Onde está o talibã americano John Walker Lindh agora?

Crédito da imagem: NBC News, YouTube

A vida e os tempos de John Walker Lindh foram retratados habilmente no documentário ‘Detido 001’. Lindh era um cidadão americano que se sentia cada vez mais atraído pelo Islã radical e pelo modo de vida do Taleban. Ele até foi para o Iêmen inicialmente para estudar e depois pegar em armas pela causa. Pego no meio da terrível batalha de Qala-i-Jangi, Lindh foi detido e condenado a ser julgado em solo americano. Vamos mergulhar fundo na vida do combatente capturado e descobrir onde ele está no momento, certo?

Quem é John Walker Lindh?

John Walker Lindh é principalmente um cidadão americano que nasceu e foi criado como católico em Silver Spring, Maryland, antes de se mudar para a Califórnia. A infância dele foi bastante difícil já que ele teve que viver a separação de seus pais e o eventual divórcio, o que foi bastante doloroso. Fontes relatam que o adolescente começou a gravitar em torno do Islã depois de assistir ao filme ‘Malcolm X’ e aprender sobre a vida do ativista. Ele também foi atraído pelas crenças simples do Islã, com as quais ele era capaz de se relacionar. Em 1997, Lindh, de 16 anos, se converteu ao Islã. Sua conversão nunca foi um problema para sua família, que até mesmo a viu como uma mudança positiva que poderia efetivamente trazer-lhe paz. Sua família também reconheceu que, desde a conversão de Lindh, ele começou a estudar textos muçulmanos com mais eficiência e até decidiu aprender árabe.



Em 1998, Lindh decidiu estudar o Alcorão em sua língua original e, assim, viajou para o Iêmen. Meses depois, ele voltou aos Estados Unidos, mas já havia decidido continuar seus estudos no Paquistão. Inicialmente, Lindh era apaixonado pela cultura islâmica e mantinha contato regular com sua família em casa. No entanto, as opiniões de Lindh sobre os EUA e sua política externa começaram a mudar gradualmente, e ele até acabou falando a favor de algumas atrocidades cometidas contra as tropas americanas.

Em abril de 2001, sua família perdeu contato com ele depois que Lindh revelou que ele faria uma pequena pausa nas montanhas. Na verdade, ele se juntou ao exército Afganisthan sob o comando do Talibã em sua luta contra a Aliança do Norte. Em novembro de 2001, alguns meses depois de ingressar no exército do Talibã, Lindh foi capturado em Kunduz. Prisioneiro de guerra, ele foi levado de volta a Qala-i-Jangi, onde a CIA o interrogou.

Fontes afirmam que, inicialmente, Lindh forneceu sua identidade como irlandês para evitar a detecção. Poucas horas após o primeiro interrogatório de Lindh, a prisão em que ele foi mantido se tornou o epicentro de um motim violento. Os combates subsequentes resultaram em várias mortes de ambos os lados, e Lindh supostamente se escondeu no porão até ser capturado novamente. Após sua prisão, ele foi questionado novamente e até transferido para o acampamento Rhino. Embora Lindh tenha sido preso e tratado como combatente inimigo e prisioneiro de guerra, sua cidadania americana permitiu que enfrentasse um julgamento em um tribunal civil dos Estados Unidos. Assim, em 2002, ele foi levado de avião para os Estados Unidos e detido na prisão na Virgínia.

Onde está John Walker Lindh agora?

Uma vez levado a julgamento, John Walker Lindh enfrentou inúmeras acusações, incluindo conspiração para assassinar cidadãos americanos, fornecer apoio a organizações terroristas, prestar serviços à Al Quaeda e ao Talibã, bem como porte de armas de fogo e explosivos durante um ato de violência. No total, Lindh enfrentou dez acusações e se declarou inocente de todas elas. No entanto, antes que o caso pudesse prosseguir, Lindh aceitou um acordo de confissão e se confessou culpado de fornecer serviços ao Talibã e carregar um explosivo enquanto cometia um crime. Cada um de seus crimes acarretou uma sentença de dez anos e, portanto, Lindh recebeu um total de 20 anos de prisão federal em 2002.

Crédito da imagem: NBC News

Relatórios afirmam que mesmo depois de ser preso, Lindh continuou apoiando a ideia do Jihad Global. Em 2019, embora sua libertação tenha sido fortemente protestada, Lindh andou livre em 23 de maio. No entanto, ele deve permanecer sob estreita supervisão até o final de sua sentença e não está autorizado a viajar. Além disso, o governo também restringiu seu uso da internet e Lindh deve se submeter a aconselhamento regular. Desde sua libertação, Lindh manteve um perfil privado e permaneceu sob o radar. Além disso, com seu acesso à internet restrito e a falta de relatórios sobre sua situação atual, seu paradeiro atual permanece incerto.

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt