Fim do medo primordial, explicado

Mesmo se todas as evidências direcionarem um caso em um caminho particular, a inferência pode ser falaciosa? Dirigido por Gregory Hoblit e baseado no romance homônimo de William Diehl, ‘Primal Fear’ é um filme de suspense cerebral e misterioso de 1996 que mantém o público no gancho por meio da ambigüidade absoluta. Houve um assassinato na catedral, um coroinha está fugindo e todas as evidências sugerem que o coroinha cometeu o crime.

As melhores VPNs para Netflix
CyberGhost VPNMelhor VPN Netflix
Política de não registro
Proteção Wi-Fi
Garantia de devolução de dinheiro

Temos uma garantia de reembolso de 45 dias, para que você tenha tempo suficiente para testar os aplicativos e ver se eles são adequados para você.
Ver oferta
Surfshark VPNVPN mais barata
Dispositivos ilimitados
Melhor segurança
Melhor velocidade


A partir de apenas US $ 2,49 por mês, é uma opção premium fantástica que é incrivelmente simples de usar. O desbloqueio da Netflix dos EUA é sua especialidade no momento.
Ver oferta

No entanto, o advogado Martin Vail assume o caso para revelar a verdade por trás do assassinato. A investigação mergulha Martin no vórtice de um mistério repleto de vantagens e perigos. Com um elenco que inclui Richard Gere, Frances McDormand, Laura Linney, Edward Norton e Andre Braugher (da fama de 'Brooklyn Nine-Nine') em papéis centrais e uma história desesperadora para apoiar os atores, a receita é a de deleite sinistro. Se você tiver algumas perguntas após o final da reviravolta, digamos que o tribunal está de volta à sessão. SPOILERS ADIANTE.

Sinopse do enredo do medo primordial

Martin Vail é um advogado de defesa peso-pesado que anda ombro a ombro com supostos criminosos como Joey Pinero. O mistério fica turvo com o assassinato brutal do arcebispo Rushman em sua casa. Pouco depois de descobrir o cadáver, a polícia encontra um suspeito encharcado de sangue em fuga. Mais tarde, o menino, Aaron Stampler, é descoberto enquanto se escondia debaixo dos trilhos. Ficamos sabendo que esse cara é um coroinha do orfanato Savior House de Rushman. O caso está praticamente encerrado, com um suspeito com a mão ensanguentada, uma arma do crime conectada ao suspeito e impressões digitais correspondentes na cena do crime. Martin decide levar o caso pro bono porque ele realmente quer dar uma chance à inocência de Aaron.



Aaron mantém sua inocência, mas uma persona dissociativa ameaçadora aparece em certos gatilhos. No entanto, o apelo inicial de Martin não é por insanidade, porque é o mais difícil provar que uma pessoa é clinicamente insana. Essa conjectura complicada dá início ao drama jurídico a todo vapor, e a história subsequente coloca Aaron sob um exame mais minucioso para ver se ele é culpado ou não. Investigações posteriores trazem a Martin algumas revelações devastadoras por trás do rosto venerado do arcebispo, mas suas descobertas apenas tornam o caso de Aaron mais concreto. No final, Martin pensa que fez justiça a uma alma atormentada, mas ele terá um verdadeiro choque.

Fim do medo primordial: quem é o assassino?

O improvável mistério policial coloca todos os fragmentos de evidências sobre a mesa e, em seguida, apresenta seu caso convincente em nome da suspensão das crenças nessas evidências. No momento em que Martin pega o caso, ele é bastante sólido. A vítima, ou seja, o arcebispo Rushman, foi esfaqueada 78 vezes em várias partes do corpo, e a polícia encontrou o número B32.156 esculpido no peito do falecido. Martin pensa que B é um 8, levando-os a Thomas Jefferson, o que não parece relevante para o caso.

No entanto, mais tarde na história, é revelado que os números levaram a polícia a outro livro na biblioteca de Rushman - ‘The Scarlett Letter’ de Nathaniel Hawthorne. Voltando à página no. 156, os investigadores encontram uma mensagem: Nenhum homem, por um período considerável, pode usar um rosto para si mesmo e outro para a multidão, sem finalmente ficar perplexo, quanto a qual pode ser a verdade. O curso da investigação de Martin o leva à revelação de que o arcebispo era um homem com muitas faces. Ele manteve uma posição honrosa na sociedade, mas estava envolvido em negócios duvidosos.

A fundação do arcebispo financiou muitos projetos na cidade, incluindo um acordo de habitação em South River. Também é revelado que o empregador anterior de Martin, o procurador do estado John Shaughnessy, também era um membro da fundação e um conhecido pessoal bastante amigável do próprio arcebispo. Para o projeto específico, a fundação juntou 60 milhões de dólares. Mas, como Rushman desistiu do negócio no último momento, isso deu a seus investidores poderosos motivos amplos para matá-lo. Mais tarde ainda, Rushman é encontrado dirigindo uma operação secreta de pornografia para menores, e ele costumava usar coroinhas como tema em seus filmes.

No entanto, como a maioria das pessoas na história, Aaron Stampler também usa vários rostos. À primeira vista, ele parece um garoto vulnerável e gago, traumatizado, mas com a persistência constante de Martin, o personagem alternativo Roy vem à tona. A neuropsicóloga Dra. Molly Arrington acredita que Aaron sofre de uma condição dissociativa aguda, especialmente transtorno de personalidade múltipla. Aaron afirma ter esses apagões quando perde tempo e memória. Mas a parte réu não tem evidências registradas para substanciar a teoria do transtorno de personalidade múltipla.

Portanto, na exposição final, Martin indiretamente incita Aaron a trazer à tona a persona alternativa de Roy. Quando a promotora estadual Janet Venable começa a incitá-lo, sugerindo os crimes hediondos do arcebispo Rushman, a outra persona sai e joga o processo no tribunal em completa desordem. Roy segura Janet pelo pescoço e Martin corre para dissuadi-lo.

No final, o juiz Shoat dá a Aaron um mês em uma instituição correcional por causa de seus distúrbios psicológicos. Martin vence o caso, apesar de seu argumento inicial não estar na linha da insanidade. Mas ainda parece que a persona alternativa de Aaron, Roy, é o agressor na equação, e ele é corretamente processado. No final, isso se torna aparente quando Roy confessa ter matado não apenas o arcebispo, mas também Linda. Parece que a fé de Martin perdeu contra a astúcia fria e manipulação de Roy.

Por que Roy matou o arcebispo?

Em sua máscara dócil, Aaron pensa que Roy é uma boa pessoa, até mesmo uma figura paterna. Ele até justifica o cartel da pornografia do arcebispo dizendo que isso ajudou o bispo a purificar seu demônio interior. Mas no final, o assassinato surge como um ato de vingança e um ato de paixão. Aaron confessa estar apaixonado por Linda, mas como sua persona alternativa sugere, Linda costumava dormir com coroinhas nos filmes caseiros do arcebispo. Linda até fez o arcebispo pensar que ela era sua namorada, segundo Roy.

Portanto, é evidente que os sentimentos de Aaron por Linda o levaram a matá-la e ao arcebispo. No confronto final com Martin, Roy conclui que Aaron não existia, e a gagueira personagem de escoteiro inicial era uma atuação. Nesta cena, Roy surge como um assassino em série psicopata que está em sintonia com seu lado diabólico. Ele afirma que perde tempo durante esses episódios dissociativos erráticos, mas descobrimos que Roy se lembra de todos os seus crimes.

Por que o medo primordial é chamado assim?

‘Primal Fear’ é um nome apropriado para o filme em muitos níveis. Além disso, o medo da história é multifacetado. Em um nível superficial, a fé de Martin no personagem de Aaron cai em pedaços com a revelação do comportamento manipulador de Aaron no final. O que pode ser mais assustador do que descobrir um dia que os alicerces que o movem são uma mentira? No final, a prolífica carreira de Martin como advogado de defesa é anulada quando descobrimos que Aaron o joga como um violino.

Mas o medo primordial na história, do lado de Aaron, é o medo do patricídio. De acordo com a psicanálise, a morte não é o medo final de um sujeito; em vez disso, o medo de matar o pai faz com que o superego imponha seu mecanismo regulador sobre o ego. Por sua vez, o sujeito reprime seus desejos por medo das implicações devastadoras que a busca por tais desejos pode trazer. Aaron tem um relacionamento problemático com seu pai, e Rushman era claramente uma figura paterna para Aaron. Ao atacar o arcebispo, Aaron faz com que o medo primordial do patricídio se manifeste.

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt