Fim de ‘O convite’, explicado

‘The Invitation’ (2015) é um filme de drama e mistério, dirigido pela experiente Karyn Kusama da fama de ‘Jennifer’s Body’. A premissa é ambientada em um jantar com amigos familiares. Conforme a noite avança, as tensões aumentam, colorindo seus personagens imensamente únicos com o medo de um ritual de culto iminente. Hoje em dia, filmes de mistério dificilmente são feitos com algum sentido perceptível de intriga. Embora alguns filmes operem com sucesso dentro de um elemento específico do gênero, a maioria não chega perto de ser perfeita e circular in toto. A atmosfera não é o único requisito para um filme de mistério funcionar. A menos que um cineasta combine uma intriga atmosférica com um roteiro de qualidade e personagens bem desenvolvidos, ele raramente é capaz de causar impacto.

Kusama certamente causa uma ótima impressão com ‘O convite’. Suas reflexões sobre o heroísmo do culto na contemporaneidade queimam lentamente, com um ar horrível e inevitável de mau presságio. A história está profundamente arraigada no passado, do qual o grupo de amigos faz parte mutuamente e que Will e Eden compartilham com exclusividade. Juntando esses breves, mas poderosos, momentos das turbulências do passado, Kusama consegue construir uma narrativa quase claustrofóbica que dificilmente lhe dá espaço para respirar até o fim. Kusama explora a energia e o dinamismo dos personagens por meio dessa inebriante interspersão do passado e do presente, semelhante à forma como Jean-Marc Valle estruturou 'Big Little Lies' e, mais recentemente, 'Sharp Objects'.

A história é uma prova de como os filmes de culto são apreciados pelas massas em geral. Sejam as apresentações superficiais mal preparadas que os anos 70 oferecem ou as características graduais e mais matizadas dos tempos contemporâneos, os filmes que tratam de cultos e rituais sempre encontraram favores do público em todo o mundo. Este artigo discute os vários temas da trama e seu final de um milhão de dólares.



O enredo

Resultado de imagem para o convite 2015

‘A maior força do Convite é o seu elemento surpresa e o desconhecido. O enredo se desenrola de forma mais envolvente e certamente leva seu tempo antes de liberar sua poderosa proeza cinematográfica. Os primeiros minutos nos mostram um casal dirigindo no meio da noite, indo a uma festa. Quase como um aviso, eles atingiram um coiote, surgindo do nada, mas sem propósito? O filme não se passa em uma área isolada. Durante as tomadas iniciais de estabelecimento, vemos que o casal e seus amigos vivem em uma área bem povoada. Portanto, um coiote surpreendendo você na estrada é altamente improvável. É, portanto, um sinal para Will e para o espectador: cuidado. De qualquer forma. Ao chegar ao destino, Will e Kira são recebidos pelo novo marido de Eden, o charmoso e desconfiado David. Eles se juntam ao seu antigo pelotão.

Uma característica única do estilo narrativo do filme é a escolha da perspectiva. Embora possa parecer à primeira vista ser a versão de tudo de Will, a realidade é diferente. Nosso protagonista é tão desinformado quanto nós; tão suspeito e igualmente inconsciente do que está por vir. É isso que indica o ponto de vista do filme: o público. Kusama astutamente faz com que cada momento que acontece na casa perto de Will. Se ele vê, nós vemos. Mas sua perspectiva não é a de um personagem. Ele fará perguntas que geralmente nos perguntamos ao assistir o filme, apontando coisas para nós à medida que avançamos. Por exemplo, quando Pruitt tira Claire de vista e retorna, David o vê trancando a porta. Algo que, embora tenhamos previsto mais adiante no filme, ainda tinha importância no momento.

Conforme a festa avança, Will assume sua perspectiva, que é sua conexão íntima com a casa e suas memórias de Eden e Ty. Os momentos que ele passa com suas memórias são o único momento em que ele não é um agente da narrativa, mas sim uma figura periférica perturbada, tentando descobrir o caminho para a sanidade. As memórias vêm com pressa; a dor 'o choque de perder um filho; a angústia. Will se sente oprimido, e são lindas fotos como as acima que dão o tom do filme. Sadie é um personagem que Kusama usa muito habilmente. Ela é provavelmente a personagem mais explosiva e vagabunda do filme, vagando pela casa, livre, como um espírito em terreno sagrado. Tudo que Sadie faz contorce a atenção de Will e do espectador e a percepção da verdade. Ela é quase como uma distração; um canal desnecessário nas mãos de Pruitt e David, que a usam para desviar nossa atenção e, nessa medida, a de Will.

Resultado de imagem para o convite 2015

Will, ao chegar a um acordo com seus sentimentos, descobre um vídeo no laptop de David, que aparentemente foi filmado em um acampamento de culto, algo sobre o qual David e Eden conversaram com seus amigos. É aqui que a história realmente muda de marcha e se transforma em um turbilhão de destruição que se desenrola e consume tudo. Will quebra todas as taças em que é oferecido vinho ao grupo, exceto Gina, que bebe e morre, confirmando as suspeitas de Will. Sadie o ataca com uma fúria incontrolável, mas é neutralizada no momento. Os outros três se juntam e matam três dos convidados, deixando Will, Kira e Tommy vivos. Segue-se um jogo de gato e rato em que David, Eden e Pruitt sucumbem, fracassando na execução de seus planos.

Um evento importante que percebemos no final foi importante, foi David pendurando uma lanterna vermelha do lado de fora, quando eles estavam prestes a executar seus planos. No final, Will e Kira descobrem que a cidade inteira está coberta de manchas vermelhas, uma indicação de que os membros do culto não se limitam a David e Eden. Eles resolvem sair quando o filme terminar.

The In-Betweens

Resultado de imagem para o convite 2015

Ufa. ‘O convite’ aproveita ao máximo sua tensão envolvente e enredo intrigante. A verdadeira vitória não está no clímax - todos nós sabíamos o que iria acontecer - mas Kusama certamente triunfa na maneira como ela mantém o filme junto com sua arte. A câmera lenta, sutilmente empurrando e observando tacitamente cada ação dos personagens, define o clima e, mais importante, o tom sombrio do filme. Mesmo que não seja um filme de terror, excluindo de forma proeminente sustos e demônios, ele possui as vibrações que categorizam um filme como terror. 2016 e 2017 foram anos de renascimento para o gênero de terror moderno, atingindo seu apogeu com o brilhante ‘Get Out’ de Jordan Peele. ‘O convite’ joga bem com seus tropos genéricos disponíveis e combina o convencional com uma abordagem única e recente sobre rituais de culto e luto pessoal.

Vamos falar um pouco sobre o verdadeiro herói do filme: a narrativa. Os filmes podem ser categorizados em duas classes com base em como identificamos a força motriz de um filme. A primeira categoria de filmes é orientada para o protagonista. Esses tipos de filmes geralmente giram em torno de sua peça central e o ajudam a levar o filme adiante. Um exemplo curioso pode ser alguém como Paul Thomas Anderson, que deriva fortemente da destreza de seu homem principal, ou Tim Burton, cujo eclético e colorido universo cinematográfico é sustentado por alguns dos personagens mais relacionáveis ​​e vibrantes que vimos.

Pelo contrário, alguns cineastas confiam apenas em sua arte e na força da história para levar seu filme adiante. O foco coagula na história e em como ela é contada. Os proponentes desta escola de pensamento são visionários como Stanley Kubrick e Christopher Nolan, que, embora, tenham se desafiado com filmes como 'A Clockwork Orange' e 'Memento' respectivamente, exibem uma grande compreensão do contexto em que se expressam e algo latente que está sempre presente. 'O convite' se enquadra na última categoria, combinando com destreza os dois estilos para produzir um grande efeito. Por breves momentos entre o ponto de vista de Will, certamente arrasta o filme para frente e nos inclui na mistura também, mas para as partes maiores, a narrativa tem precedência.

Contar histórias, embora incompleto sem seu protagonista principal, é uma arte em si. E essa emoção deve ser preservada e esforçada para ser alcançada e sentida da melhor maneira possível. Kusama apresenta seus adereços de tal forma que tudo na festa de David e Eden está contribuindo para o avanço da história. Seja as pílulas que Eden secretamente esconde na gaveta de seu quarto, ou a figura duvidosa de Pruitt pairando sobre a casa com incerteza; as imagens comunicam. É essa bela conexão que o espectador estabelece com sucesso com a essência da história, e tudo o que isso acarreta, que torna 'O convite' um grande esforço. ‘O convite’ encontra-se localizado na junção perfeita de realismo cinematográfico e viabilidade comercial, o que dá a quase todos a chance de ver e sentir o filme. Carregar esse apelo universal é difícil, e o filme em questão o faz perfeitamente.

O Fim, Explicado

O final 'O convite' não é ambíguo, mas também não oferece um encerramento. Conforme Will e Kira conquistam a batalha, os tiros finais os atraem para uma guerra que será difícil de vencer. O acampamento que Eden e David visitaram era um ritual de culto que fazia lavagem cerebral nos dois e, aparentemente, em milhares de outros, para curar 'cientificamente' a alma. Pruitt e Sadie também são membros, ajudando os anfitriões a levar suas vítimas. A melhor parte de ‘O convite’ é que ele brinca com seu suspense. A transição do suspense de Hitchcock para a era moderna foi refrescante. Embora na maioria das vezes os thrillers de suspense joguem com a ideia do desconhecido e do que está por vir, 'O fim do convite é inevitável; sabemos o que vai acontecer, mas estamos intrigados até o último minuto. O filme joga com o conhecido e nos mostra como tudo vai acabar.

A transcendência de uma existência consciente para subconsciente está no cerne da ideologia ou método de cura do campo, que basicamente se traduz em matar-se. É revestido de açúcar com toda a algaravia como 'você fez uma escolha' e 'renunciou a todo sofrimento e dor'. Mas no final, sua totalidade depende do sacrifício, e Deus sabe o que vem depois. Eden é uma mãe em luto, cuja perda de um filho único foi um sentimento opressor, com o qual ela não foi capaz de lidar. Separada do marido, Eden procura desesperadamente um mecanismo para se aliviar da dor e angústia e é levada ao acampamento com Davi. Will, por outro lado, tem uma vida completamente diferente, separada de seu mundo anterior. Só quando ele volta para casa é que os sentimentos o inundam de culpa e arrependimento.

Resultado de imagem para o convite 2015

O final ganha vida a partir do momento em que Eden derrama vinho envenenado em copos. A mistura de nervosismo e alegria apaga seu rosto e é um prenúncio do que está por vir. O filme ganha vida e cada pequena ação dos personagens do meio começa a fazer sentido. As portas fechadas; a lanterna vermelha; as pilulas; a não recepção. Deve-se dar crédito a Kusama pela maneira como ela constrói o final e o bloqueia. Todos os quatro facilitadores são posicionados de maneira condescendente, dando-nos a sensação de estarmos sendo vigiados. Resta ver se os produtores vêm com uma sequência em breve, porque, com o clímax que testemunhamos, as apostas são altas para uma continuação.

As lanternas vermelhas na vizinhança podem significar que os membros do culto escolheram um determinado dia para realizar as execuções. Afinal, toda reforma precisa de um plano. E dado o quão 'científico' todo o esforço é, organização e planejamento podem ser uma noção presumida no final. Pessoas como Sadie e Pruitt, que pertencem ao culto, ou são saudadas como estranhos, podem ser designadas de bairro a bairro para garantir que seu plano de assassinatos em massa prossiga com sucesso. O final também acena para uma questão: pode a mente humana ser influenciada tão facilmente?

Palavra final

Assim como a religião, os cultos também derivam seu poder das vulnerabilidades e superstições das pessoas. A própria existência de uma entidade sobrenatural ou suprema incutia na consciência das pessoas um medo natural e uma obediência habitual. Os helicópteros e o caos, no final, apontam para uma deficiência aguda na faculdade humana de diferenciar eficientemente entre delirante e racional.

Embora a lei natural seja certamente a bússola que governa a todos nós, o envolvimento da mão humana em seus procedimentos a torna impura e retira sua forma e formato originais. Kusama explora metaforicamente o tema por meio de Sadie. A primeira impressão que se tem ao vê-la é a de que foi submetido a uma lavagem cerebral e enganado. Extrair obediência de tal pessoa é bastante fácil, permitindo assim que seus detratores os manipulem para alcançar objetivos muito mais diabólicos. Ela é como um daqueles conduítes, ou adereços, em uma narrativa maior, muito mais desumana, que constantemente tenta cair em ascensão e derrubar a ordem natural. 'O convite' é firme em não exagerar no conceito e atinge um equilíbrio perfeito, caminhando na linha entre o realismo metafísico e o sutil, o realismo contextual com inveja. No geral, ‘O convite’ é um esforço mais do que impressionante e certamente um filme que mostra um grande potencial para o significado moderno redefinido do cinema de terror.

Leia mais em Explainers: homem Pássaro | Vida de Pi | Começo

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt