O Rei Arthur: Lenda da Espada é baseado em uma história verídica?

O diretor do autor Guy Ritchie transporta seu público para os mouros de um mundo medieval mítico no filme épico de drama de fantasia 'Rei Arthur: A Lenda da Espada' de 2017. A história envolve o lendário retorno do filho do Rei Uther, Arthur, que deve render a Excalibur - a espada mágica de Merlin - e recupere o reino do malvado Rei Vortigern. Depois de Vortigern arranjar um golpe, o bebê Arthur é despachado em um barco para ser pego por um bando de prostitutas.

As melhores VPNs para Netflix
CyberGhost VPNMelhor VPN Netflix
Política de não registro
Proteção Wi-Fi
Garantia de devolução de dinheiro

Temos uma garantia de reembolso de 45 dias, para que você tenha tempo suficiente para testar os aplicativos e ver se eles são adequados para você.
Ver oferta
Surfshark VPNVPN mais barata
Dispositivos ilimitados
Melhor segurança
Melhor velocidade


A partir de apenas US $ 2,49 por mês, é uma opção premium fantástica que é incrivelmente simples de usar. O desbloqueio da Netflix dos EUA é sua especialidade no momento.
Ver oferta

Ele se torna uma espécie de máfia de rua na cidade, sem saber de sua linhagem real. Mas quando os tempos são difíceis, o herói deve cumprir seu destino, enquanto a busca o faz enfrentar seu passado. O filme é um conto medieval elegante e cheio de ação atualizado para o século XXI. O elenco estelar é composto por Eric Bana, Charlie Hunnam e Jude Law, trazendo a visão de fantasia altamente estilizada à vida. No entanto, você pode se perguntar quanto da história está enraizada em eventos reais. Se for esse o caso, vamos fazer uma investigação.

O Rei Arthur: Lenda da Espada é baseado em uma história verídica?

Não, ‘Rei Arthur: Lenda da Espada’ não é baseado em uma história verdadeira. Altamente dependente de gráficos visuais, o filme também é inteiramente fictício. Para os entusiastas da história, seria imperativo saber que a existência histórica do Rei Arthur como tal há muito é debatida nos círculos acadêmicos. E quando ele se tornou o assunto do folclore, sua lenda foi transformada à vontade pelos contadores de histórias.



Uma das primeiras menções documentadas de Artur foi em ‘The Historia Brittonum’, um texto histórico latino do século IX às vezes atribuído ao clérigo galês Nennius. Ainda assim, a popularidade internacional de Arthur como um ícone do folclore inglês deve-se um pouco ao relato altamente criativo de Geoffrey de Monmouth, do século 12, ‘Historia Regum Britanniae’ (‘História dos Reis da Grã-Bretanha’).

Arthur e a 'Questão da Grã-Bretanha' como um todo também têm sido um assunto promissor no meio cinematográfico. ‘The Adventures of Sir Galahad (1949),’ uma série de filmes com o velho ‘Superman’ famoso George Reeves estrelando como Sir Galahad, foi a primeira adaptação cinematográfica das lendas folclóricas. Avancemos para o ano de 2004. 2004 marcou o lançamento de ‘Rei Arthur’ de Antoine Fuqua, com Clive Owen no papel principal. Após o sucesso medíocre do filme, a Warner Brothers queria fazer outro filme com as Lendas Arthurianas em mente. Um era um remake da épica aventura de ação e aventura de John Boorman de 1981 ‘Excalibur’, com Bryan Singer na cadeira do diretor.

O outro foi um filme inicialmente chamado ‘Arthur & Lancelot’. O segundo filme teria Kit Harington e Joel Kinnaman no papel de Arthur e Lancelot, respectivamente. A Warner Brothers achava que os nomes não eram significativos o suficiente para chamar a atenção e brincaram com a ideia de Colin Farrell como Rei Arthur e Gary Oldman como Merlin. Essa versão também não foi feita. Enquanto isso, Joby Harold fez um primeiro rascunho do roteiro baseado em uma história de Harold e Dobkin. No entanto, o roteiro final mudou drasticamente no final, e no filme, esses dois são apenas creditados com a história. O produtor Lionel Wigram reescreveu longamente o roteiro e, no filme, ele é creditado como o co-roteirista, assim como Guy Ritchie.

Guy Ritchie, um diretor, também conhecido por seus thrillers de ação movidos pela subcultura, considerava a fantasia um gênero assustador como nunca havia feito antes. Ele o concebeu como uma longa franquia de seis partes, até que o filme explodiu nas bilheterias. O filme foi inicialmente apresentado ao estúdio e aos atores como uma espécie de ‘O Senhor dos Anéis’ encontrando o próprio ‘Arrebato’ de Ritchie, que funcionou para a maioria dos atores. Certamente funcionou para Charlie Hunnam, que estava ansioso o suficiente para lutar contra seus companheiros de teste para o papel.

Ritchie queria trazer Arthur ao reino de um mortal, mantendo a essência da fantasia da história - uma ideia que ele tirou da ‘Excalibur’ de Boorman - e é uma que ele executou perfeitamente bem no filme. Ele também se inspirou em 'Game of Thrones', mas o veterano diretor queria que o filme fosse seu. Ele fez vários cortes - um corte de três horas de duração e uma versão estendida de duas horas e vinte minutos - mas finalmente foi para a tomada de uma hora e cinquenta minutos. Ele trouxe a voz e o ritmo, observou o diretor. O CGI levou mais de um ano para ser perfeito, e isso aparece no filme. No final, pode falhar em criar a magia, mas a estrutura épica da história empresta-lhe um lugar firme na cultura, uma vez que é contada repetidas vezes.

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt