‘Identidade’, Explicada

Um thriller fenomenal reminiscente de ‘And Then There Were None’ de Agatha Christie tomou o mundo de assalto em 2003. Foi um filme ‘whodunnit’, embora uma reviravolta inovadora que deixou o público totalmente desprevenido. Neste artigo, pretendo explicar os detalhes da trama do filme que são um pouco difíceis de entender. Tenha em mente que os spoilers estão por vir, então assista ao filme antes de ler este artigo. Todo o filme alterna entre realidade e imaginação, a maioria das cenas se passa dentro da cabeça de Malcolm Rivers, o assassino em série condenado, que sofre de Transtorno de Personalidade Múltipla. Se você viu o recente filme de Shyamalan ‘Split’, o personagem de James McAvoy também sofre de uma doença semelhante.

Quem é Malcolm Rivers?

Malcolm Rivers está no corredor da morte, com execução prevista para menos de 48 horas. Quando seu psiquiatra, Dr. Malick, descobre que seus diários foram arquivados incorretamente nas evidências do caso, o que indica que ele pode ter um transtorno mental, o Dr. Malick e seu advogado de defesa agem para suspender a execução. O que se segue é uma audiência à meia-noite para determinar se a alegação de insanidade é justificada ou não.



A mãe de Malcolm Rivers era uma prostituta, ele foi encontrado abandonado em um motel decadente em que ela trabalhava, depois que ela foi assassinada. Ele foi então internado pelas autoridades e passou a ser responsável pelo departamento de acolhimento. No entanto, devido ao seu trauma de infância, ele desenvolveu onze personalidades múltiplas e passou a cometer seis assassinatos nos apartamentos Lakeworth em Nevada.

As personalidades

Antes da audiência da meia-noite, Dr. Malick preparou o palco para uma espécie de confronto entre as personalidades de Rivers. De acordo com seu plano, ele acredita que o assassino entre as personalidades será revelado e que determinada personalidade pode ser controlada ou destruída. O cenário desse confronto é o motel assustador, uma reminiscência daquele em que Malcolm Rivers foi encontrado abandonado quando criança. O Dr. Malick tem como objetivo provar que Rivers sofre de Transtorno Dissociativo de Identidade para que ele possa ser colocado em uma instituição mental em vez de ser executado.

Nenhuma das personalidades que Rivers desenvolveu foi aleatória, além de ter nomes de estados nos EUA, eles refletiam sobre sua infância e a prostituição de sua mãe. Aqui estão algumas dicas sobre o que essas personalidades significam:

Edward ‘Ed’ Dakota:Interpretado por John Cusack, Ed tem o vínculo mais próximo com a realidade. A grande revelação do filme é feita quando Ed desliza entre a imaginação e a realidade. Ele tem a atitude de 'ajudante', ele trabalha muito para manter a ordem e ajudar a todos. Ele é a criança interior.

Paris Nevada:Interpretada por Amanda Peet, sua personagem meio que fala por si mesma, a prostituta em fuga, que quer deixar seu passado para trás e começar de novo, algo que Rivers gostaria que sua mãe tivesse feito e algo que provavelmente teria salvado sua vida.

Ginny e Lou Isiana:A desesperada mulher recém-casada e seu marido, isso de certa forma reflete seus verdadeiros pais, sua mãe se destruiu, se arruinou e se tornou uma prostituta, quebrando seu marido.

Larry Washington:Eu acredito que Larry esconde sua verdadeira personalidade, o recepcionista do hotel, que encontrou o verdadeiro dono do motel morto e o prendeu em um freezer, esta vítima congelada pode ser uma representação de Rivers sendo congelado, incapaz de controlar ou intervir em qualquer coisa que sua personalidade faça.

Caroline Suzanne é representante de sua mãe. Sua atitude chorona parece refletir diretamente a atitude de sua mãe.

Alice York, George York e Timmy York:Ela ficou ferida a ponto de não conseguir falar e isso parece estar diretamente relacionado ao que a mãe de Rivers passou no dia de sua morte. Além disso, George York fala sobre seu enteado, o trauma de Timmy York que o fez parar de falar e esta é uma correlação direta com o que aconteceu com Malcolm também.

Robert Maine:Maine é suspeito de assassinato, basicamente uma relação direta entre fato e ficção, já que Malcolm também é preso pelos assassinatos cometidos por sua personalidade homicida.

Samuel Rhodes:O personagem de Ray Liotta como o condenado fugitivo pode representar o que Malcolm sonha, ele deseja ser um homem livre novamente.

Quem é Timothy ‘Timmy’ York?

Timmy é um menino de nove anos. Ele também é um dos meninos de nove anos mais manipuladores e controladores que você conhecerá. Ele fica na maior parte do tempo à margem por quase todo o filme, assassinando, manipulando e tendo um papel direto ou indireto a desempenhar em todos os assassinatos que acontecem no motel. Ele também é a personalidade responsável por Malcolm Rivers ser o serial killer que ele é.

Um ponto interessante a se notar, de acordo com o recorte de jornal do filme, Malcolm foi abandonado no motel quando tinha nove anos, a mesma idade de Timmy, isso é uma revelação mortal. Como mencionei na seção anterior, seu pai George York falou sobre como Timmy passou por um trauma grave e se tornou mudo. O fato de Timmy ser revelado como a personalidade assassina não é nenhuma surpresa quando você leva em consideração esses fatores.

Timmy usa sua aparência infantil a seu favor, sempre acreditamos que havia apenas 10 personagens possíveis que poderiam ser o assassino e muitas vezes tínhamos uma fixação no personagem de Liotta e Cusack, os mais prováveis ​​assassinos. Mesmo o juiz e os outros membros na audiência ignoram completamente Timmy ou seu paradeiro e decidem que Rivers está curado, quando todos os outros no motel estão mortos.

O fato de Timmy ser uma criança é o que diferencia ‘Identidade’ de um filme de assassinato comum. O filme faz uso inteligente do fato de que os assassinatos fazem parte da imaginação de Rivers e não acontecem na realidade. As pessoas definitivamente teriam dificuldade em acreditar que um menino mudo de nove anos fosse responsável por assassinatos se a história acontecesse na realidade.

Compreendendo o transtorno dissociativo de identidade (DID)

Embora o Transtorno de Personalidade Múltipla ou TDI seja uma premissa interessante para uma produção de Hollywood, há questões sendo levantadas sobre se o transtorno está sendo retratado corretamente. É possível algo ao longo das linhas de 'Identidade' na vida real? Pode realmente existir um assassino que não sabe o que está fazendo, com uma personalidade dominante como Timmy assumindo o controle de suas ações?

Curiosamente, durante minha pesquisa, descobri que há algumas coisas que ‘Identidade’ deu certo. Pegue o número de personalidades, por exemplo. Observa-se que uma média de 13-15 personalidades podem ser descobertas durante o tratamento de uma pessoa com transtorno de personalidade múltipla. Essas alterações ou identidades têm sua própria idade, sexo ou raça.

Aqui está algo que o Identity pode ter errado. Lembra como é revelado que todos os personagens do motel fazem aniversário no dia 10 de maio? Isso não é necessariamente verdade no caso de uma pessoa com Transtorno Dissociativo de Identidade. As personalidades são normalmente distintas o suficiente para não compartilhar a mesma data de nascimento. No entanto, isso pode ser atribuído à licença artística, a revelação definitivamente adicionada à atmosfera de suspense.

Outra coisa que a ‘Identidade’ acerta é a razão por trás da desordem. A pesquisa indica que o DID ocorre mais provavelmente como uma resposta psicológica ao estresse interpessoal e ambiental, particularmente durante a primeira infância. A negligência ou o abuso emocional são geralmente considerados a razão pela qual uma pessoa se torna dissociativa. Portanto, para uma pessoa como Malcolm Rivers desenvolver transtorno de personalidade múltipla é muito plausível.

Na verdade, existem alguns exemplos da vida real de assassinos em série que foram diagnosticados com TDI. Billy Milligan é um exemplo. Seu psiquiatra o diagnosticou com o transtorno e afirmou que ele tinha até 24 personalidades diferentes e até mesmo nomeou os responsáveis ​​pelo assassinato. Billy foi o primeiro indivíduo americano a ser considerado inocente devido a TDI. Existe até um documentário e livro sobre ele, procure-o se estiver interessado.

Palavra final

‘Identidade’ é um daqueles filmes em que você sempre sabe que há algo mais acontecendo do que o que é mostrado na tela, mas você não consegue definir exatamente o que é. As ideias que o filme levanta são sombrias e assustadoras, mas, ao mesmo tempo, conseguem fazer você pensar sobre doenças mentais.

Foi um thriller que deu o tom para os thrillers psicológicos imprevisíveis que tivemos nesta década, um 'whodunnit' que não foi realmente um whodunnit e um filme que merece toda a atenção que recebe, mesmo depois de todos esses anos.

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt