Programas de TV para assistir de Hong Kong, Brasil, Suécia e muito mais

Sofia Helin estrela como uma detetive sueca danificada em The Bridge. A 4ª temporada está disponível no Hulu.

O que você está perdendo se não está assistindo à televisão internacional? Uma fatia significativa do bolo da TV, muito além dos poucos programas - mais recentemente, Babylon Berlin da Alemanha e O fim do mundo da Grã-Bretanha - que estourou.

As melhores VPNs para Netflix
CyberGhost VPNMelhor VPN Netflix
Política de não registro
Proteção Wi-Fi
Garantia de devolução de dinheiro

Temos uma garantia de reembolso de 45 dias, para que você tenha tempo suficiente para testar os aplicativos e ver se eles são adequados para você.
Ver oferta
Surfshark VPNVPN mais barata
Dispositivos ilimitados
Melhor segurança
Melhor velocidade


A partir de apenas US $ 2,49 por mês, é uma opção premium fantástica que é incrivelmente simples de usar. O desbloqueio da Netflix dos EUA é sua especialidade no momento.
Ver oferta

Em preparação para essa rodada altamente seletiva, compilei uma lista de programas com roteiro não americano que tiveram novas temporadas disponíveis nos Estados Unidos, na TV tradicional ou streaming, até agora em 2018. Chegamos a 108 estonteantes. É quase um show e meio dia, e isso subestima o verdadeiro total, porque não cobre uma miríade de sites especializados.

Portanto, esqueça de acompanhar. Se você gostaria de experimentar, aqui estão seis séries recentes (ou chegando) dos principais serviços de streaming que valem a pena conferir.



A versão americana desta série de crime nórdico-noir de referência veio e se foi, mas o original dinamarquês-sueco continua avançando, oferecendo uma nova temporada a cada dois ou três anos. O show começou com a famosa descoberta de dois meio-cadáveres na ponte Oresund, na fronteira entre a Dinamarca e a Suécia, e Temporada 4 (supostamente a última), disponível no Hulu, mantém a tradição de assassinato teatralmente horrível - desta vez, o mistério começa com uma mulher apedrejada até a morte debaixo da ponte.

O foco ainda está em várias vertentes de detecção elaborada, às vezes confusamente plotada (com mais pistas falsas do que o necessário). Mas a contagem de cadáveres caiu, e uma improvável e estranhamente comovente história de amor entre a detetive sueca Saga (Sofia Helin) e seu novo parceiro dinamarquês (Thure Lindhardt) tornou-se central para o show. A verdadeira constante é o desempenho rigidamente controlado da Sra. Helin - sem qualquer exibicionismo, ela continua a encontrar desgosto e humor em um personagem difícil.

A melhor TV de 2021

A televisão este ano ofereceu engenhosidade, humor, desafio e esperança. Aqui estão alguns dos destaques selecionados pelos críticos de TV do The Times:

    • 'Dentro': Escrito e filmado em uma única sala, a comédia especial de Bo Burnham, transmitida pela Netflix, vira os holofotes para a vida na internet em meio a uma pandemia.
    • ‘Dickinson’: O Apple TV + série é a história de origem de uma super-heroína literária que é muito sério sobre o assunto, mas não é sério sobre si mesmo.
    • 'Sucessão': No drama cruel da HBO sobre uma família de bilionários da mídia, ser rico não é mais como costumava ser.
    • ‘The Underground Railroad’: A adaptação fascinante de Barry Jenkins do romance de Colson Whitehead é fabulístico, mas corajosamente real .

Esta série sueca usa o estilo house do noir nórdico - moderado, mas altamente carregado, como um sonho sempre à beira de um pesadelo - mas cruza uma típica história de crime voltada para a conspiração com uma fábula assustadora de eco-terror. O híbrido resultante, um procedimento policial com elementos de suspense de contágio e conto de vampiros, é tratado com tanta habilidade que requer surpreendentemente pouca suspensão de descrença.

Essa credibilidade flui do trio de personagens no centro do show: Eva (Moa Gammel), a detetive que na 1ª temporada é infectada com o parasita que lentamente transforma humanos em criaturas da floresta; Wass (Goran Ragnerstam), o policial federal que trabalha secretamente para as forças alternadamente benignas e ameaçadoras da natureza; e Tom (Richard Forsgren), o policial local corajoso e irremediavelmente quadrado que anseia por Eva. Todos os três voltaram e são novamente excelentes, na 2ª temporada, agora disponível no site de streaming de terror Shudder.

Esta série da web, nomeada em homenagem ao Crime Organizado e Tríade da polícia de Hong Kong da vida real, foi uma evocação tão fiel dos dramas policiais de Hong Kong da década de 1990 que seus 30 episódios supostamente atraiu 1,3 bilhão de visualizações no serviço de vídeo chinês Youku - e isso foi antes que a Netflix o escolhesse para streaming no resto do mundo.

A história - sobre um policial disfarçado que é puxado de volta para o jogo uma última vez, se passando por um chefe de gangue em ascensão - se passa nos anos anteriores à transferência britânica de Hong Kong em 1997. A qualidade da cápsula do tempo da série em expansão é acentuada por um enorme elenco repleto de performers familiares aos aficionados da ação de Hong Kong, incluindo Carrie Ng, Frankie Ng Chi-Hung Ng, Philip Chan e Ng Man-Tat. Jordan Chan, que interpretou Chicken Chiu nos filmes Young and Dangerous de Andrew Lau nos anos 90, estrela aqui como outro pássaro - o nome do chefe da máfia do detetive é Phoenix.

O cineasta brasileiro José Padilha, que dirigiu os dois primeiros episódios do filme popular da Netflix narcóticos da série narcotraficante, é o criador desta nova saga do crime, que chega ao Netflix no dia 23 de março. Começa com a declaração de um policial de que o crime no Brasil não é apenas sobre tiroteio com traficantes de drogas, o que soa como uma referência tanto aos Narcos quanto aos sangrentos de Padilha Filmes do Elite Squad.

O mecanismo (O Mecanismo, se você optar por assistir a versão legendada) é, em vez disso, um longo exame de uma tortuosa investigação de lavagem de dinheiro e suborno nos níveis superiores de negócios e governo brasileiros, com base no escândalo da vida real que se envolveu os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Começando com a reconstrução laboriosa de um policial idealista de documentos financeiros fragmentados, ele aspira a um pouco da força processual cotidiana de The Wire, mas os instintos moralistas e melodramáticos de Padilha se afirmam rapidamente. O momento pode ser o certo, entretanto, para seu estilo populista e agitador.

Imagem

Crédito...Walter Presents

Um irmão tem sua chance nas grandes ligas, o outro volta a trabalhar em empregos braçais e crimes mesquinhos. Papai insiste em negociar pessoalmente com a equipe, em vez de contratar um agente profissional. A estrela estabelecida se ressente e turva a nova chegada. Todas as histórias que vimos no beisebol, basquete e futebol funcionam tão bem nesta série de futebol belga, originalmente intitulado Spitsbroers ou irmãos atacantes, transmitindo em Walter Presents.

Joren Seldeslachts joga contra Alan, o mais velho de dois irmãos jogadores de futebol, que fica furioso quando seu irmão, Dennis (Oscar Willems), faz o teste em um clube da primeira divisão que ele pensava ser seu. The Score não é Friday Night Lights, mas tem sucesso em seus próprios termos mais prosaicos como um drama familiar crível e caloroso, mas pontiagudo.

Imagem

Crédito...AcornTV

Este leve, antiquado, sentir-se bem drama escolar e familiar - situada entre sitcom e novela - a transmissão na AcornTV tem um elenco agradável e uma premissa envolvente: duas escolas britânicas, uma predominantemente branca e uma predominantemente do sul da Ásia, estão consolidadas por razões financeiras. Situações de estoque no campo de rúgbi, na sala de aula e no playground levam a aulas previsíveis, mas elas se desdobram de maneiras estranhas o suficiente para prender seu interesse. (Quando as garotas mesquinhas e pedantes se voltam em uníssono para encarar um indesejável, seus rostos zombeteiros são emoldurados por hijabs.)

Poppy Lee Friar e Amy-Leigh Hickman estrelam como melhores amigas brancas e asiáticas; Liz White e Sunetra Sarker interpretam as duas mães legais, uma professora compassiva e uma pragmática séria que usa calças azul neon com seu shalwar kameez enquanto trabalhava na fila do refeitório da escola. A marca real é que Ackley Bridge não é um programa americano: quando um professor perde a calma e dá um soco em uma aluna extremamente irritante, e outro flerta pesado com uma de suas alunas, as consequências são abordadas, mas a moralização é contida. (O julgamento é reservado ao rico empresário muçulmano que tem um caso com o diretor.)

Copyright © Todos Os Direitos Reservados | cm-ob.pt