Meghan Markle deixou 'Suits'. Aqui está o que ela levou com ela.

Meghan Markle fez o que deve ser sua última aparição em Suits na noite de quarta-feira.

Em uma estranha reviravolta de arte e vida imitando uma à outra, o final da 7ª temporada de Suits apresenta Meghan Markle caminhando pelo corredor em um vestido de noiva. Esperando por ela não está um príncipe britânico, mas sim o advogado Mike Ross (Patrick J. Adams), o interesse romântico de Rachel Zane, uma personagem que a Sra. Markle imbuiu com uma mistura de charme, consciência e graça ao longo de sua carreira de sete anos no show.

As melhores VPNs para Netflix
CyberGhost VPNMelhor VPN Netflix
Política de não registro
Proteção Wi-Fi
Garantia de devolução de dinheiro

Temos uma garantia de reembolso de 45 dias, para que você tenha tempo suficiente para testar os aplicativos e ver se eles são adequados para você.
Ver oferta
Surfshark VPNVPN mais barata
Dispositivos ilimitados
Melhor segurança
Melhor velocidade


A partir de apenas US $ 2,49 por mês, é uma opção premium fantástica que é incrivelmente simples de usar. O desbloqueio da Netflix dos EUA é sua especialidade no momento.
Ver oferta

A aparência dobrou como a pedra angular da carreira da Sra. Markle. Ela disse que tem desistiu de atuar para ser uma realeza em tempo integral, o que se tornará oficial com seu casamento com o príncipe Harry em 19 de maio.

À primeira vista, parece um escasso legado de atuação. Mas, como Rachel, ela foi uma força sutilmente influente em um drama jurídico polpudo que silenciosamente teve um dos elencos mais diversos da televisão. Estreando no papel de ingênua, a Sra. Markle ativamente reposicionou Rachel para fora do lugar do colírio para os olhos e, no final, sua personagem se tornou a consciência moral do programa.



Com a saída de Rachel e Mike, indo abrir uma empresa benfeitora em Seattle, Suits não só perde um favorito dos fãs (Srta. Markle) e um de seus protagonistas (Sr. Adams, que também está deixando o show), mas também corre o risco de sacrificar os temas diferenciados de classe, raça e estranhos corporativos que seus personagens passaram a representar.

Seguindo o antigo lema dos céus azuis dos EUA, Suits nunca se apresentou como um show político. Em vez disso, ele se construiu em torno de um enredo surreal: Mike é um advogado brilhante, desconexo e arrivista de uma das firmas mais elitistas de Nova York, que finge ter se formado como o primeiro da turma na Escola de Direito de Harvard. Apesar dessa premissa implausível, o apelo duradouro do programa para mim foi algo igualmente inacreditável: Suits raramente chamava atenção para os papéis de destaque que suas atrizes afro-americanas desempenhavam no programa.

Imagem

Crédito...Ian Watson / USA Network

Estreando em 2011 - um ano antes do Escândalo - Jessica Pearson (Gina Torres), vestida com ternos requintados e texturizados, apareceu como sócia-gerente da Pearson Hardman e o mentor afro-americano de Harvey Specter (Gabriel Macht). Com o tempo, ela acabaria levando Rachel, a trabalhadora paralegal da empresa, a se tornar uma advogada, tornando-as parte de um pequeno grupo de mulheres negras que operavam nos altos escalões do direito corporativo na TV. E enquanto The Good Wife (outro drama jurídico que assisti até o final), acabaria por abordar a ausência de afro-americanos em seu escritório de advocacia fictício de Chicago e seu elenco real nas duas últimas temporadas, Suits começou com Torres e Markle como duas de suas três protagonistas femininas. (Os EUA estão desenvolvendo um ternos spinoff para a Sra. Torres.)

A biografia de Rachel era menos parte integrante da narrativa principal do que a de Mike, mas como a filha birracial de Robert Zane (Wendell Pierce), ela tinha uma das histórias de fundo mais convincentes do programa. Seu pai é um dos poucos advogados afro-americanos a ser sócio nomeado em um escritório de advocacia de Nova York. Mas é por meio de seu relacionamento com Rachel que testemunhamos algo ainda mais raro na televisão: um pai negro alimentando as ambições profissionais de sua filha e seu desejo de quebrar tetos de vidro raciais e de gênero.

Talvez nenhum episódio exemplifique mais a intensidade de seu vínculo do que Donna, desta temporada, que apresenta Robert e Rachel trabalhando em um processo de assédio sexual no presente. Robert é atormentado por dúvidas e culpa porque se recusou a ajudar sua irmã a processar o mesmo executivo de banco branco, 25 anos antes. Cabe a Rachel persuadi-lo a seguir em frente com este caso em homenagem a sua tia, que morreu alienada de seu irmão, e proteger as futuras mulheres de sofrer abusos semelhantes.

Falando em uma conferência sobre as disparidades salariais de gênero em 2014, a Sra. Markle compartilhou sua própria história de ter que lutar pelas mulheres no local de trabalho, neste caso, sua própria personagem, Rachel. De acordo com 'ET' , Markle disse ao público, Nesta temporada, todos os roteiros pareciam começar com ‘Rachel entra vestindo uma toalha’, e eu disse: ‘Não, não estou mais fazendo isso. Não fazer isso. 'E eu liguei para o criador, eu disse,' É simplesmente gratuito. Nós entendemos, já vimos uma vez. '

Da mesma forma, embora a maior parte da atenção em relação ao casamento tenha girado em torno do que ela veste e se parece - especificamente o que significa para uma mulher birracial se casar com membros da família real britânica - é a tendência de Markle para o ativismo que provavelmente terá mais impacto duradouro. Em fevereiro, quando ela foi questionada em um evento de caridade da Royal Foundation se ela continuaria como uma ativista pelas mulheres em sua nova vida, ela respondeu , Agora, com tantas campanhas como #MeToo e Time’s Up, não há melhor momento para continuar a iluminar as mulheres que se sentem fortalecidas e as pessoas que as apoiam.

É outra característica que ela compartilha com sua personagem. Enquanto os recém-casados ​​Rachel e Mike deixam Nova York para uma empresa focada em ações coletivas contra empresas da Fortune 500, isso traz um fim adequado ao empurrão e puxão que seus personagens experimentaram trabalhando na Eastside Legal Clinic (Mike) ou no Innocence Projeto (Rachel).

E embora seja divertido vê-los em algum episódio de dublê futuro, enfrentando sua antiga empresa (agora chamada Zane, Spectre e Pitt), provavelmente teremos que nos contentar com a defesa da Sra. Markle ocorrendo no cenário global. .

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt