Crooked House é baseado em uma história verdadeira?

O cineasta francês Gilles Paquet-Brenner traz um drama de suspense e suspense ameaçador no filme ‘Crooked House’ de 2017. A história do filme gira em torno de um mistério polêmico tenso repleto de reviravoltas e revelações devastadoras. Após a morte do oligarca Greco-Inglês Aristide Leonides, sua neta Sophia vem ao passado arremessar Charles pedindo ajuda.

Filho de um conhecido policial da Scotland Yard, Charles dirige uma empresa privada de investigação. Ele assume o caso com relutância, mas sua investigação o mergulha no coração de um mistério de quarto trancado. Um Borgia está morando sob o telhado, e ninguém na sala está fora de suspeita. O perpetrador acaba sendo o menos óbvio neste filme, o que mantém o público em dúvida. No entanto, você pode se perguntar se o filme está enraizado na realidade. Nesse caso, estamos a sua volta.

Crooked House é baseado em uma história verdadeira?

Não, ‘Crooked House’ não é baseado em uma história verdadeira. É baseado no romance homônimo de Agatha Christie de 1949, que a autora considerou um de seus favoritos. Muitos fãs de Christie têm o trabalho de ficção em alta consideração e, portanto, a adaptação cinematográfica foi inconfundivelmente desafiadora para o diretor e os roteiristas. Exceto uma transmissão de peça de rádio de 2008 na BBC Radio 4, não houve uma única adaptação cinematográfica do famoso romance de Christie. Assim, provou ser um tesouro para os cineastas. Neil La Bute anunciou o projeto pela primeira vez em 2011, que divulgou sua intenção de girar um filme fora do romance. Também foi anunciado que Julian Fellowes, da fama de ‘Downton Abbey’, escreveria o roteiro.



Embora programado para 2012, o projeto foi adiado, e o elenco e a equipe de criação continuaram mudando. Fellowes escreveu duas versões, em parceria com Tim Rose Price, e o cineasta francês Gilles Paquet-Brenner passou a se associar a ele. Ele fez pequenas alterações, e o filme ganhou sua aparência final. Ele também trouxe uma sensibilidade gótica francesa a este clássico mistério de quarto trancado. Em conseqüência, um ambiente de trevas taciturnas estraga a história.

Glenn Close e Max Irons (filho do aclamado ator Jeremy Irons) concordaram em assumir o projeto após ler o roteiro de Fellowes. Outras co-estrelas, como Julian Sands, Christian McKay e Amanda Abbington, tinham um conhecimento considerável da obra do autor devido às suas várias aparições nas adaptações de Agatha Christie. Salvo alguns anacronismos e mudanças criativas, a narrativa cinematográfica não se afasta muito do romance Christie.

No entanto, existem algumas mudanças inovadoras significativas, que alteram algumas equações para os personagens. A mais gritante das alterações é que Charles e Sophia estão envolvidos no romance e não apenas ex-amantes do Cairo. Portanto, o livro requer um envolvimento muito mais pessoal e direto de Charles do que o filme. No filme, o pai de Charles e o policial condecorado da Scotland Yard, Sir Arthur Hayward, é declarado morto, enquanto o personagem aparece no romance. No livro, a babá é envenenada por digitálicos e não por cianeto como no filme.

A tentativa de assassinato de Josephine ocorre no livro por trauma contundente e não uma escada de corda cortada. A seqüência final de perseguição de carro também é uma manobra dramática que os roteiristas adicionaram à adaptação do filme. Além disso, Lady Edith escreve duas confissões na história original, uma para Charles e outra para o Inspetor Taverner. As posições de Philip e Roger na família também são trocadas. Brenda se transforma de garçonete em dançarina em um clube de Las Vegas. A história se passa no final dos anos 50, uma década depois do original. No final, o filme retém a essência do romance Christie, tornando-se uma exploração sombria da psique de uma criança desonesta.

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt