Ratatouille é o Melhor Filme da Pixar. Aqui está o porquê.

Esta semana tive um tempo livre, então fui para minha coleção de DVD. Percebi que meus dedos se demoraram na seção de animação. Filmes animados sempre foram uma forma infalível de desestressar e se divertir. Eu vi e amei todos os tipos de animações; animação completa tradicional (O Rei Leão, Aladdin), a ligeiramente desorientadora Rotoscopia (Waking Life), animação de fantoches misteriosa (Coraline), claymation quase infantil (Anomalisa), animação Cel-shaded (Akira), Captura de Movimento realista (The Adventures of Tintin ) e anime dolorosamente belo (Túmulo dos Vaga-lumes). Mas no domínio completo da animação gerada por computador nos últimos 20 anos, um fã do estilo artístico do trabalho de Miyazaki não se impressiona porque, apesar da animação quase real, eles mal causam uma impressão real.

A Pixar tem sido um estúdio excepcional trazendo filmes incríveis que por acaso são animados. E isso os diferencia dos demais. Até certo ponto, a DreamWorks também funcionou bem e a Disney continua forte no campo em que fez, mas a Pixar é simplesmente impecável. Então, a Pixar é ótima, mas que é o melhor filme da Pixar de todos eles. Todo mundo tem seus próprios favoritos e eles sempre mudam conforme você assiste a alguns filmes e cresce. Uma coisa semelhante aconteceu comigo recentemente.



Peguei, do Ratatouille do meu DVD. Eu não o via há um tempo, então coloquei no meu laptop e sentei para assistir. Por muito tempo, na verdade, desde seu lançamento, ‘Wall E’ tem sido meu filme de animação favorito não apenas da Pixar, mas em geral. E depois de assistir ‘Ratatouille’, isso mudou. Assisti ao filme novamente para ter certeza de que não era algo que senti no calor do momento. E mesmo 4 dias a partir de então, eu mantenho isso.

‘Ratatouille’ é a história de um rato que tem um talento oculto que pode não mudar o mundo inteiro, mas pode abalar o mundo de alguém profundamente. Para colocar em termos simples, o rato cozinha. Isso é muito legal e super fofo para uma criança de 10 anos de idade ver, mas como um adulto, o simbolismo no nariz do filme é sublinhado por seus detalhes mais sutis. A melhor forma de analisar o filme é separar os personagens.

Vamos começar com o foco do filme. Não .. não é o rato Remy ou Linguini, mas Anton Ego. Apesar de seu tempo limitado na tela, Anton Ego é o que move o filme. Ele é a encarnação da Morte e, francamente, assustador para o inferno para os 10 anos de idade que eu tinha quando o filme foi lançado. O homem passa seu tempo em sua sala em forma de caixão em frente a uma máquina de escrever em forma de caveira escrevendo resenhas que matam restaurantes.

Até mesmo seu título é The Grim Eater ! A comida é o seu mundo inteiro. E ele só tolera o melhor. Ele passa toda a sua vida como o monstro de Frankenstein, mas uma coisa muda tudo. O prato homônimo o traz de volta à vida. A vida que ele tanto gostava com sua mãe. E aquele flashback de 25 segundos em sua primeira degustação de Ratatouille, na minha opinião, é tão comovente quanto a famosa montagem de Up.

Essa única mordida o traz de volta à vida. O flashback nos mostra como somos inocentes e cheios de vida quando somos crianças, mas com a idade, tornamo-nos sombrios, oprimidos por expectativas, responsabilidades, perdas e falhas. E a nostalgia sozinha, sustentada por uma paixão ardente, pode trazer o coração de volta ao peito de adultos sem coração. Anton é até mostrado dizendo isto (embora em um sonho):

Linguini: Você sabe o que deseja esta noite, senhor?

Anton Ego: Sim, gostaria que seu coração fosse torrado no espeto.

E então, na realidade, ele ordena “& Hellip; Uma pequena perspectiva. É isso aí. Eu gostaria de uma perspectiva nova, clara e bem experiente & hellip; ” Ele recebe o que pediu e essa ordem muda sua perspectiva de ver a vida e a comida. Ele obtém uma nova perspectiva de olhar para a comida como algo que muda vidas, e não como algo para matar sonhos. Ele perde o ego de ser o cara que destrói restaurantes e, portanto, muda e fica animado novamente.

O pessimismo de Anton é recebido com o otimismo interminável do 'pequeno chef'.

Remy está implacavelmente otimista de que ele, um rato, pode se tornar um chef. Ele simboliza muitas coisas. Ele é o Davi do gigantesco Golias que é Anton. Ele é o pária, preferindo comida cozida, em uma família que se contenta em comer lixo no jantar. Ele é irônico. Ele é um paradoxo. Mas ele é verdadeiro consigo mesmo. Remy sabe que ele é diferente do resto de sua família. Ele não é natural, mas abre um caminho para o desconhecido. Ele é atraído por sua paixão. Ele é literalmente varrido pelo cheiro da comida. Ele não foge do perigo enquanto está cozinhando. Mesmo quando não está feliz com o ambiente, ele persiste até encontrar a oportunidade de explorar seu amor. O romance no filme é entre Remy e comida. Ele sabe que seu exterior não pode limitar seus sentimentos interiores, apesar de ser atingido por dúvidas de vez em quando.

Ele permanece com os pés no chão e confortável em sua pele, mesmo que ela tenha pelos. O símbolo mais importante talvez seja o fato de que um rato (Peste Negra) dá uma nova vida à personificação da Morte, ou seja, Anton Ego.

A família de ratos de Remy também ocupa um grande lugar em seu coração.

Eles são glutões, gananciosos e ortodoxos. Eles estabelecem limitações e controlam Remy porque ele não sabe o suficiente. Seu pai até lhe mostra ratoeiras para assustar Remy de seguir seu sonho que envolve viver com um humano. Seu irmão, enquanto ama e cuida, não consegue entender o que vê na comida. O pai controlador de Remy e sua família ilustram como o cuidado às vezes nos impede e como a sociedade vê alguém que é diferente da norma. Mas assim que vêem um pioneiro abrir caminho e realizar algo, eles o carregam nos ombros. A família também o ajuda quando ninguém mais fica com ele.

Por outro lado, Gusteau, que é humano (e uma invenção da imaginação de Remy), incentiva Remy a enfrentar seus medos, aceitar-se e perseguir suas ambições. A ambição, junto com a perseverança, no final supera as limitações.

Filho ilegítimo de Gusteau e instrumento de Remy, Linguini é um cara péssimo. Ele não tem força. Ele até conseguiu o emprego de menino do lixo porque é filho de '& hellip; velha paixão de Gusteau & hellip ;.' Ele não tem identidade própria. Mesmo suas ações que o tornam famoso são controladas por um rato em seu chapéu de chef. O quão baixo seu espírito deve estar para que você entregue o controle de seu corpo a um rato? Mas ele reforça o ponto central do filme. Qualquer pessoa pode cozinhar significa que, se você gosta de cozinhar, pode cozinhar, não importa quem você seja. Isso não significa que todos podem cozinhar. E para Linguini, cozinhar não é a coisa em que ele é bom. Ele é um servidor. Ele serve mesas, recebe pedidos e o faz de patins. Esse é o seu talento. Servir mesa é o seu talento. E qualquer um pode servir à mesa, então ele o faz com talento.

Concluindo, o filme não é sobre um rato que cozinha, mas sim sobre como qualquer um pode conseguir o que deseja, apesar dos desafios que possa enfrentar.

Todos os personagens pretendem representar diferentes partes de nossas vidas. Quando somos jovens, temos o zelo de deixar uma impressão no mundo como Remy. Temos uma imagem inocente, mas às vezes ambiciosa demais, de nosso futuro e não podemos aceitar que isso possa não se tornar realidade. Então, quando percebemos essa verdade, nos tornamos mansos como Linguini. Esforçamo-nos por reconhecimento e apreciação. Temendo o fracasso, nos adaptamos às normas da sociedade e seguimos o rebanho com nossos antolhos ligados. Isso nos permite culpar outra pessoa se algo der errado. Isso nos ajuda a ficar longe da responsabilidade e do estresse que vem com ela. E vivemos nossas vidas inteiras vivendo dessa maneira; seguindo cegamente os cegos. E a maioria de nós morre sem viver, tornando-se tão sem vida quanto Anton. Mas alguns de nós experimentamos uma mudança. Percebemos nosso caminho imperfeito. Nós lentamente nos movemos em direção à borda do rebanho e então, com fé em nós mesmos, nos aceitamos como somos e saltamos para fora.

O mundo lá fora não é familiar e nos tornamos líderes de fato sem ninguém para nos mostrar o caminho. Por causa da necessidade de olhar ao redor e abrir caminho, aprendemos a ser felizes experimentando as pequenas belezas da vida, como um prato de Ratatouille ou a combinação de queijo e morangos. E no final você alcança um final feliz não como um conto de fadas onde tudo e todos são ideais e se encaixam perfeitamente no final, mas como uma vida normal onde somos felizes e satisfeitos com as vidas que criamos para nós, por mais desafiadoras ou estressantes que sejam talvez. Ratatouille nos ensina como viver nossas vidas. As crianças na platéia aproveitam a animação divertida enquanto, inconscientemente, aprendem a viver e os adultos são forçados a reavaliar suas vidas e reconsiderar as escolhas que fizeram. O que melhor um filme pode fazer do que lhe ensinar sobre a própria vida?

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt