‘Twin Peaks: Fire Walk With Me’, explicou

O seguinte artigo contém spoilers importantes do filme de 1992 “Twin Peaks: Fire Walk With Me” e da série de televisão “Twin Peaks” (1990-1991).

Quando David Lynch Seguindo a série de sucesso da ABC 'Twin Peaks', estreada no Festival de Cinema de Cannes, estava destinada ao fracasso. O show foi cancelado após uma decepcionante segunda temporada, que viu uma queda acentuada na qualidade. Lynch, que nunca teve a intenção de desvendar o mistério central de quem matou Laura Palmer, deixou o programa depois que a rede forçou os escritores a revelarem a identidade do assassino. O show então perdeu rapidamente o fôlego (e suas avaliações incomparáveis) e foi somente no final da temporada, dirigido por Lynch, que ele se assemelhou de alguma forma ao seu antigo, peculiar, misterioso e sugestivamente sombrio eu. Esse episódio, como é sabido, terminou com um suspense diferente de tudo que a televisão já vira.

Assim, quando foi anunciado que Lynch estaria dirigindo um longa-metragem em “Twin Peaks”, os fãs do programa de TV cancelado aguardavam uma conclusão que nunca aconteceria. Lynch decidiu que o filme seria uma prequela da série, contando a história dos últimos dias de Laura Palmer. Isso em si não parecia uma ideia cativante. Os fãs do show queriam continuar com a história de Cooper de volta de sua viagem ao chalé e o público que tinha ficado exausto com o show não queria ter nada a ver com esses personagens.



A abertura

Na edição de 1992 do prestigiado festival de cinema, o filme foi recebido com críticas severas e implacáveis. Vaia nas exibições de imprensa dificilmente é algo inédito, ou mesmo algo para medir a qualidade de um filme, mas Lynch, o compositor Angelo Badalamenti e o co-escritor Robert Engels foram vaiados na entrevista coletiva. As críticas que se seguiram foram tão duras quanto, se não mais. Vincent Canby do 'The New York Times' disse: 'Não é o pior filme já feito. Apenas parece ser. ” Lynch estava tão desanimado, ele comentou uma vez: 'A grande notícia foi que eu finalmente matei 'Twin Peaks' completamente com esta foto.'

Essa resposta inicial ao filme é compreensível e desconcertante para mim. Nós sabemos o final da história. Laura Palmer morre. Não há como escapar dessa coda trágica e horrível. Muitos críticos comentaram que Lynch deveria ter mantido Laura Palmer morta. Mas o que é confuso é a falha em ver o quão misteriosa sua personagem, ou mais importante, sua percepção era. Para Lynch, e para muitos de nós que entenderam sua visão sombria e de partir o coração por baixo da peculiaridade e do humor do subúrbio, 'Twin Peaks' era sobre Laura Palmer, a garota morta que viu tudo pelo que era, e ainda conseguiu tornar-se uma parte insubstituível da comunidade.

Relação com o Show

O filme tem uma relação estranha e inalienável com o programa. O filme, muito revelador, começa com uma tomada de um aparelho de televisão sendo cortado com uma marreta. Ele difere do programa de TV em quase todos os aspectos: tom, atmosfera, humor e propósito. Embora tudo no show esteja na ausência da presença problemática de Laura, é constantemente assombrado por ela. Sua vida sombria sombreia o charme excêntrico e excêntrico da cidade. Nós descobrimos os segredos de sua vida gradualmente e, embora sempre tenhamos consciência da desolação inerente a tudo isso, nunca somos confrontados com isso.

No filme, por outro lado, você fica cego com os infortúnios de Laura. Aquele assento vazio que é a fonte da agonia de Donna Hayward no episódio piloto, pertencia a uma pessoa real, que se sentou lá, com uma dor ainda maior; sua identidade se desfazendo diante de seus olhos. Uma pessoa real, que foi abusada sexualmente desde os 12 anos. No show, somos informados que é o ambiguamente sobrenatural BOB, que vive dentro do pai de Laura, Leland, que é o autor desse abuso. Havia uma distinção clara entre a inocência de Leland e a maldade de BOB. No filme, não temos respostas claras.

As motivações de Leland no filme são muito mais opacas. É difícil avaliar onde termina Leland e começa BOB. “BOB é real.”, Laura diz a Harold Smith. Para ela, o monstro existe. E quando é revelado a ela que reside em seu pai, a devastação é ilimitada. Isso a consome inteiramente, mergulhando-a mais profundamente na escuridão. Na série, conhecemos todos os fatos. No filme, somos levados a senti-los até que nos deixem cicatrizes. O desespero de Laura não é mais fonte de investigação. É uma fonte de tristeza pura e angustiante.

O enredo

A primeira meia hora do filme é tão fria e desconfortável quanto qualquer coisa que Lynch já fez. Quase não funciona, a menos que você veja isso como um esforço para se distanciar do programa de TV. Aqui, começamos com o assassinato de Teresa Banks em um lugar chamado Deer Meadow, que é uma reviravolta sombria e cômica na cidade de Twin Peaks. As pessoas neste lugar são uma coleção insensível de idiotas em comparação com o povo gentil e gentil de Twin Peaks. Seguimos os agentes do FBI Chet Desmond e Sam Stanley pela cidade enquanto eles investigam o assassinato e já nos sentimos como se estivéssemos em um território semelhante, mas totalmente desconhecido. A estética e a tonalidade sugerem que, embora estejamos no mesmo mundo, o vemos de uma perspectiva totalmente diferente. Até mesmo o restaurante nesta cidade é insuportavelmente desanimador. “Você quer ouvir nossos especiais? Nós não temos nenhum. ”, A garçonete do lugar comenta com uma ironia quase nojenta. É difícil não perder Norma Jennings e seu sorriso meloso.

O que se segue é uma sequência estranha e aparentemente deslocada na sede do FBI com Gordon Cole, Dale Cooper, Albert Rosenfield e um agente do FBI há muito ausente, Philip Jefferies (interpretado com peculiaridade indescritível e singular por David Bowie). Cooper aqui é completamente desprovido de seu talento espirituoso e reconfortante e, francamente, parece perdido. Talvez seja assim que Lynch deseja que o público se sinta. Em seguida, o filme muda de tom para um ano depois, e a placa de boas-vindas a Twin Peaks aparece enquanto o tema icônico de Badalamenti Peaks surge no fundo. Sentimos que voltamos para casa, mas aquela estranheza daquela meia hora inicial ainda está atormentando nossa mente, e deveria, porque isso não se parecerá em nada com um lar quando Lynch começar a desvendar suas ideias na nossa frente.

Para o resto do filme, centramo-nos em Laura Palmer. Sua vida triste, assustadora e extremamente conturbada formando o núcleo angustiado do filme. Cena após cena, vemos a brilhante e animada Sheryl Lee trazendo todos os horrores a uma vida inesquecível. Seu rosto registra emoções com uma intensidade enorme e de partir o coração. Sua Laura parece estar flertando com a possibilidade de felicidade, mas também parece saber, no fundo de seu coração, que o caminho que ela é obrigada a seguir como vítima de abusos implacáveis ​​e malignos só pode levar à sua própria ruína. “Sua Laura desapareceu.”, Ela diz ao despretensioso James, e você quase pode ver aquele sorriso encantador voando por trás de seus olhos desamparados; olhos que não conhecem mais esperança.

O fim

Quando ela é impiedosamente morta por seu próprio pai, Lynch nos puxa para a escuridão inabalável das árvores que só vimos através das janelas do quarto de Cooper no The Great Northern. Vemos um homem possuído por um mal intangível que parece consumir em sua grandeza, e uma garota inocente, vítima de abusos incessantes, encontrando seu fim inevitável. E na cena final, onde Laura vê o anjo acima dela enquanto é consolada por Dale, o filme completa nossa jornada para a cidade de Twin Peaks (embora um revival da série nos tenha levado de volta a ela). Lynch, imagino, oferece a Laura um sonho tão pungente quanto foi horripilante seu pesadelo. Ela sempre acreditou que BOB era real, e em seu sorriso satisfeito no final, percebemos que em algum lugar lá dentro, ela sempre acreditou que o anjo também era.

Palavra final

Insultado na época de seu lançamento inicial, “Fire Walk With Me” merece ser mais apreciado pelo que é: um filme, separado da série de televisão que define os horrores que espreitam sob a superfície pacífica do subúrbio americano. Impecável em seu design de som e pontuação (os destaques são a cena “Pink Room” com seu diálogo abafado e legendado e a cena final), bem como a ópera, trabalho do calibre de Oscar de Sheryl Lee, “Fire Walk With Me” é um realização espetacular no cânone da investigação de David Lynch sobre as pequenas cidades americanas, e é hora de ser reconhecido como tal.

Leia mais em Explainers: Mulholland Drive | Blade Runner

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt