e ela sempre lhe deu muito crédito por pressioná-la a se tornar a atriz que era. Ela também disse que ele a ajudou a ter senso de humor sobre si mesma (o que não é pouca coisa). Na cena do episódio 5, Cukor pede que ela não prossiga com seu plano de roubar a noite de Davis, dizendo: Joanie, esta não é você. Crawford responde, com uma mistura trágica de autoconhecimento e desamparo: Sim, é.

Esse momento volta com força total no episódio 7, quando Cukor faz uma segunda aparição, visitando Crawford no hospital para tentar dissuadi-la do que ele sabe que será um ato de autodestruição espetacular. Sua expressão de choque ao sentir toda a força da fúria de Crawford conta toda a história de seu relacionamento profundo. Ele a conhece. Ele pensou que a conhecia. O que aconteceu com ela? Joanie, esta não é você. Sim, ele é.

Cukor uma vez falou do relacionamento requintado de Crawford com a câmera em termos vívidos: Conforme a câmera se aproximava, ela tinha uma expressão em seu rosto de um desejo intenso. Ela brilhava por dentro. Sua pele ganhou vida ... Era totalmente sensual, erótico. Seu close-up foi o êxtase. Joan Crawford e sua câmera. Foi o maior caso de amor que já conheci.

O que Abandoned testemunha, então, é o momento em que aquele caso de amor de 40 anos chegou ao fim.

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt