'The Leftovers' 2ª temporada, Episódio 5: Rindo com Deus

Christopher Eccleston em The Leftovers.

O The Leftovers de domingo foi a hora mais atraente até agora da segunda temporada, e essa é uma declaração ousada, considerando o quão excelente foi a segunda temporada. No Room at the Inn - que, como o terceiro episódio da primeira temporada, focou na má sorte aparentemente ilimitada que se abate sobre Matt Jamison - foi um golpe de misericórdia: intenso, semi-violento e surpreendente em cena após cena. Também continuou a focar nos temas de espiritualidade e fé que são centrais em The Leftovers, de maneiras abertas (a conversa entre John Murphy e Matt) e mais sutis (o uso daquela música de Regina Spektor que declara: Somos todos rindo com Deus).

Existem cerca de 8,8 zilhões de programas em plataformas de TV e streaming. Mas quantos, no mesmo episódio, aludiriam ao Book of Job, uma comédia clássica de Bill Murray, e - se a aparição de Brett Butler conta como uma alusão, e eu digo que sim - a sitcom da ABC dos anos 90 Grace Under Fire ? Não muitos, pessoal. Nao muitos.

A já mencionada comédia de Bill Murray - Groundhog Day - é explicitamente referenciada na abertura, em que Matt Jamison vive o mesmo dia indefinidamente, à la Murray de Phil Connor. Todas as manhãs, Matt ouve a mesma música (Let Your Love Flow, dos Bellamy Brothers, não I Got You, Babe), enquanto passa 24 horas envolvido em rituais tão básicos (aplicar loção nas mãos contorcidas de Mary) e ligeiramente cômicos (comer aquilo burrito bruto todas as noites). Enquanto Phil do Dia da Marmota ganha vida repetidamente, Matt o escolheu, convencido de que, se ele e Mary fizerem as mesmas coisas que fizeram no dia em que ela acordou de seu estado vegetativo, ela vai voltar para sempre. Ele está errado, e não é a única maneira pela qual ele repete o mesmo comportamento, esperando por um novo resultado.



A melhor TV de 2021

A televisão este ano ofereceu engenhosidade, humor, desafio e esperança. Aqui estão alguns dos destaques selecionados pelos críticos de TV do The Times:

    • 'Dentro': Escrito e filmado em uma única sala, a comédia especial de Bo Burnham, transmitida pela Netflix, chama a atenção para a vida na Internet em meio a uma pandemia .
    • ‘Dickinson’: O A série Apple TV + é a história da origem de uma super-heroína literária que é muito séria sobre seu assunto, mas não é séria sobre si mesma.
    • 'Sucessão': No drama cruel da HBO sobre uma família de bilionários da mídia, ser rico não é mais como costumava ser .
    • ‘The Underground Railroad’: A adaptação fascinante de Barry Jenkins do romance de Colson Whitehead é fabulística, mas corajosamente real.

Revisite os dois barcos e um helicóptero centrados em Matt da primeira temporada, e você notará vários paralelos entre aquela hora e aquela que foi ao ar esta noite. Em ambos os episódios, em circunstâncias diferentes, Matt entra em grandes altercações, incluindo aquelas que resultam em ferimentos na cabeça; luta para levantar o dinheiro de que precisa desesperadamente; aposta (seja em um cassino ou em um sueco refinado chamado Elmer) em um esforço imprudente para resolver seus problemas; e é vitimado depois de tentar ajudar um estranho com problemas relacionados com o carro. Mesmo dentro da narrativa mais ampla do Leftovers, Matt é o Groundhog Day-ing. (Também é importante notar que em Dois barcos e um helicóptero, ele tem uma série de visões pós-traumatismo craniano, incluindo uma dele fazendo amor com Maria.)

Como um homem de fé, Matt sempre acreditou em duas verdades: que pessoas boas são recompensadas e que Deus acabará por aliviar o sofrimento. Não é nenhuma surpresa que, quando o personagem de Brett Butler pede a Matt para nomear seu livro bíblico favorito, ele diz Jó. É Jó quem diz: Nu saí do ventre de minha mãe e nu voltarei. Talvez seja por isso que, no final do episódio, Matt retorna ao campo de refugiados, tira a roupa e se coloca naquele tronco. Matt se vê à imagem de Jó, um homem honesto e justo, que deve sofrer muito antes de colher os benefícios.

Mas Matt é inocente e justo? Aprendemos neste episódio que Maria está grávida, o choque de uma revelação inicialmente recebida com alegria, até que Matt percebe que ninguém acreditará no que ele diz que aconteceu: que a criança foi concebida durante o breve período em que Maria despertou novamente. Se ela nunca estava realmente acordada, como afirma John Murphy, o que Matt fez foi estuprar - ele fez sexo com sua esposa essencialmente em coma sem consentimento.

Esta é a segunda vez que o estupro surge nesta temporada, a primeira sendo o estupro de Tommy por Meg, um ato retratado, intencionalmente, eu acho, de maneiras obscuras. Foi claramente algo que ocorreu contra a vontade de Tommy, mas enquanto estava acontecendo, parecia haver um lampejo de conexão entre os dois que fez o sexo parecer quase consensual, embora não fosse. Com Matt e Mary, temos um exemplo ainda mais gritante de estupro talvez, mas talvez não. O fato de The Leftovers continuar voltando a este assunto sugere que é uma metáfora para as questões que a série levanta sobre a fé, e se ela é forçada a pessoas que não têm capacidade de resistir.

Se alguém considerar racionalmente as evidências, Matt certamente parece ser culpado de estuprar Mary. Quando ele fica com raiva dela e diz: olhe para mim, ele vê sua própria imagem na câmera do laptop gravando os dois e reage como se tivesse acabado de captar uma imagem familiarmente desagradável de si mesmo em um espelho. Depois que Matt é atingido na cabeça pelo cara com o carro quebrado, ele tem uma visão de Mary falando que parece mais alucinação do que realidade, sugerindo que as outras vezes que ela falou com ele podem ter sido em sua imaginação também. Dada a forma como Christopher Eccleston interpreta o personagem - como um homem gentil com sorrisos tão abertos quanto o céu do Milagre, mas também com a capacidade de estourar - não é difícil imaginar que ele perdeu a cabeça uma noite e alucinou sua esposa quando ela ainda estava inconsciente. É revelador, também, que quando ele lembra a Mary o que eles fizeram na noite em que ela voltou, ele não menciona que eles fizeram amor.

E, no entanto, em um programa sobre milhões de pessoas inexplicavelmente desaparecendo no ar, você não pode simplesmente descartar a ideia de que talvez Mary realmente tenha acordado e feito sexo de boa vontade com seu marido. Ao dar a este episódio o título de No Room at the Inn, e retratando Matt e Mary como um casal expectante sem para onde ir, os escritores Damon Lindelof e Jacqueline Hoyt evocam claramente a história de Maria e o menino Jesus. A implicação: talvez aquele milagre tenha acontecido em Milagre.

Claro, alguém poderia argumentar que Matt está apenas negando o pecado que cometeu e lida com isso largando Maria na casa de sua irmã para que ele possa se colocar na paliçada, ou seja, punir a si mesmo. Mas pode-se facilmente ver as ações de Matt como as de um crente que chega à mesma conclusão, indefinidamente, não importa o que aconteça: que o Senhor o está testando. Ele tem certeza de que o despertar de sua esposa e a gravidez são um milagre e sabe que tudo o que ele precisa fazer é o que Jó fez: continuar sofrendo em Seu nome até que Deus, finalmente, ouça seu choro.

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt