Recapitulação do episódio 4 da temporada 1 de ‘Trust’: Business, as usual

Que Filme Ver?
 
Brendan Fraser, à esquerda, e Donald Sutherland em Trust.

Os italianos, historicamente, sabem muito sobre sequestros. Entre 1970 e 1990, mais de 600 deles foram gravados nacionalmente; entre 1975 e 1983, a média anual era de mais de 50. Os sequestros tornaram-se uma prática tão comum na Itália que um protocolo sistematizado se formou em torno deles: a máfia ou bandidos independentes da Calábria e da Sardenha alvejavam famílias ricas no Norte e fugiam com suas vítimas para o montanhas densamente arborizadas do sul, onde se esconderiam até que o resgate fosse pago. Os sequestradores também eram conhecidos por vender suas vítimas a outros grupos criminosos como um meio mais rápido de ganhar dinheiro antes que os pedidos de resgate originais fossem atendidos.

Claro, esse sistema não era perfeito (afinal, eles ainda eram criminosos). Mas se os planos não avançassem tão rapidamente quanto o esperado, havia um protocolo para isso também: mutilar uma parte do corpo - geralmente uma orelha - e enviá-la à família como uma mensagem. Foi uma tática horrível o suficiente para fazer as alavancas do dinheiro se mexerem e as vítimas retornarem. A prática tornou-se tão comum que, em 1991, uma lei italiana foi implementada para congelar os bens das famílias das vítimas assim que um sequestro foi relatado e, ao fazê-lo, remover o motivo de lucro.

O que é tudo para dizer: o sequestro de Getty, conforme retratado no episódio desta semana de Trust, se encaixa no modelo de sequestro italiano de seu tempo para um T. Como ambos os lados começaram a negociar o retorno de Paul, apenas a mãe de Paul está um caco. Isso era estranho, pensei. O resto das partes, entretanto - Primo e seus comparsas, James Fletcher Chace, J. Paul Getty Sr., seu secretário - discutem as negociações com tal fluência prática que parece que esses sequestros acontecem o tempo todo. Com exceção do status de Getty como o homem mais rico do mundo, este é o estilo italiano de negócios de sempre.



E isso é verdade até o local da primeira cena, Calábria, de onde os sequestradores costumavam vir. Vemos Primo dirigindo pelo interior da Calábria para visitar seu tio Don Salvatore (Nicola Rignanese) e o contador de seu tio, Leonardo (Francesco Colella). Ele tem um presente para eles, diz Primo: o menino Getty. Disto podemos inferir que Primo não é o único louco em sua família; Primo presume que seu tio ficará feliz em ter este presente insano. (Ele é.)

A ordem do dia oficial de Primo lá é decidir o preço pedido. Primo atira para o céu: $ 200 milhões. Afinal, este é um herdeiro Getty. Don Salvatore diz: Por que não? Mas Leonardo - mais versado nas regras do jogo - os puxa de volta. Conseguir esse tipo de dinheiro levaria muito tempo, explica ele; Getty teria que vender ativos. E de qualquer maneira, diz ele, o protocolo de resgate típico é 10 por cento dos ativos totais da família, um chute no saco, mas administrável.

A melhor TV de 2021

A televisão este ano ofereceu engenhosidade, humor, desafio e esperança. Aqui estão alguns dos destaques selecionados pelos críticos de TV do The Times:

    • 'Dentro': Escrito e filmado em uma única sala, a comédia especial de Bo Burnham, transmitida pela Netflix, vira os holofotes para a vida na internet em meio a uma pandemia.
    • ‘Dickinson’: O Apple TV + série é a história de origem de uma super-heroína literária que é muito sério sobre o assunto, mas não é sério sobre si mesmo.
    • 'Sucessão': No drama cruel da HBO sobre uma família de bilionários da mídia, ser rico não é mais como costumava ser.
    • ‘The Underground Railroad’: A adaptação fascinante de Barry Jenkins do romance de Colson Whitehead é fabulístico, mas corajosamente real .

Ele acrescenta: Ninguém vai à falência, ninguém morre, todo mundo vai embora. Juntamente com o fato de que a carteira de Getty é uma concha, como Leonardo observa, eles chegam a US $ 17 milhões.

Mas toda boa negociação de reféns precisa de um bom negociador e, na ausência dele, aparentemente um parente com um diploma universitário chique e muito a perder, basta. Para o efeito, Primo ameaça o seu primo advogado (Niccolò Senni) para se tornar o negociador. (Para fins comerciais oficiais, Primo dá a ele o codinome Fifty.) Como a maioria das pessoas, Fifty treme na mera presença de Primo.

Contra sua vontade, Cinquenta recebe as ordens de Primo e entra em contato com a mãe de Paul, Gail. Isso traz um momento de rara comédia: Fifty - relutante, assustado e irritado por estar nessa situação - tenta várias vozes para disfarçar sua identidade quando ele liga para Gail e depois para um jornal local para repassar o pedido de resgate. Gail não acredita nele (todo mundo afirma ter Paul, ela diz), e o jornal não consegue entendê-lo enquanto ele abafa a voz com um travesseiro. Por fim, Cinquenta consegue (ele interpreta lindamente esse triunfo frustrado), e a demanda vai para a primeira página: Os sequestradores devem ter $ 17 milhões ou Paul será morto.

Eventualmente, Gail acredita na autenticidade dos sequestradores depois que Fifty compartilha o nome dos cães de Paul - informação privilegiada que apenas os sequestradores reais saberiam. (Ela ainda está errando no lado da cautela, no entanto: qualquer pessoa envolvida em um plano orquestrado por Paul poderia ter essa informação também.)

Mais tarde, Cinquenta dá a ela uma Polaroid tirada de Paul, amarrado ao lado do cadáver ensanguentado de seu primeiro sequestrador, Bertolini. Essa imagem provará ser suficiente para convencer Getty Sênior de que isso pode não ser uma farsa, afinal. Mas é James Fletcher Chace - perspicaz e racional como sempre - quem o leva até lá: O que estou dizendo é que, quando as pessoas começam a ser mortas, seja o que for, não é mais uma farsa, ele diz a Getty (que tinha acabado de ser mostrado dizendo que pagaria quantias incalculáveis ​​de dinheiro para comprar terras dos nativos americanos para seus empreendimentos petrolíferos).

Getty solta um suspiro; ele parece genuinamente preocupado. Ele envia Chace de volta a Roma e o instrui a abrir negações de resgate - com as pessoas certas desta vez, ele acrescenta, deixando escapar uma risada abafada. (Ele aparentemente não é naquela preocupado.)

Enquanto Primo aguarda a contra-oferta de Getty, ele compra para o bar local uma rodada de bebidas caras, antecipando suas futuras riquezas. Mas então, Fifty compartilha a resposta oficial da Getty: $ 600, mais despesas. É o máximo que a Getty pode pagar antes de se transformar em extorsão segundo a lei italiana. Getty ainda é um homem de negócios consumado e, ao apontar para uma de suas namoradas, pode carregar o lado das despesas do livro-razão como um cavalo de carga. Essa quantia deve ser suficiente para satisfazer privadamente os sequestradores e garantir que os Gettys sejam vistos publicamente por não pagar resgates e, portanto, ficar invulneráveis ​​a sequestros futuros. (Para seu crédito, Getty pelo menos acha que descobriu uma maneira de não fazer com que seu neto fosse morto.)

Enquanto isso, Primo - talvez porque não conheça a lei - só pode se fixar nos US $ 600, sem compreender totalmente o quão lucrativas essas despesas poderiam ser. Ele acabou com este caso, ele decide, e imediatamente volta à sua personalidade psicopata assassina. Ele ordena que seu tradutor, Angelo (Andrea Arcangeli), e seu capanga atirem e enterrem Paul, que, segundo ele, é melhor estar morto quando voltar com gás - presumivelmente para queimar as evidências.

Mas no final, uma reviravolta: ao longo do episódio, o tradutor de Primo, Angelo, mostra ter empatia por Paul - perguntando se ele tem uma namorada, imaginando como era sua vida na Califórnia - e Paul se abre para ele. Paul o apresentaria a Mick Jagger, se pudesse; ele até o teria em seu casamento. Então, quando Angelo é enviado para buscar Paulo para a execução, ele decide salvar a vida de Paulo. Hippy, ele diz a ele, enquanto seu parceiro espera do lado de fora com uma arma, precisamos sair daqui.

E com isso, o cenário para outra fuga está armado.

Troca de reposição:

Houve algumas surpresas atípicas e emocionalmente ricas neste episódio. Eles distraem um pouco a história principal, mas são divertidos, quase como a ficção de fãs do Getty:

• O jardineiro Sutton Place de Getty, Dennis (Jo Stone-Fewings), e Bullimore, o servo dedicado de Getty, podem estar à beira de um romance. Bullimore dá uma olhada em Dennis depois que Getty impiedosamente lança seus cães de ataque sobre ele, se perguntando se Dennis é gay. Dennis cumprimenta Bullimore em sua porta e o convida a entrar. Bullimore - um homem que adora coisas arranjadas só então - é surpreendido pelo esconderijo cheio de plantas de Dennis. Ele cede em tomar uma cerveja com ele, e a química entre eles acende.

• A principal namorada de Getty, Penelope (Anna Chancellor), está tendo um caso próprio, e Getty percebe isso. Ele menciona, uma e outra vez ao longo do episódio, quantas vezes ela tem deixado Sutton Place por razões que ela não revela. Mais uma vez, podemos estar vendo emoções reais de Getty (mesmo que assuma a forma inexpressiva de ciúme) aninhadas em algum lugar sob essas camadas frias.

• Finalmente - o maior choque de todos - descobrimos que Primo tem medo de algo : seu tio. Quando ele conta a notícia de seu dom (Paul), fica arrogante. Se estamos pedindo amendoim, diz Primo, prefiro fazer isso sozinho. Seu tio fica indignado e lhe dá um tapa forte. Você se atreve a vir aqui com um presente e levar embora de novo? ele pergunta. Seu perdão, tio, Primo diz, duas vezes. Ele parece estar sob o domínio de seu tio, o que é inesperado do homem que atira na cabeça das pessoas, quer queira quer não. Em episódios futuros, imagino que aprenderemos mais sobre de onde vem essa subserviência.

Some posts may contain affiliate links. cm-ob.pt is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon(.com, .co.uk, .ca etc).

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt | Write for Us