Fim de ‘The Graduate’, explicado

'Sra. Robinson, você está tentando me seduzir? ” Esta linha icônica ocupa um lugar reverenciado na história do cinema americano. Não apenas o diálogo é de grande importância no filme, mas também mostrou o caminho para cineastas e público moldarem sua aceitação de casos extraconjugais nas representações cinematográficas. ‘The Graduate’, lançado no ano de 1967, marcou apenas o segundo longa-metragem do diretor Mark Nichols. Ele trampolimou a carreira incipiente de seu protagonista problemático para o reconhecimento global e fez dele uma estrela. ‘The Graduate’ registrou cinco indicações no Oscar, ganhando uma de Melhor Diretor por Nichols. A comédia do amadurecimento é citada como uma das primeiras instâncias da comédia satírica no cinema. A brevidade da escrita é acompanhada por um estilo surpreendentemente original de expressão visual criado por Nichols.

As melhores VPNs para Netflix
CyberGhost VPNMelhor VPN Netflix
Política de não registro
Proteção Wi-Fi
Garantia de devolução de dinheiro

Temos uma garantia de reembolso de 45 dias, para que você tenha tempo suficiente para testar os aplicativos e ver se eles são adequados para você.
Ver oferta
Surfshark VPNVPN mais barata
Dispositivos ilimitados
Melhor segurança
Melhor velocidade


A partir de apenas US $ 2,49 por mês, é uma opção premium fantástica que é incrivelmente simples de usar. O desbloqueio da Netflix dos EUA é sua especialidade no momento.
Ver oferta

Não é sempre que você se depara com imagens em movimento tão expressivas que a escrita e as performances desse porte assumem uma importância auxiliar. A câmera extremamente estável e observadora de Nichols não apenas captura o encontro externo dos personagens com o mundo, mas gloriosamente investiga a turbulência interna que eles passam consigo mesmos. Ele não apenas examina pacientemente as ações do sujeito, mas também imprime sua reação junto com a de seus vizinhos. Quase em uma configuração de câmera no estilo de novela, Nichols narra este Bildungsroman conto adornado por paixão hormonal e grandes traições com uma honestidade contagiante e contenção notável que cativa e ama. A estrutura em camadas da narrativa oferece caminhos suficientes para um amplo espectro de espectadores com gostos ecléticos e propensos a explorar. Vamos dissecar essa obra-prima atemporal e examinar os significados diferenciados das ideias complexas apresentadas no filme.

Sinopse



‘The Graduate’ gira em torno da vida pós-universitária de Benjamin Braddock, um solteirão capaz e confuso perdido na vastidão da vida. Em sua festa de boas-vindas, Benjamin é sufocado pelo amar choveu sobre ele por seus pais e seus amigos. Em meio à celebração não solicitada da vida de Benjamin, ele é acenado pela Sra. Robinson, a esposa do companheiro de seu pai, para levá-la para casa. Inicialmente relutante, a ponto de entregar as chaves de seu novo caro carro, Benjamin finalmente concorda. Na chegada, a Sra. Robinson o convida para entrar em sua casa, fingindo medo de chegando em uma casa escura. Após trocas obrigatórias, Benjamin é forçado a compartilhar uma bebida com Sra. Robinson, que o impede de sair, entregando-se a trocas de flerte. Os dois então mudam a conversa para o quarto da filha da Sra. Robinson, Elaine, onde Benjamin recebe uma proposta de uma Sra. Robinson nua para ter um caso com ela.

Evitando por pouco as suspeitas de Robinson, que chega logo depois, Benjamin foge para seu refúgio, onde contempla a oferta. Após muita deliberação, Benjamin finalmente se rende à sua curiosidade pós-adolescente e mapeia um local para a Sra. Robinson se encontrar. O Taft Hotel se torna sua tempestade de mentiras enganosas e segredos sujos, onde eles frequentam seus encontro. O período marca uma mudança perceptível no comportamento de Benjamin, indicando sua crescente maturidade e autoconfiança.

Certa noite, de tédio, Benjamin investiga a Sra. Robinson sobre o propósito de suas operações extraconjugais e começa a perguntar sobre a natureza de seu casamento. A perturbada Sra. Robinson admite a gravidez antes do casamento como a razão de seu uníssono comigo. Robinson, o que prova sinceramente nada assombroso e pouco inspirado para ela. É aqui que a Sra. Robinson faz Benjamin promessa a ela que ele nunca sairá com Elaine, quaisquer que sejam as circunstâncias. Benjamin obriga devidamente, sem antecipar o que vem pela frente.

A tão esperada chegada de Elaine se dá com uma situação difícil para Ben: ou diga não e crie mais problemas na forma de um jantar em família com os Robinsons e corra o risco de divulgar o segredo, ou ouse contrariar a Sra. Robinson. Ao que parece, Benjamin vai com o último e leva Elaine para um encontro. Mas, seguindo os avisos da Sra. Robinson, Ben se certifica de tornar a data o mais horrível possível para Elaine. Ele a leva para um restaurante de strip-tease e quando ela começa a chorar e sai correndo, ele a consola. É então que ele reconhece que realmente gosta de Elaine, e pede outro encontro quando a deixa em casa.

No dia seguinte, quando ele vem buscá-la, ele encontra a Sra. Robinson esperando por ele. Ela o confronta sobre a provação e começa a ameaçá-lo, mesmo às suas próprias custas. Ben não dá ouvidos aos avisos dela e tenta contar a Elaine antes que sua mãe o faça. Quando ela descobre, ela corta seus laços com Ben e volta para Berkely para a faculdade.

Benjamin, agora convencido de que ele e Elaine compartilhavam uma conexão pura, viaja para Berkely para confrontar Elaine sobre seus sentimentos e pedir sua mão em casamento. Inicialmente repreendida, Elaine aceita seus sentimentos por Benjamin e concorda. Mas, quando o Sr. Robinson descobre, ele convence Elaine a se casar com Carl Smith, um colega estudante. Quando Ben corre para a residência de Robison para confrontar Elaine, ele apenas encontra uma vingativa Sra. Robinson, calma e sarcástica, dizendo a Ben que ele perdeu a oportunidade. Em um clímax louco, Benjamin passa por quase duas cidades e dezenas de estranhos para localizar a igreja onde os dois vão se casar. O final bizarro vê Benjamin gritar por Elaine por trás de um enorme painel de vidro com vista para a cerimônia e impedi-la de se casar com Smith. Depois de reprovar as ondas iniciais de protestos dos curiosos, os dois fogem em um ônibus. A excitação crescente rapidamente se transforma em deliberações pensativas sobre o futuro incerto.

Sra. Robinson

A beleza de 'The Graduate' reside em sua dimensão dinâmica de personalidades de personagem. Com a mudança dos tempos e das culturas, nossa percepção dos outros muda enormemente. A Sra. Robinson é uma personagem cujo lugar na construção das pessoas do filme sofreu uma transformação considerável. Mesmo o grande Robert Ebert não pôde deixar de rever sua postura sobre o personagem vívido em suas duas avaliações do filme com trinta anos de diferença. Sra. Robinson é muitas coisas. A Sra. Robinson é um enigma; um momento calmo como o oceano da tarde, o outro um forte vendaval em uma noite de tempestade. Os tons indiscriminados com que a brilhante Anne Bancroft pinta a Sra. Robinson são gloriosos e dignos de imenso elogio. Isso torna a avaliação do personagem muito mais interessante e aberta a opiniões subjetivas.

Tal como está, a Sra. Robinson é o catalisador do filme e de longe o condimento mais importante para o prato rançoso que é Benjamin Braddock. Os primeiros seis minutos e quarenta e cinco segundos são aleatórios e vazios, muito parecidos com a vida de Ben. A suavidade de sua existência é habilmente revelada por Nichols através do uso de cores mudas e um monte de adereços inúteis que não têm significado para Ben. Então, de repente, a câmera claustrofóbica e em constante movimento para e contempla um assunto suntuoso, olhando atentamente com um cigarro queimado pela metade e olhos ansiosos. A introdução dela à vida de Ben não apenas o pisa em uma fase de transição em sua vida, mas também dá ao espectador algo para esperar na história. Ela permite a progressão da história e atua como a ponte de Ben da adolescência à idade adulta.

O retrato, porém, que Nichols pinta da Sra. Robinson é implacável; como um campo estéril que usa e descarta as chuvas sazonais. O esboço sombrio não é indiferente a um sádico obstinado, que se banha na miséria humana, nem é muito distanciado da realidade de parceiros infelizes no casamento. Afinal, a própria santidade da instituição é construída sobre os princípios de união e compaixão humana. A Sra. Robinson não compartilha uma visão empática de seu marido, não por causa de suas deficiências, mas por causa de suas circunstâncias.

O único momento real de interação humana que ela compartilha com Ben é aquele em que falam sobre Elaine pela primeira vez. O desconforto em seu rosto indica uma área cinzenta em seu passado misterioso que ela detesta revisitar. A simples menção de seu casamento mostra uma careta atípica em seu rosto imaculado que a reduz a uma mulher comum e ressentida. Sua incursão pela intimidade mostra que seu casamento tem duas interpretações diferentes em duas épocas diferentes. Em sua revisão de 1967, Roger Ebert falou com a maioria e declarou que Benjamin era uma vítima dos caprichos da Sra. Robinson e uma presa da autoridade draconiana de seus pais. Quase trinta anos depois, uma revisita ao filme mudou diametralmente a visão de Ebert. Trechos de sua crítica dizem: “Bem, aqui está * * para você, Sra. Robinson: Você sobreviveu à sua derrota nas mãos daquele canalha insuportável, Benjamin, e emergiu como o personagem mais simpático e inteligente em“ O Graduado. ” Como eu poderia ter pensado de outra forma? '

O som do silêncio

Há algo excepcionalmente pacífico e caótico nas sinfonias intrincadas de Simon e Garfunkel. As letras contemplativas carregam um significado profundo e compartilham uma relação fiel com o protagonista perdido do filme. ‘The Sound of Silence’, inicialmente um fracasso, que até levou à separação do casal, surge para a ocasião de forma magnífica para acompanhar a odisséia de Ben da adolescência à idade adulta.

O que se percebe no filme é o uso da música. Ele joga apenas três vezes; na cena inicial, a fase em que Ben tem um caso com Mrs.Robinson, e no final. Se você der uma olhada no contexto da música, ela foi escrita por Paul Simon em circunstâncias semelhantes às de Ben e mais ou menos da mesma idade. A letra foca no vazio que nos cerca e na deliberação sobre se há ou não uma escapada disso. Esse é o próprio vazio que define Ben de muitas maneiras. Seus pais e seus amigos o veem como uma lista ambulante de realizações e nada mais. Ele é abençoado com todos os luxos da vida, mas anseia por aquela parte esquiva que o completará. Dito isso, todas as três instâncias têm um fio condutor comum: a incerteza.

Na primeira ocasião, a incerteza de Ben pertence ao seu futuro imediato; um futuro que está tão perdido para ele que ele perde o controle de seu presente. A sequência de abertura o coloca contra um fundo branco, representando metaforicamente uma espécie de estado de limbo onde ele se encontra. Ele está preso entre dois mundos que são de longo alcance e não se importam muito com ele. A segunda vez que a música obscurece Ben é quando ele tem um caso com a Sra. Robinson. Isso marca uma mudança fundamental na personalidade de Ben. Sua preocupação constante com o futuro é interrompida temporariamente e sua obsessão com a coisa mais emocionante de sua vida assume o controle. Sua rotina, trazida à vida por uma incrível rotina de transição de cinco minutos feita por Nichols, torna as noites a única coisa que ele espera. Sua vida é consideravelmente mais calma do que na primeira fase, mas agora está presa pelos caprichos da companhia feminina.

A incerteza aqui é a duração de seu caso com a Sra. Robinson, provavelmente a única constante em sua vida que ele desfruta. A terceira e última parte é o final, quando ele e Elaine fogem juntos para um futuro incerto. Isso será amplamente discutido na explicação do final.

Há dois casos em que o cineasta Robert Surtees e Nichols usam o silêncio como supressão e denotam a autoridade parental autoritária sobre Ben e Elaine. Esses momentos de gênio derivam do significado da música e atraem os dois protagonistas um contra o outro. A semelhança entre os dois é revelada por essas duas instâncias, que as preenche com o desejo de agir. O som do silêncio os guia para uma decisão desinformada e um futuro incerto.

Rebelião

Um dos maiores temas subjacentes de ‘The Graduate’ é a rebelião. Somos apresentados com o mesmo na forma de Benjamin e Elaine. Ambos estão sujeitos ao controle estrito dos pais e dificilmente levantam um dedo por sua própria vontade. Eles são bem-sucedidos em suas respectivas faculdades, embora as realizações de Ben sejam destacadas explicitamente no filme e as de Elaine não. Mesmo na primeira vez que eles saem, o pais, tanto a Sra. Robinson quanto os Bradocks desempenham papéis importantes. Essa ponte aguda entre seu livre-arbítrio e consentimento e as ações que realizam dá origem a uma necessidade rebelde de agir.

Nichols estabelece o estado de espírito de Ben lindamente por meio de seu trabalho de câmera matizado. A sequência de abertura na casa é filmada claustrofobicamente, sem nenhuma intenção real de fazer sentido. A celebração de Ben torna-se um elogio asfixiante que o liga ao mundo mortal e presunçoso de seus pais egoístas e autoritários.

Além das duas escolhas óbvias para canalizar essas tendências rebeldes e de espírito livre, o diretor Mike Nichols também coloca em perspectiva as consequências dos impulsos na forma da Sra. Robinson. A Sra. Robinson que conhecemos é revelada como um semblante endurecido da outrora exuberante e vivaz beldade do passado. Através de sua conversa com Ben naquela noite no hotel, o espectador é informado de seu passado rebelde e das consequências que ela terá que enfrentar nos dias de hoje. A gravidez pós-adolescente não é uma ocorrência rara, mas costuma colocar a sua vítimas em posições terríveis.

Ao obstruir o uníssono de Elaine e Ben, a Sra. Robinson tenta se certificar de que seus erros do passado sejam corrigidos e que sua filha não sofra o mesmo destino que ela. Mesmo que ela não se arrependa de ter Elaine, seu relacionamento com o Sr. Robinson é algo que ela odeia e repugna. Em retrospecto, isso torna a Sra. Robinson uma protagonista atenciosa, uma campeã da libertação e auto-expressão. Esta mudança completa de papéis marca 'The Graduate' como um filme visível de muitas perspectivas. A rebelião, portanto, não se limita estritamente a Elaine e Ben, mas também se estende ao passado da Sra. Robinson e sua situação atual.

O fim

‘The Graduate’ termina com uma nota altamente vaga. Depois que Ben consegue encontrar a igreja onde Elaine e Carl vão se casar, ele grita por Elaine e interrompe o casamento. Os dois então embarcam em um ônibus para fugir. Inicialmente, eles se regozijam com sua vitória sobre a autoridade dos pais, mas, eventualmente, os dois voltam na realidade e refletem sobre suas ações. O final de ‘The Graduate’ é altamente inspirado na obra-prima de Harold Lloyd de 1924, ‘Girl Shy’. Lloyd também atuou como consultor no final do filme. Entender a mudança repentina de emoções no rosto de Ben e Elaine exigirá uma observação completa dos momentos intrincados que os personagens compartilham no filme.

O fio condutor que conecta Elaine e Ben está sujeito ao estrito controle dos pais. Cada decisão que tomam na vida é fortemente influenciada, e às vezes tomada por eles, por seus pais. Estando no estágio em que se encontram, esse controle autoritário pode parecer uma prisão intransponível. Isso geralmente leva os jovens a agirem e deteriorar seus relacionamentos com seus pais.

O constante asfixia os torna prisioneiros dos caprichos e fantasias de seus pais. Ben é o primeiro personagem subvertido que encontramos. As cenas iniciais estendem a autoridade sobre ele aos amigos de seus pais também, evidente em seu encontro com a Sra. Robinson, que o segura com força para bebidas, e até mesmo o Sr. Robinosn, que serve uma bebida diferente da que Ben deseja. Sua janela de oportunidade para se absolver desse controle aparece na forma da Sra. Robinson e sua oferta.

O caso envolve Ben em um dilema moral: cruzar com a de seus pais Confiar em, ou se libertar tendo o caso. Sua consciência é tão habitual no controle que, mesmo quando está sozinho no quarto com ela, quase sai andando, salvo o ataque egoísta à sua masculinidade pela manipuladora Sra. Robinsonn. Isso estabelece uma fase em que ele vê menos seus pais e passa cada vez mais tempo com ele. Ele não tem mais medo e não pede desculpas ao lidar com seus pais. Tudo o que ele sabe agora é ir contra tudo o que lhe foi dito para fazer. Namorar Elaine é algo que se enquadra nesta categoria. Gradualmente, a resistência se transforma em obsessão.

Elaine navega em um barco semelhante, embora a extensão e a magnitude, do que sabemos, da autoridade sobre ela, sejam menores. O final abre um precedente para Elaine. Quando ela vê Ben, de pé corajosamente atrás da vidraça gritando por ela, ela passa por um momento epifânico.

Nas próximas cenas, vemos seus pais e Carl falando instruções para ela. Ela vê uma oportunidade de romper a superestrutura de controle que a subverteu e a abraça de bom grado. Em sua tentativa de se libertar e voar para o futuro como adultos independentes, Elaine e Ben percebem que o fizeram com a única intenção de lutar contra uma consequência. Eles se amam? O que eles farão a seguir? Estas são duas questões que atingem instantaneamente as duas. A mudança repentina na emoção é uma compreensão das consequências que enfrentarão no futuro. Voltar agora provaria ser uma calamidade para seu orgulho, algo que eles não podem fazer.

Palavra final

Uma obra-prima contundente sobre o problema de terminar a escola e, finalmente, ter que se tornar um adulto, queira você ou não. Benjamin é um dos personagens mais identificáveis ​​na tela de todos os tempos - impulsivo, ansioso, apenas tentando agradar a todos e, ao fazer isso, nunca agradando a si mesmo - e a cinematografia está tão à frente de seu tempo e bem feita, ostentando imagens tão inteligentes e sutis que acho que nunca vi imagens baseadas em personagens tão bem feitas no cinema em geral. A pontuação excepcional de Simon e Garfunkel contribui imensamente para o tom do filme, que abre um precedente a ser igualado pela indústria. Uma obra-prima subestimada que merece atenção pela mera presença de Dustin Hoffman.

Leia mais em Explainers: Manchester by the Sea | Luar | Dexter

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt