Resenha: Ele é tudo o que é tão ridículo quanto desnecessário

Remakes se tornaram uma ocorrência constante no mundo obcecado por conteúdo de hoje. Uma vez que não há muita originalidade a ser encontrada em qualquer lugar dentro do horizonte mainstream, os cineastas responderam para remodelar, atualizar ou simplesmente reformular velhas ideias. Enquanto a ideia que se torna a base de He’s All That de Mark Waters vem de uma linhagem de material original sendo adaptado e atualizado, seu remake moderno e uma troca genérica de gênero na comédia romântica favorita dos adolescentes de 1999 Ela é tudo isso é tão desagradável quanto as inúmeras atualizações nos referidos aplicativos de mídia social. É desnecessário e não tem nenhum propósito.

Quando falo sobre uma linhagem de remakes, vamos rastrear esse desastre de volta à sua origem. A comédia romântica adolescente de 1999 foi, na verdade, inspirada no filme de George Cukor de 1964, My Fair Lady, que também foi adaptado da peça de George Bernard Shaw chamada 'Pygmalion'. Com essas versões consequentes da mesma história básica, o fio condutor sempre foi com a obsessão humana de transformar outro ser humano em algo que associam a ser uma versão melhor de si mesmos.

Enquanto o filme de Robert Iscove 1999 era obcecado pela popularidade da escola, a atualização de Waters para 2021 é obcecada por seguidores. Isso só é preciso porque o mundo contemporâneo também está obcecado por isso. Tanto é verdade que a Geração Z foi condicionada a acreditar que, se eles não tivessem uma presença nas redes sociais, então você simplesmente não existia.



Chegando ao filme em si, He’s All That estrelado por Addison Rae como Padgett Sawyer. Uma garota jovem e dedicada que está ganhando seu caminho até o ensino médio e sonha em receber a mensalidade da faculdade sendo uma influenciadora de mídia social que ajuda as pessoas a ‘reformular’ suas vidas. A montagem de abertura mostra ela acordando, colocando um pouquinho de maquiagem, antes de despertar para seus seguidores. Sua mãe, sendo mãe solteira, está fazendo o possível para manter as coisas funcionando. Mas além de suas portas fechadas, ela está vivendo uma mentira.

Seus amigos ricos e privilegiados não sabem que ela não mora em uma casa chique e está realmente lutando para manter as coisas funcionando. De qualquer forma, esse não é o ponto em que o filme continua por mais do que alguns segundos. O foco principal nos leva à faculdade de Padgett e depois ao namorado dela - um cara muito popular que está gravando um videoclipe em algum lugar da cidade. Enquanto Padgett o surpreende no set transmitindo ao vivo, ela acaba ficando humilhada e com o coração partido ao saber que ele a está traindo. Agora, o filme novamente não se deleita com esses momentos e rapidamente passa para Padgett se tornando o alvo de todas as piadas e memes que são feitos de seus momentos vulneráveis.

Paralelamente, também somos apresentados a Cameron Kweller (Tanner Buchanan), um jovem cínico e anti-social com uma personalidade preguiçosa. Em um completo oposto à personalidade de Padgett, o cara tem cabelo comprido, usa um gorro, mantém um telefone da velha escola, gosta de cavalos e fotografia e está minimamente interessado em ir para a faculdade ou conhecer pessoas obcecadas por telas .

É aqui que o filme se encarrega de deixar o amigo de Padgett, Alden (Madison Pettis), desafiá-la a transformar esse cara peludo no rei do baile em menos de 6 semanas. Padgett, que acabou de perder seu patrocinador (uma nota Kourtney Kardashian) por ter se tornado viral pelo motivo errado, está desesperada para voltar ao seu estado de ‘reforma’.

O resto do filme se desenrola exatamente como você antecipou. Claro, Padgett e Cameron se sentem atraídos, apesar de não haver tecido conjuntivo entre eles. Claro, Pagett vai tentar o seu melhor para manter sua fachada falsa, até que ela simplesmente não consegue. E, claro, uma de suas amigas descobrirá alguma verdade sobre ela para que o filme mergulhe em seu conflito mais urgente.

O que nós, como espectadores, não sabemos é o quão insípido e pouco convincente o filme pode ser. Todos nós sabemos que a mídia social se tornou uma ferramenta muito importante para explorar os problemas da adolescência nos dias de hoje. Filmes como Eight Grade (2018) dão o próximo passo para explorar seu impacto e peso insondável nas mentes jovens, enquanto pequenas diversões como The DUFF (2015) também conseguem fazer o necessário, sinalizando como está moldando vidas. Ele é tudo o que não faz nada com sua premissa. Mais ainda, o arco central, escrito por R. Lee Fleming Jr. (um homem de meia-idade) está tão distante da realidade desses jovens, que sua ideia de 'desligar o telefone e olhar o mundo com os olhos' parece um passo em falso.

Os dois personagens principais compartilham a dor de terem perdido seus pais, mas os atores nunca conseguem fazer sua química parecer palpável. O ator principal Addison Rae não é um ator profissional, mas uma estrela de TikTok. Ela nunca mergulha na vulnerabilidade e pathos de Padgett, o que faz o personagem se sentir como um pedaço de papelão deixado para o espectador desenhar. Tanner Buchanan se sai um pouco melhor, mas o impacto diminui devido à falta de tempo na tela. O único ator que brilha aqui é Isabella Crovetti, que interpreta a irmã mais nova de Cameron, Brin.

Uma das maiores falhas do filme tem que ser a montagem de Travis Sittard. Ele é tão obcecado por cortes rápidos que você simplesmente fica com um personagem por segundos. Isso não apenas dilui o impacto que uma sequência pode causar, mas também confunde completamente a ideia de envolvimento do espectador. A versão refeita da dança no final é simplesmente horrível e tira muito da versão original de Usher.

A única qualidade resgatável que o filme tem é como ele atualiza a aparência gritante e problemática do original. O filme de 1999 objetivou as mulheres e até normalizou o assédio interpretando-o para rir. Ele é tudo o que se livra dessas questões, mesmo que explique ao personagem principal que ela deve apenas remover a maquiagem e deixar sua verdadeira beleza se tornar visível. Mas eu deixaria isso passar. Fora isso, Ele é tudo o que é um romance afetado que depende muito de elementos que não estão em lugar nenhum.

Avaliação: 1/5

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt